EDUARDO GALEANO: Não há guerra agressiva que não diga ser guerra defensiva. Hitler invadiu a Polônia para evitar que a Polônia invadisse a Alemanha. Bush invadiu o Iraque para evitar que o Iraque invadisse o mundo. Em cada uma das suas guerras defensivas, Israel engoliu outro pedaço da Palestina, e os almoços continuam. Quem deu a Israel o direito de negar todos os direitos? De onde vem a impunidade com que Israel está a executar a matança em Gaza?

israel continua matando civis em gaza

Eduardo Galeano: Pouco a pouco, Israel está apagando a Palestina do mapa

Eduardo-Galeano

palestina - galeano-001

Galeano: Pouca Palestina resta. Pouco a pouco, Israel está apagando-a do mapa

Desde 1948, os palestinos vivem condenados à humilhação perpétua. Não podem sequer respirar sem autorização. Têm perdido a sua pátria e as suas terras. 

por Eduardo Galeano (*), em Esquerda.Net , Carta Maior 

Para justificar-se, o terrorismo de Estado fabrica terroristas: semeia ódio e colhe álibis. Tudo indica que esta carnificina de Gaza, que segundo os seus autores quer acabar com os terroristas, conseguirá multiplicá-los.

Desde 1948, os palestinos vivem condenados à humilhação perpétua. Não podem nem sequer respirar sem autorização. Têm perdido a sua pátria, as suas terras, a sua água, a sua liberdade, tudo. Nem sequer têm direito a eleger os seus governantes. Quando votam em quem não devem votar, são castigados. Gaza está sendo castigada. Converteu-se numa ratoeira sem saída, desde que o Hamas ganhou legitimamente as eleições em 2006. Algo parecido tinha ocorrido em 1932, quando o Partido Comunista triunfou nas eleições de El Salvador.

Banhados em sangue, os habitantes de El Salvador expiaram a sua má conduta e desde então viveram submetidos a ditaduras militares. A democracia é um luxo que nem todos merecem. São filhos da impotência os rockets caseiros que os militantes do Hamas, encurralados em Gaza, disparam com desleixada pontaria sobre as terras que tinham sido palestinas e que a ocupação israelense usurpou. E o desespero, à orla da loucura suicida, é a mãe das ameaças que negam o direito à existência de Israel, gritos sem nenhuma eficácia, enquanto a muito eficaz guerra de extermínio está a negar, desde há muitos anos, o direito à existência da Palestina. Já pouca Palestina resta. Pouco a pouco, Israel está a apagá-la do mapa.

Os colonos invadem, e, depois deles, os soldados vão corrigindo a fronteira. As balas sacralizam o despojo, em legítima defesa. Não há guerra agressiva que não diga ser guerra defensiva. Hitler invadiu a Polônia para evitar que a Polônia invadisse a Alemanha. Bush invadiu o Iraque para evitar que o Iraque invadisse o mundo. Em cada uma das suas guerras defensivas, Israel engoliu outro pedaço da Palestina, e os almoços continuam. O repasto justifica-se pelos títulos de propriedade que a Bíblia outorgou, pelos dois mil anos de perseguição que o povo judeu sofreu, e pelo pânico que geram os palestinos à espreita. Israel é o país que jamais cumpre as recomendações nem as resoluções das Nações Unidas, o que nunca acata as sentenças dos tribunais internacionais, o que escarnece das leis internacionais, e é também o único país que tem legalizado a tortura de prisioneiros.

Quem lhe presenteou o direito de negar todos os direitos? De onde vem a impunidade com que Israel está a executar a matança em Gaza? O governo espanhol não pôde bombardear impunemente o País Basco para acabar com a ETA, nem o governo britânico pôde arrasar Irlanda para liquidar a IRA. Talvez a tragédia do Holocausto implique uma apólice de eterna impunidade? Ou essa luz verde vem da potência ‘manda chuva’ que tem em Israel o mais incondicional dos seus vassalos? O exército israelense, o mais moderno e sofisticado do mundo, sabe quem mata. Não mata por erro. Mata por horror. As vítimas civis chamam-se danos colaterais, segundo o dicionário de outras guerras imperiais.

Em Gaza, de cada dez danos colaterais, três são meninos. E somam milhares os mutilados, vítimas da tecnologia do esquartejamento humano, que a indústria militar está a ensaiar com êxito nesta operação de limpeza étnica. E como sempre, sempre o mesmo: em Gaza, cem a um. Por cada cem palestinos mortos, um israelita. Gente perigosa, adverte o outro bombardeamento, a cargo dos meios massivos de manipulação, que nos convidam a achar que uma vida israelense vale tanto como cem vidas palestinianas. E esses meios também nos convidam a achar que são humanitárias as duzentas bombas atômicas de Israel, e que uma potência nuclear chamada Irã foi a que aniquilou Hiroshima e Nagasaki.

