Em palanque eleitoral, deputado Zeca Viana (PDT) diz que tem vergonha de ser político. Só não diz que sente vergonha de ser mais um dos caititus de José Riva na Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Zeca Viana, deputado, tem se comportado como outro pedetista que esteve na Assembleia antes dele, o atual prefeito Otaviano Piveta, que saiu de lá repudiando o próprio mandato. Os dois atuaram o tempo inteiro como caititus do Riva e, em campanha eleitoral, tentam passar uma imagem “alternativa”. Mas é só blábláblá

José Geraldo Riva e Zeca Viana, deputados estaduais em Mato Grosso

José Geraldo Riva e Zeca Viana, deputados estaduais em Mato Grosso

O que o deputado Zeca Viana, presidente do PDT, tem feito, dentro da Assembleia Legislativa, para afastar daquele plenário o deputado José Geraldo Riva (PSD), o deputado mais processado por corrupção em Mato Grosso e que já conta com pelo menos 4 (quatro) condenações colegiadas por corrupção no Tribunal de Justiça?
Tivesse um mínimo de decência, o presidente do PDT, já deveria ter entrado com uma representação junto à Mesa Diretora daquele parlamento para propor que Riva fosse levado à Comissão de Ética da Assembleia e tivesse seu mandato julgado pelos seus pares. Essa foi uma exigência dos cidadãos, nas ruas, nas históricas manifestações de junho de 2013. E é uma possibilidade legal, em face das condenações já anotadas na longa folha corrida de Riva.
Só que Zeca Viana não faz nada disso. Dentro do plenário da Assembleia ele se comporta como se comportam todos os outros caitutus de Geraldo Riva – assim designados pelo também caititu Percival Muniz lembrando as matilhas de caititus (porcos do mato) que sempre seguem bovinamente (ou porquinamente?) o seu líder, no caso o próprio Riva. Nesses anos todos, não apareceu um só para discordar da matilha. Tudo que tem se falado sobre Riva, mesmo em nossa midia tão atrelada, jamais repercutiu no plenário da Assembleia.
Agora, em período de campanha eleitoral, Zeca Viana anda pelo Estado afora dizendo cobras e lagartos de Riva e da Assembleia e da classe política, como um todo.Só que a prática, conforme nos ensinou o mestre Lenin, é o critério da verdade.
Zeca Viana, ainda que fosse derrotado, deveria ter tentado confrontar Riva. Mas, no seu cotidiano como parlamentar, se acovardou. Está tudo registrado lá, nos anais da Assembleia, nas gravações da TV Assembleia: nenhum pio do Zeca contra o Riva, contra as práticas vergonhosas identificadas na gestão da Assembleia, seja como resultado das investigações da Operação Arca de Noé, no início dos anos 2000, seja, mais recentemente, como resultado das investigações da Delegacia Fazendária e do Ministério Público, notadamente quanto à compra de combustíveis.
Bláblá de campanha eleitoral não resolve nada. Zeca Viana, deputado, se comporta como outro pedetista que esteve na Assembleia antes dele, o atual prefeito Otaviano Piveta. Os dois se comportam como caititus do Riva e, em campanha eleitoral, tentam passar uma imagem “alternativa”.Mas fatos são fatos.
Quando Riva foi preso, recentemente, durante a Operação Ararath, provocando manchetes nacionais, alguém teve notícia de um pronunciamento que fosse de Zeca Viana, repercutindo este escândalo?
Neca de pitibiriba. O acovardado deputado lider do PDT e representante de Pedro Taques na AL continuou acovardado, continuou atuando como caititu do Riva, deixando de ecoar o comportamento de Taques que, em muito momentos, fez abordagens eficientes sobre Riva e seus processos.
Por isso digo, com muita lástima, que falta dignidade ao presidente do PDT de Mato Grosso para sustentar este discurso contra a política e o político. Seria bom se fosse diferente. Seria bom se Zeca Viana tivesse sabido ser um anti-Riva na Assembleia. Ele teve sua chance. Teve quatro anos para se credenciar nesta área, mas não se credenciou. 
Confira o noticiário. (EC)

Deputado diz sentir vergonha e afirma que AL não valoriza dinheiro público – veja vídeo

Romilson Dourado, no RD NEWS

O produtor rural e deputado estadual Zeca Viana, presidente regional do PDT, fez um discurso duro no último sábado à noite, em Primavera do Leste, marcando o lançamento de sua candidatura à reeleição. Disparou contra o governo estadual e a Assembleia Legislativa, de cujo quadro ele próprio faz parte.

