Eduardo Gomes faz alarde sobre fortuna de socialista

O que se esconde por trás da fortuna de  Mauro Mendes?

Em sua reportagem de capa, a revista MT Aqui dá a entender que estaria publicando matéria bombástica e investigativa sobre as origens da imensa fortuna do engenheiro e empresário Mauro Mendes. Confira abaixo o texto e opine: Eduardo Gomes conseguiu reunir fatos novos e realmente reveladores e verdadeiramente intrigantes? (EC)

O estranho e precoce enriquecimento do político que insiste em disputar eleições

 

POR EDUARDO GOMES

Da revista MTAQUI

 http://www.mtaquionline.com.br/edicao/15/

Milagreiro ou o quê? Afinal, Mauro Mendes se tornou milionário em Cuiabá construindo torres de telefonia e de transmissão de energia elétrica, mas não conseguiu sucesso na fabricação de silos. Qual o enigma desse empresário para ganhar dinheiro em Mato Grosso, numa atividade que não tem nada a ver com a economia regional e por que não conseguiu produzir estruturas para armazenar grãos no maior celeiro da agricultura nacional? Em busca de respostas, a revista o entrevistou.

Manhã cinzenta e com baixa umidade do ar em Cuiabá, no sábado, 15 deste setembro. Mauro Mendes desce do jipão preto importado. Cercado por assessores, entra em cena numa concessionária de automóveis na Avenida Fernando Corrêa da Costa, para falar de seu plano administrativo caso seja eleito prefeito de Cuiabá pelo PSB. Um grupo de 25 mecânicos, burocratas e vendedores do quadro de 78 funcionários da empresa se agrupa em silêncio para ouvi-lo. Depois de 12 minutos falando sem microfone, ele aperta a mão dos presentes. Terminada a agenda política, recebe a reportagem.

Mauro Mendes contou que iniciou sua atividade em Cuiabá, num barracão de fundo de quintal, no ano de 1989. Instalou uma fabriqueta que produzia peças de telefones. Quatro anos depois montou sua primeira torre de comunicação e não parou mais de produzir, enriquecer e levou a bandeira de sua indústria, a Bimetal, para a Ásia, África, América Latina e todos os cantos do Brasil. Sua fábrica atravessou períodos de turbulência na economia nacional e mundial, mas nunca se abalou. Hoje, gera 600 empregos diretos e está instalada num terreno de 160 mil metros quadrados com 35 mil metros quadrados de área construída.

A linha de produção da empresa de Mauro Mendes é diversificada. No setor de telecomunicações produz torres autoportantes, postes octadecagonais, torres estaiadas e postes treliçados. Na área de transmissão de energia, fabrica torres metálicas e estrutura para subestações.

O crescimento de Mauro Mendes é atípico. Ele construiu um império com o lucro de sua fábrica em Cuiabá, mas não consegue comprovar como ganha tanto dinheiro na contramão da lógica empresarial. A Bimetal trabalha com aço importado da China ou de siderúrgicas no Sudeste. Ela compra a matéria-prima, transporta-a em carretas para Mato Grosso e faz o caminho inverso com o produto industrializado. Essa logística aumenta o custo de produção, mas não rouba a competitividade da Bimental nos mercados do Sul e Sudeste, onde estão suas concorrentes, que produzem com menos gasto em transporte.

“O senhor tem alguma química para manter essa logística e ganhar dinheiro com ela, ou se beneficia de incentivos fiscais?” – pergunto.

“Não tenho nenhuma química e os meus concorrentes também gozam de benefícios fiscais iguais aos que me são concedidos. Os incentivos começaram em 2004, quando eu já exportava. O que acontece é que tenho planejamento e sei bem quais são minhas eficiências e as deficiências da concorrência”, responde Mauro Mendes.

“O senhor fala que é eficiente, mas em 2004 sua empresa iniciou a fabricação de silos em Cuiabá e o negócio desandou. Como se explica isso: a Bimetal atua numa área que é atípica em Mato Grosso, mas não consegue se firmar no segmento mais importante da economia mato-grossense, que é o agronegócio?”,  provoco-o para que se abra.

“Veja bem: de 2004 a 2006 houve uma grande crise na economia mundial e decidi deixar de lado o projeto dos silos, para me concentrar na área onde a minha empresa é líder no mercado nacional”, responde dando sinais de descontentamento com a pergunta e o curso da entrevista.

