PREFEITURA SANEAMENTO

JORNALISTA EDUARDO GOMES: Em clima de trombetas o governo de Pedro Taques(PDT) anuncia que a Polícia Judiciária Civil, Polícia Militar, profissionais da Educação e da Saúde terão aumento acima dos 3,11%. O governo, no entanto, omitiu que esse diferencial é resultante de acordos firmados pelo ex-governador Silval Barbosa (PMDB); mesmo assim os compromissos assumidos na administração anterior não serão cumpridos ao pé da letra. Sindicalistas presentes no Paiaguás não puderam se manifestar. O Gabinete de Comunicação não permitiu o acesso de jornalistas, nem mesmo àqueles que militam na dita Imprensa chapa branca

Eduardo Gomes

DA EDITORIA – MT AQUI

“Medidas de austeridade e economia adotadas pelo Governo de Mato Grosso desde o primeiro dia de janeiro permitirão a aplicação da integralidade dos aumentos previstos nas leis de carreira do Estado, entre elas da Polícia Judiciária Civil, Polícia Militar, profissionais da educação e da saúde. Além disso, todas as categorias receberão já no mês de maio aumento salarial de 3,11%, conforme a Lei N° 8.278, de 30 de dezembro de 2004”. Este texto do Gabinete de Comunicação do governador Pedro Taques (PDT) e reproduzido aos borbotões pela Imprensa – com raras exceções -, não condiz com a verdade, encobre uma grande injustiça com os servidores públicos e empurra cada vez mais o Estado ao abismo da mentira, da cobertura jornalística leviana e ao clima de insegurança jurídica para quem presta serviços ou vende para o governo e para quem trabalha para o Palácio Paiaguás.

Maio é data-base do servidor estadual mato-grossense. O Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC) apurou que a inflação em 2014 foi de 6,23%. A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a Lei Orçamentária Anual (LOA) estabelecem que o reajuste salarial anual não pode ser inferior ao INPC, mas mesmo assim Pedro Taques concedeu reajuste de apenas R$ 3,11%, o que em números redondos é a metade do aumento definido em lei. Mato Grosso adota a prática do gatilho do reajuste com a força da LDO e da LOA desde o governo de Blairo Maggi (2003/10) e que foi mantido pelo sucessor de Blairo, Silval Barbosa.

Em clima de trombetas o governo anunciou que a Polícia Judiciária Civil, Polícia Militar, profissionais da Educação e da Saúde terão aumento acima dos 3,11%. O governo, no entanto, omitiu que esse diferencial é resultante de acordos firmados pelo ex-governador Silval Barbosa; mesmo assim os compromissos assumidos na administração anterior não serão cumpridos ao pé da letra.

Para exemplificar: em 15 de outubro de 2013, após 67 dias de greve dos profissionais da Educação, uma assembleia-geral do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep), na Escola Estadual Presidente Médici, em Cuiabá, botou fim ao movimento. O governo concedeu aumento salarial de 100% diluído em 10 anos, sendo que a cada exercício a categoria receberia 10% de aumento. No dia 23 de outubro daquele ano a Assembleia Legislativa aprovou a lei que sacramentou o acordo. O então deputado estadual petista Alexandre Cesar incluiu à lei um artigo interessante: caso o piso nacional dos educadores supere os 10% do aumento anual, esse prevalecerá sobre o acordo firmado entre o governo e o Sintep.

Ao Fórum Sindical, que em silêncio engoliu em seco o anúncio do reajuste feito nesta sexta-feira (15), Pedro Taques prometeu realizar reuniões mensais com os sindicatos para apresentar a evolução da receite líquida corrente, para avaliar a possibilidade de completar a exigência legal de aumento em 6,23%.

Os sindicalistas presentes não puderam se manifestar. O Gabinete de Comunicação não permitiu o acesso de jornalistas, nem mesmo àqueles que militam na dita Imprensa chapa branca.

 

Eduardo Gomes, conhecido como Brigadeiro, é jornalista e editor do site e revista MT Aqui

Eduardo Gomes, conhecido como Brigadeiro, é jornalista e editor do site e revista MT Aqui

10 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 191.33.161.236 - Responder

    A ditadura transvestida de democracia instalou neste Estado,o verdadeiro lobo vestido de cordeiro. Achando que os funcionários públicos são ” bobo ceira-cheira ” .

  2. - IP 189.31.25.135 - Responder

    Qualquer um sabe que a inflação real é bem maior que 6,22%( conta de energia por exemplo foi de 27%), portanto o minimo que se esperava era o aumento de 6,22%. O governador além de não conceder, faz um barulho pela imprensa como se fosse um favor que ele faz aos servidores. Um absurdo. Esse Gilmar Brunetto defende quem? não defende a nós servidores.

  3. - IP 187.7.245.3 - Responder

    Pedro Taques é uma fraude.

    • - IP 177.41.83.156 - Responder

      Assim como vce seu babaca, UBIRAJARA é uma cidade de São Paulo,e ITAGI é uma cidade da Bahia,procure outro codinome idiota!

  4. - IP 66.102.8.146 - Responder

    Agora k vcs viram isso? Pdro taques-jong hil..cuidado com as bazuca,ele tem ate um executor.vandonni.kkk

  5. - IP 66.102.8.146 - Responder

    Falando sério. ele nao parece o tampinha da república democrática da Coréia do norte? e tenho dito

  6. - IP 200.163.62.149 - Responder

    Sinceramente, eu esperava um reajuste bem melhor do que foi ofertado pelo governo de MT,
    pois as perdas inflacionárias já passaram de 7,5% e foi ofertado somente 3,11%, mas vamos
    aguardar um melhor valorização do Servidor Público para Setembro/15, quando poderá haver
    uma complementação desse índice inflacionário para termos um Natal melhor.

  7. - IP 179.179.94.228 - Responder

    Pedro Taques, Dilmala e Lullão Petrolão só querem o suor do povo.

  8. - IP 187.7.245.3 - Responder

    “Gauchinho” mijou na bota?

  9. - IP 177.26.238.226 - Responder

    Os mesmos que reclamam agora, e logo mais a frente, se calaram com o sivá que passeia de jatinho enquanto sorri de todos. Mas a ordem do chefe é sobrar dinheiro pra lavar em VG…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

13 + 2 =