Para ler inteiro teor da matéria, clique no linque abaixo:

http://www.rdnews.com.br/blog-do-romilson/conteudo/deputado-diz-sentir-vergonha-e-afirma-que-al-nao-valoriza-dinheiro-publico-veja-video/55866

16 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.31.5.116 - Responder

    Agora concordo em número, gênero e grau com você Enock!
    Algum dos outros 23 deputados, e seus infindáveis suplentes “rodizio” já tentaram tirar o Riva da mesa diretora? Abriram CPI para apurar os processos? Tentaram cassar o mandato dele? E não me refiro só a última legislatura não, falo de 2002 pra cá, e em especial os deputados da dita “oposição”. Se nada fizeram é porque são no minimo subserviente e no máximo coniventes. No fim do ano o Riva sai da AL e duvido muito que algo mude. Vamos ver se as ongs da vida vão continuar a cobrança de moralidade ou se o problema era mesmo só um dos 24 deputados estaduais.

  2. - IP 187.113.47.238 - Responder

    Isso está parecido com a turma do PT que amtes de chegarem ao poder tinham um belíssimo discurso contra a corrupção, mas era tudo blablablá, pois hoje eles, assim como os seus cappos são os maiores defensores dos mensaleiros.

  3. - IP 201.57.233.61 - Responder

    Concordo apenas parcialmente com a matéria Enock, pois, Pivetta como deputado sempre divergiu de Riva. Chegou a denunciar na TV que havia requerido o lotacionograma e mesmo sendo deputado não foi atendido. Na época a Ong Moral levou ao Piveta o listão com os servidores da Assembleia, qua Justiça determinou fosse entregue à entidade.

    Naquele tempo eu divergi de Piveta pelo fato de ele não usar um pouco da sua fortuna para comprar uns 10 deputadinhos vagabundos que sempre estavam à venda, e então derrotar o Baixinho e tirá-lo da Mesa da casa. Culpei inclusive a origem italiana do Piveta, já que seus patrícios são famosos mãos de vaca.

    Mas Piveta jamais teve comportamento de “rivaboy”, aliás termo que eu inventei para denominar essa corja que há duas décadas vive de quatro pés diante do ditadorzinho de Juara.

    • - IP 177.193.132.21 - Responder

      Assim como os caititus são complacentes com o Riva, você, Adams, parece querer ser complacente com o Piveta. Um ponto fora da curva, da sua parte. Veja que um isolado pedido de lotacionograma é pouco, diante do silêncio sepulcral quanto aos processos promovidos pelo MP com relação à dilapidação dos cofres públicas daquela Casa. Piveta calou sempre, de forma politicamente covarde e jamais atuou de forma a informar a população quanto aos mal feitos identificados naquela Casa durante a Operação Arca de Noé e depois dela. Foi um deputado omisso e não sou eu quem digo, foi ele mesmo quem avaliou mal o seu mandato, de forma pública, assim que o encerrou. Pode ter pedido o tal lotacionograma, através de papelada movimentada na Casa, mas JAMAIS fez um discurso, uma fala sequer na tribuna, ou entrevista à imprensa, enquanto exercia seu mandato, como faz agora, em período eleitoral, e anos e anos depois, para falar e detalhar a folha corrida do deputado Riva – que tem sido destaque neste blogue desde que o colocamos no ar, com grande destaque para textos que você mesmo, Ademar Adams, escreveu. Cadê que o Piveta jamais teve coragem de ler na tribuna um dos seus artigos, amigo Adams, publicado aqui ou nos velhos tempos do Circuito Mato Grosso? Faltou-lhe culhão. Se isso não é bastante para enquadrar o sr. Piveta como “Riva Boy” – e um Riva Boy dos mais abjetos, o que será, meu caro Ademar Adams??? Esperneio por esperneio, veja que até mesmo deputados também caititus como Emanuel Pinheiro e Mauro Savi e Percival Muniz já tiveram seus esperneios contra Riva, sem qualquer repercussão maior. Mas tudo conversa pra boi dormir. Precisar-se-ia esclarecer as razões que levaram o sr. Piveta, no exercício do seu mandato, a esse silêncio constrangedor ante Riva. Terá sido o receio de que Riva acionasse, como está acionando agora, seus jornais amigos e jornalistas amestrados, para falar do Escândalo da Cooperlucas no qual Piveta não foi inocentado, como tenta fazer crer, mas simplesmente viu sua possível punição cair em prescrição em face do longo, longo tempo que o Ministério Público, sob Roberto Cavalcanti e Pedro Taques, teria levado para ultimar o processo de denúncia. Veja, hoje em dia, Pedro Taques diz que a responsabilidade pela possível punição a Piveta não cabia a ele, mas a Roberto Cavalcanti, que acabou se afastando voluntariamente do MP. Taques sugere que se houve descuido foi do Cavalcanti. Taques entra naquela do “toma que o filho é teu”. Ora, tenho para mim que a responsabilidade cabe a todos os membros do MP em Mato Grosso como um todo, já que não se registrou, ao que eu saiba, qualquer atitude do Pedro Taques junto ao Conselho Nacional do Ministério Público, quanto a qualquer desleixo do sr. Roberto Cavalcanti no encaminhamento deste caso. Se limitou a responder às preocupações do juiz Julier mandando recadinhos para o Cavalcanti, como se isso bastasse. O mais, é história, para ser esclarecida por repórteres investigativos e historiadores atentos que queiram se debruçar sobre esse escândalo que tanto sacrificou os cofres do Banco do Brasil em nossa região.