De família humilde, Mauro Mendes nasceu em Anápolis, tem 48 anos, é casado, reside em Cuiabá há 32 anos e se formou em engenharia elétrica. Em 2008 disputou e perdeu a eleição para prefeito de Cuiabá. Dois anos depois concorreu ao governo e foi derrotado no primeiro turno. Agora novamente tenta ser prefeito numa coligação de seu partido com o PDT, PR, PPS e PV. Seu companheiro de chapa é o deputado estadual republicano João Malheiros.

Em 23 anos Mauro Mendes se tornou milionário com destaque nas colunas sociais, promovendo festas com artistas e cantores famosos, passeando de iate e dedicando boa parte de seu tempo à política, atividade esta que o mantém distante de sua indústria.

Na campanha eleitoral em curso o dono da Bimetal declarou à Justiça Eleitoral que gastará até R$ 6 milhões e que seu patrimônio é de R$ 116.859.803,88. Diante desses números e sem resposta convincente de sua parte para que se tornasse tão rico, cabe a pergunta feita na capa desta publicação: O que se esconde por trás da fortuna de Mauro Mendes?

 

Atipicidade também na Planam

O empresário Mauro Mendes não é o único caso de riqueza-relâmpago construída em Mato Grosso fora da vocação econômica estadual. Durante alguns anos, em Cuiabá, a Planam deu as cartas na venda de ambulâncias no Brasil, mas esse domínio acabou em 4 de maio de 2006, quando a Polícia Federal desencadeou a Operação Sanguessuga, que desbaratou a chamada Máfia das Ambulâncias – o maior escândalo de corrupção na esfera da saúde pública nacional e que deu um rombo superior a R$ 900 milhões aos cofres do governo.

Em sua área de atuação, a Planam lançava mão de uma logística que em outra esfera é feita por Mauro Mendes e ambos se deram muito bem no campo financeiro. A primeira montava ambulâncias e unidades móveis de saúde em Cuiabá e as revendia pelo Brasil afora, inclusive para cidades do ABC Paulista, onde estão grandes montadoras de veículos e fabricantes de carrocerias especiais. A Bimetal compra aço no Sudeste, produz torres e as vende naquela região.

A Planam foi a empresa montada pelo empresário Darci José Vedoin e seu filho Luiz Antônio Trevisan Vedoin e que tinha em sua carteira comercial somente prefeituras e órgãos estaduais.

O esquema da Máfia das Ambulâncias funcionava da seguinte maneira: deputados federais e senadores de vários estados destinavam emendas a municípios para compra de ambulâncias. Na calada da noite os parlamentares costuravam com os prefeitos para que a negociata fosse com a Planam, que tinha estrutura criminosa para vencer licitações, já que contava com empresas-satélites para tanto. O veículo era comprado por preço superfaturado e a diferença a mais entrava nos bolsos dos políticos e empresários.

No curso das apurações, a bancada federal de Mato Grosso foi atingida. Surgiram enquanto envolvidos no escândalo os congressistas Lino Rossi, Wellington Fagundes, Thelma de Oliveira, Ricarte de Freitas, Serys Slhessarenko, Celcita Pinheiro e Pedro Henry. O Senado absolveu Serys. Wellington e Thelma comprovaram que não tiveram participação no esquema, mas os demais foram relacionados entre os corruptos e estão em maus lençóis perante a Justiça.

Em Mato Grosso, 75 prefeitos estariam envolvidos e dentre eles os prefeitos e ex-prefeitos Adriano Pivetta (Nova Mutum), Wilson Santos (Cuiabá), Jesur Cassol (Campo Novo do Parecis), Ezequiel Fonseca (Reserva do Cabaçal e agora deputado estadual), Maria José Borges (Dom Aquino), Aloir José Luke (Nova Guarita), Cidinho dos Santos (Nova Marilândia e agora senador), Francelino Pedro da Silva Filho (Guiratinga), Padre Antonino Cândido da Paixão (São José do Povo), Jayme Campos (Várzea Grande e agora senador), Otaviano Pivetta (Lucas do Rio Verde), Roberto Carlos Barbosa (Glória D’Oeste), Lourival Carrasco (Mirassol D’Oeste), Reinaldo Tirloni (Tapurah), Nelson de Moraes (Pedra Preta), Nelci Capitani (Colniza), Ismael dos Santos (Planalto da Serra), Nilson Leitão (Sinop e agora deputado federal), José Bauer (Nova Ubiratã), Onéscimo Prati (Campo Verde), Giovane Marchetto (Marcelândia), Olídio Pedro Bortolas (Santa Carmem), Denir Perin (Querência), Valdizete Nogueira (Jaciara), Marcelo Alonso (Nova Maringá) e Antonio Domingos Debastiani (Feliz Natal). Vários foram denunciados pelo Ministério Público Federal por participação na Máfia das Ambulâncias.