    • - IP 201.67.18.95 - Responder

      Quando se trata de Piveta, Ademar Adams coloca a questão moral em outro patamar. Para ele, Piveta é inocente quanto ao escândalo da Cooperlucas, e nenhum comentário sobre o fato de que a ação penal prescreveu e ninguém – nem mesmo Ademar – levantou uma palha para forçar a investigação sobre tudo o que efetivamente ocorreu na Cooperativa de Lucas do Rio Verde. Será que é pelo fato de Piveta ser gaúcho, tanto quanto Ademar? Ao que me parece, para Ademar não existe gaúcho pilantra. De acordo com a relatividade de Ademar, Piveta também estaria autorizado a “comprar” deputado para resolver os problemas de Mato Grosso e isso não teria nenhuma conotação de imoralidade porque Piveta – com Ademar a tiracolo – está acima dessas coisas que incomodam os pobres mortais. Porra, Ademar, aí passou dos limites. E esse relativismo moral nem pode ser considerado contradição porque esse seu discurso em defesa de Piveta já nos arrastou a todos para o plano da imoralidade. Imoralidade não se discute, o objeto não é a Moral?

  4. - IP 189.31.50.212 - Responder

    Concordo plenamente Enock, são todos os deputados da mesma laia, sem distinções nem partidos! Algum dono de ong consegue me explicar como o joão emanuel foi cassado pela câmara por falar em desviar 500 mil reais, o ralf leite por sair com um travesti e nenhum deputado filho de Deus já propôs cassar o Riva? A resposta desse questionamento já diz muito da composição geral da AL! Aliás, não só não foi cassado, como se reelege a cada dois anos para a mesa diretora a 20 anos. Se não são todos iguais, qual o segredo desse sucesso?

  5. - IP 189.59.51.2 - Responder

    Se Otaviano apoiasse a Dilma,como o Eraí,aí o Enock mudaria radicalmente de opinião,como sempre.Mas Otaviano apoia o Taques ,então é caititu.Enock, também por apoiar o PT,podemos chama-lo de caititu de LULALÁ,É só questão de que ângulo se está olhando.Simples assim!

  6. - IP 179.216.193.85 - Responder

    Nesta matéria, faltou o autor citar os deputados do PT. Enock seja imparcial.

  7. - IP 187.4.182.46 - Responder

    De PT a PSDB passando por PMDB/DEM/PSB e demais partidos, desafio algum leitor desse Blog a apontar só uma voz dissidente do Riva na AL. Por dissidente me refiro a quem já tenha ameaçado realmente seu poder na casa. Só uma voz!