15 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.41.80.166 - Responder

    Achei a materia extremanente tendenciosa, e quem deveria investigar o enriquecimento do empresario é a receita federal. Nós temos caos muito mais grave para investigar, como o de um senador que somente com os rendimentos de prefeito e governador ergueu um império agropecuario com mais de 100 fazendas. esse sim, é um verdadeiro milagre.
    Quando ao Mauro Mendes sua empresa está aí, não deve para ninguém, tem os balanços auditados por empresas de fora e tudo mais.
    É uma pena que alguns veículos se colocam a disposição de algum candidato. Outro ponto: tem candidato a prefeito, que é dodo de hospital e tem as suas cotas subfaturadas. Mede de quem será?

  2. - IP 177.116.160.9 - Responder

    Gostei da matéria do Brigadeiro. Mas acho que ele deve aceitar o desafio do Pedro Luis e investigar a origem da fortuna de Jayme Campos. Será uma grande matéria!

  3. - IP 187.42.2.252 - Responder

    Pedro Luis mandou na veia. Pelo visto ainda existem intocáveis em Mato Grosso. A matéria levanta ilações de semelhanças entre o esquema dos vendoin e a empresa do mairo mendes baseada em pretensas semelhanças muito, muito frágeis, ridículas de frageis. Poderiam ter ido mais a fundo nos tais incentivos fiscais, checar realmente se os tais concorrentes também os tem, verificar qual a posição da empresa antes e depois dos incentivos, talves entrevistar concorrentes menores em off, enfim, checar as versões do mauro mendes e confrontá-las com outras versões, com o mundo real..mas a preguiça, a incompetência, as tais ” reportagens investigativas” que não passam de fofocas e ilações sem lastro factual em nada colaboram para escrecer a população… E se alguém acha que defendo o mauro mendes, declaro q gostaria de saber ( com fatos, não com fuxicos e ilações) como ele construiu sua fortuna. Acho as suas festas e seu esgilo de vida um acinte, e sua tentativa de ganhar no tapetão as eleições de cuiabá, ridícula. Fica a sugestão à revista: encare os campos e questione a fortuna deles.

  4. - IP 189.74.63.139 - Responder

    Vamos largar de malandragem: em mato grosso todo mundo fica rico roubando: pivetta, locatelli, jayme campos, mauro mendes, riva, jose ferreira leite, blairo maggi. Daqui uns dias o pedro taques vai dar uma de empreendedor.

  5. - IP 201.86.178.251 - Responder

    Só falta falar que a Bimetal vende torres de telecomunicações superfaturadas para as empresas e que estes compradores gostam de pagar mais caro que as disponíveis o mercado… É cada uma.

  6. - IP 189.31.1.19 - Responder

    Vai trabalhar, Eduardo Gomes!!!

  7. - IP 187.58.29.58 - Responder

    O Mauro Mendes não disse que abriu 5 empresas e fechou todas!, e só prosperou quando obteve subsidios o seu grande feito é criar uma nova maxima, a sua; TIRAR DE CESAR O QUE É DE CESAR>
    Nas sagradas escrituras, em uma passagem onde os agentes de Cesar, na Judéia chegou para a derrama rotineira estava Jesus com seus apostostolos, e seguidores, e um de seus discipulos partui para cima de um dos agentes, ai Jesus interveu, acalmou tudo e disse a celebre frase. ” da a Cesar , o que é de Cesar.
    Na economia de mercado uma empresa tem incentivos,subsidios, ou renuncias fiscais, eu vejo como uma ação dúbia do governo que concede essas benesses, contraria a maxima do monetarismo, e do emprendedorismo, e até o propio capitalismo ou seja: Só invisto, se me der incentivos, ou caso contrario não gero empregos!! veja só a falta de conexão entre as causas, e ações, a pergunta é por acaso é possivel enriquecer com uma empresa tipicamente de produção artesanal,ou industrial sem gerar empregos?? ou já entramso na era robotizada , e já em Cuiabá, e não sabemos. Ou seja tambem não consigo entender ; Se é rico por que teve incentivos? ou se é rico porque gerou empregos, sendo assim as empresas que sempre geram empregos nunca quebraria, Nunca entrariam em concordata, ou decretariam suas falencias.
    A grande sacada disso tudo nobre Eduardo Gomes e imagine essa suposição ; Eu te empresto 12 milhões para voçe em 1982 ( lá na redação de meu finado tio da Folha) e te dou o prazo para me pagar agora em setembro de 2012, com prazos muitos elasticos, e no momento que voçe tem que me pagar agora, voçe me paga com um cheque de 4.000 milhões, mais de uma conta encerrada( ou traduzindo com toda sua benesses, e incentivos para sua empresa de ICMS ai na hora que ele tem que pagar seu pouco, e baixo ICMS ele paga com precatoríos que ele compra no mercado.
    TIRA DE CESAR O QUE É DE CESAR.
    Quanto a sua campanha tem erros crassos:
    – Colocar um candidato a dep. em 2014 para sua coordenação, isso reprime os demais candidatos em expor suas lideranças, e serem cooptadas por esse coordenador E. Pinheiro.( que na verdade quer ver o Malheiros pelas costas, e ganhar de lambuja o cargo)
    – O mote de empresario bem sucedido, serviu para eleger, e reeleger o Blairo, isso hoje tira votos dele.
    – Ir para um arrastão no 1º de Março e levar 3 seguranças, muitos carrancudos, e de sapato, e camisa manga loga,, ai mano e igual agua e óleo não vai misturar com o povo nunca, e o povo percebe isso! pois mais que tente misturar, ele tem outra essencia, outro sotaque, outro perfume, enfim não se mistura.
    – Tem um acessor seu que tem ciumes até do Mauro atender um telefonema,ou abraçar candidato a vereador.
    – Não focou um tema principal, uma plataforma de sua campanha a saúde seria um mote fantastico,pois as obras de infras Cuiabá já esta recebendo, e saúde tinha um prato cheio até porque o mandatario mór esta perdido esse assunto, e em saude, MT esta um caos, seu secretario é ficha suja, não paga os seus fornecedores essenciais( só tinha um problema teria que esconder o Maggi, pois este tem um video dizendo que iria fazer o hospital regional,, e não fez.
    Bom cá comigo,,, perdeu a 3º

  8. - IP 189.74.191.144 - Responder

    Pelo que entendi, o jornalista Eduardo foi um mero sofista. Escreveu muito e não disse nada. Leves insinuações e nada de concreto, até porque Mauro trabalha com aço.

  9. - IP 187.28.252.21 - Responder

    ESSE ADAMS É MESMO UM PERSEGUIDOR. DÁ NOJO A SUA REVOLTA. AINDA QUE TENHA RAZÃO EM ALGUMAS VEZES, GOSTA MESMO DE METER O BEDELHO EM TUDO. ALGO REPUGNANTE. ELE DEVERIA CUIDAR DA PRÓPRIA OU ENTÃO IR MORAR NUM “KIBUTZ”, OU MESMO A BEIRA DO LAGO BAIKAL, REPOUSANDO NA TUNDRA AO ENTARDECER E PENSAR: “AI QUE SAUDADES DA URSS”. SE ENXERGA GAÚCHOO…

  10. - IP 187.123.6.248 - Responder

    Todos nós sabemos, por exemplo, a origem das fortunas de Silvio Santos (comprou bau do Nóbrega etc etc etc), da família Emílio de Moraes (e do maravilhoso trabalho de assistência social com a beneficência portuguesa etc), a origem do poder da Rede Globo (do golpe nos americanos etc), e do Pato Donald na famiglia Civita. Faustão também sabemos como ficou rico. Algumas fortunas, porém, não tem uma origem, um DNA, um mote para explicar como tudo começou, o que é lamentável.
    As fortunas de Mauro Mendes, Éder Moraes e Carlos Bezerra (e outros tantos por aí) precisam que seus protagonistas narrem com mais precisão o começo, o big-bag desse espantosos sucessos de menos de década.

  11. - IP 200.163.53.226 - Responder

    Matéria muito tendenciosa, afinal de contas é para falar do candidato Mauro Mendes ou da Planam.
    Já vi gostar de falácias mas igual o Sr “jornalista” responsável pelo site nunca

  12. - IP 187.5.113.206 - Responder

    ridícula a tentativa de ligação de Mauro com a Planam.
    Jornalista tendencioso e a serviço de outra candidatura.

  13. - IP 201.71.182.201 - Responder

    Só digo uma coisa matéria encomendada pelos Apoiadores do Lúdio, princialmente ex secretário que do governo kkkkk Ganhou quantos Eduardo

  14. - IP 201.34.23.144 - Responder

    Gostei da estória tio Eduardo, agora conta outra ligando Papai Noel ao coelhinho da Páscoa!

  15. - IP 201.71.176.175 - Responder

    O que tem a ver a empresa Bimetal com a Planam? O mesmo modus operandi? Francamente! Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa, completamente diferente. Um horror essa reportagem.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

2 × 2 =