  8. - IP 201.57.233.61 - Responder

    Para Enock:

    Se durante oito legislaturas praticamente todos os deputados não só toleraram Riva et caterva e a maioria se locupletou com isso, quando alguém como Pivette divergiu sempre e publicamente do ditadorzinho, já é um avanço e tanto. Claro que o Pivetta não fez aquilo que todos nós queríamos que fizesse, mas também devemos ter em mente que nem todo mundo tem a coragem e disposição para fazer um enfrentamento, como a gente quer que faça.

    Mas veja só caríssimo Enock, Pedro Henry esteve envolvido em “n” falcatruas, mas foi preso na história do dito mensalão. sobre esse especuladíssimo caso, já manifestei minha opinião. Acho que ele de fato foi julgado por um Tribunal de Exceção, mas inocente, ele jamais teria sido. E ainda assim você gastou tinta defendendo-o o o chamando de inocente.

    Quanto ao “caso Cooperlucas”, jamais houve qualquer prova divulgada contra Piveta. Ele foi envolvido muito mais pelos interesses escusos dos donos de A Gazeta, do que por qualquer outra coisa. Ele nunca foi dirigente nem gerente daquela cooperativa. Era uma associado, produtor de soja, como tantos e entregava à cooperativa, apenas parte da sua produção.
    Que tal você fazem uma investigação e achando a culpa dele denunciar em uma grande reportagem ou um livro? Fica a sugestão.

  9. - IP 201.57.233.61 - Responder

    Ubirajara Itagi:

    Você além ler só o que quer, também quer fazer do preconceito uma “verdade” safada.
    Assim, eu poderia intuir que só por ser curitibano, você foi eleitor e é fã do Ratinho…

    No mérito:

    Se o Piveta usasse o seu dinheiro para comprar os deputadinhos que estão à venda como jabá em porta de boteco, para extirpar aquele câncer que domina a Assembleia, os fins justificariam os meios. Mais vale uma traquinagem em favor de Deus, do que juntar as mãos e rezar em favor do diabo!

    Pergunto ainda, o que você fez até hoje para combater algum corrupto. Já representou contra algum deles? Já fez uma denúncia publica com seu nome legítimo? Já foi lá na Assembleia dizer verdades na cara do Riva? De que adianta toda essa sabedoria jurídica, escondido a destratar aqueles que lutam?

    Bira, vá te catar!

    • - IP 177.193.132.21 - Responder

      Ademar, ao insistir nessa defesa do Pivetta, você continua sendo impreciso. Esse negócio de você dizer que “quando alguém como Pivetta divergiu sempre e publicamente do ditadorzinho, já é um avanço e tanto” – não corresponde, infelizmente, à verdade dos fatos. Pivetta não divergiu “sempre e publicamente” de Riva ou de qualquer outro que você pretenda definir como ditadorzinho. Pivetta pode ter divergido uma vez ou outra, como fizeram também outros caititus como o Percival, o Emanuel, o Mauro Savi que, no primeiro afastamento de Riva chegou a sonhar em ocupar definitivamente a presidencia da Casa. No mais, Pivetta, infelizmente, para sua desonra perante seu eleitorado e demais cidadãos mato-grossenses, foi sempre um caitutu bem acomodado, bem acocorado, em face de Riva. Um blefe, um acovardado, um parlamentar politicamente desprezível que, até mesmo pelas expectativas que criou, cumpriu um mandato absolutamente lastimável. Mas pior, Ademar Adams, é você escrever, com a maior fleugma, como se tivesse dizendo uma grande verdade, que “Quanto ao “caso Cooperlucas”, jamais houve qualquer prova divulgada contra Piveta” Pelo jeito você também precisa ser constrangido a ler os arquivos implacáveis desta PAGINA DO E, onde, desde 30 de agosto de 2009, está publicado o inteiro teor do Inquérito Policial 309/99, concluído em 06.03.2001, e assinado pelo delegado da Policia Federal Disney Rosseti que desmente essa sua argumentação de que “jamais houve qualquer prova divulgada contra Piveta”. Será que provas e dados arrolados por um delegado da Policia Federal não são suficientes para satisfazer esta sua cobrança? Forneço um linque, ao final deste comentário para que você supere esse apego algo irracional à falta de provas contra Pivetta, e se informe e deixe de se comportar como “Piveta Boy” – voce que, certamente não é um “Riva Boy”. Quanto à sua sugestão para que eu faça investigações complementares ou escreva um livro, digo-lhe que a minha parte eu já fiz e venho fazendo, nesta minha atuação como blogueiro que consome tanto do meu esforço pessoal em face dos jornais amigos e dos jornalistas amestrados deste Mato Grosso tão precisado de um jornalismo mais eficiente. Aos 61 anos, minhas limitações são evidentes e conhecidas. Mas minhas revelações sobre o Escândalo da Cooperlucas estão aí, publicadas há tanto tempo. Mas reconheço que seria válido investigar os tortuosos caminhos que vieram, desde lá desse Inquérito concluído pelo delegado da Polícia Federal Disney Rossetti até a decisão do Tribunal Regional Federal que decretou a prescrição de qualquer possibilidade de denúncia contra Pivetta, da lavra do notório desembargador Tourinho Neto. Me reconheço velho e alquebrado para esta tarefa. Seria importante mostrar porque, em determinada fase do processo, Pivetta e seus advogados conseguiram que ele corresse em segredo de Justiça! Que efetivo papel tiveram os procuradores Roberto Cavalcanti e Pedro Taques neste episódio e como foi que os dois procuradores, diante do inquérito da Policia Federal, e das preocupações expressas, até mesmo por escrito, pelo juiz Julier Sebastião, acabaram por deixar o sr. Otaviano Pivetta de fora da lista dos denunciados pelo Escândalo da Cooperlucas??? Realmente, não sei. Aos 61 anos, minhas limitações são mais que evidentes. Mas as investigações do delegado da Polícia Federal Disney Rossetti falam por si. Enquanto existe este documento a bradar conta as práticas de Pivetta, que documentos você acha que respaldaram a prisão e a condenação do deputado Pedro Henry no Escândalo do Mensalão? Esse negócio de que deputados de partidos da base receberam dinheiro para aprovar uma Reforma da Previdência em que até os deputados e partidos da Oposição votaram a favor não se sustenta, não me convence. O caso ali parece que foi mesmo de Caixa Dois – e por isso todos deveriam ter sido efetivamente processados e condenados. Pedro Henry e os demais condenados do Mensalão, por isso mesmo, no meu modesto entendimento, e no entendimento de muitos, foram vítimas de um julgamento político que envergonha não a mim, quando faço a defesa de Henry – porque acredito estar defendendo, acima de tudo, o devido processo legal – mas àqueles ministros que formavam o Pleno do STF e aos procuradores do MPF que investigaram o caso e abafaram uma tantas provas, como já foi por muitos denunciado, transformando a acusação que deveria mirar no Caixa 2, nesta compra de parlamentares que não se sustenta à luz de eminências jurídicas como mestre Ives Gandra Martins, que nem sequer é petista, muito pelo contrário.. No mais, eis aí o linque para o inquérito com as provas coletadas, não por mim nem pelo MPF, mas pela Polícia Federal, com relação ao sr. Otaviano Pivetta neste rumorosa caso da Cooperlucas. Acho que a leitura desse inquérito é didática para evitar a reprodução de novos Pivetas boys.

      http://pt.scribd.com/doc/19161197/MPE-PAGINA-DO-E-PRESCRICAO-BENEFICIA-PIVETA-2

    • - IP 200.175.150.197 - Responder

      Como é que é Ademar?? Os fins justificam os meios??

      é por isso que os petralhas pensam que podem roubar, eles imaginam que o roubo deles é para o bem do povo.

      Ademar, não exagere. Se afaste um pouco desses pensamentos tortuosos, desta turma torta, pois esse negócio dos fins justificarem os meios já levou a ditaduras, a torturas, roubos , furtos, assassinatos e outros mais.

  10. - IP 177.64.251.53 - Responder

    Ademar Adams, você sabe se seu ídolo Otaviano Pivetta fez alguma denúncia contra o Riva ou a mesa diretora enquanto ele estava lá? Se candidatar pra presidente não vale. Caso encerrado!

  11. - IP 189.59.48.211 - Responder

    Enock,Henry condenado em tribunal de excesao,é ofender nossa inteligência,e não foi opinião de muitos que consideraram injusta a condenação ,foi de muitos do PT E DOS QUE tem caráter indefinido.Nessa questão do mensalão não tem esse negócio de morno,ou é quente ou é frio,isto é, ou é honesto ou não é,HENRY,recebeu 4 milhões de reais do Marcos Valério para o PP e ponto.CONDENADO!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezesseis − dez =