A chamada comunidade internacional, existe? É algo mais que um clube de mercadores, banqueiros e guerreiros? É algo mais que o nome artístico que os Estados Unidos assumem quando fazem teatro? Ante a tragédia de Gaza, a hipocrisia mundial destaca-se uma vez mais. Como sempre, a indiferença, os discursos vazios, as declarações ocas, as declamações altissonantes, as posturas ambíguas, rendem tributo à sagrada impunidade. Ante a tragédia de Gaza, os países árabes lavam as mãos. Como sempre. E como sempre, os países europeus esfregam as mãos.

A velha Europa, tão capaz de beleza e de perversidade, derrama uma ou outra lágrima enquanto secretamente celebra esta jogada de mestre. Porque a caça aos judeus foi sempre um costume europeu, mas desde há meio século essa dívida histórica está a ser cobrada dos palestinos, que também são semitas e que nunca foram, nem são, antissemitas. Eles estão a pagar, em sangue, na pele, uma conta alheia.

(*) Artigo publicado no Sin Permiso.

Tradução de Mariana Carneiro para o Esquerda.net.

 

————-

A matança segue em Gaza: Ignorância não é benção. É delinquência social

Li reclamações de leitores de jornais e sites devido a imagens fortes vindas de Gaza com civis mortos. Uns dizem que é apelação, outros sensacionalismo. Há os que fazem teses sociológicas sobre o interesse humano em ver a desgraça alheia ou em consumir imagens de sangue e vísceras.

Menino palestino se agarra a um paramédico em Gaza após bombardeio (Apa Images/REX/REX USA)

Alguns disseram que é o mesmo que circular fotos dos integrantes da banda Mamonas Assassinas desfigurados após a queda de seu avião ou imagens do corpo de Ayrton Senna depois do acidente em Ímola. O que é uma tremenda de uma besteira, vinda de quem não consegue diferenciar que duas imagens esteticamente semelhantes podem ser radicalmente diferentes.

Criança palestina vítima de ataque é atendida em hospital - Emad Nassar/Al Jazeera

Publicadas com cuidado, por mais que doam aos olhos e mexam com o estômago e atrapalhem o jantar ou o café da manhã, certas fotos têm o poder de trazer a realidade para perto. É fácil ficar indiferente diante de números de violência, mas com rostos a situação muda de figura.

Dizer que o exército israelense matou mais de 600 pessoas, dos quais mais de 120 crianças, em Gaza é uma coisa.

Mas mostrar o corpo destroçado de um rapaz moreno, de olhos bonitos, que era marceneiro, e sua noiva, professora, que gostava de cantar de manhã é outra.

Menina grita enquanto médicos tentam ajudá-la no Hospital Al-Shifa, em Gaza. Foto: Unicef/Eyad El Baba

Ou ainda crianças de uma mesma família, que sempre esperavam até a noite acordadas a chegada do pai que trazia comida para casa.

Ou um motorista de uma ambulância, que tinha orgulho do seu trabalho.

O outro deixa de ser estatística, e passa a ser um semelhante, pois é feito de carne, osso e sangue e não de números.

Nesse momento, há uma aproximação, uma identificação, fundamental para empurrar os espectadores do conflito para ações – do protesto ao boicote. Seja em um massacre no Oriente Médio, em uma guerra entre grupos rivais na África ou um conflito armado em favelas de grandes cidades do país.

Médicos palestinos seguram menino que teria sido ferido em um ataque israelense (Ibraheem Abu Mustafa/Reuters)

Vivemos em um mundo cuja informação se espalha em tempo real. Mesmo com essa facilidade, muitos se furtam de ter acesso a ela. E em um mundo onde a comunicação é globalizada, cresce a força e a importância de ações globalizadas pela paz.

Diante de situações extremas, como a que se vive hoje na Faixa de Gaza, fazer questão de não saber o que está acontecendo deixa de ser uma benção e passa a se configurar como uma imperdoável delinquência social. Pois como é possível cobrar ações internacionais por parte de nossos governos e empresas se fazemos questão de nos manter naquele lugar quentinho e confortável que é a ignorância?

matança israel 5

 

opinião

Guerra em Gaza expõe antissemitismo

 por SÉRGIO MALBERGIER, NA FOLHA DE S. PAULO

Quase tão chocante quanto as mortes da guerra Hamas-Israel é a reveladora onda antissemita que varre o mundo, especialmente na Europa.

Na França, sinagogas e estabelecimentos de propriedade judaica foram deliberadamente atacados por manifestantes pró-palestinos. Na Alemanha, pela primeira vez desde o Holocausto, slogans antissemitas foram cantados nas ruas. Na Áustria, jogadores de um dos principais times de futebol israelense foram atacados em campo.

A imigração islâmica semeou no fértil solo europeu um raivoso antissemitismo que não consegue mais sustentar sua máscara antissionista. Relatório recente do governo britânico aponta o ensino regular de ideias antissemitas e antissionistas nas escolas de comunidades islâmicas do Reino Unido.

Mas a cereja (ou a suástica) do bolo é a acusação cada vez mais sem vergonha de que Israel está cometendo genocídio contra o povo palestino, atuando como a Alemanha nazista; o premiê israelense, retratado como Hitler; a situação de Gaza, comparada ao Gueto de Varsóvia. São acusações de uma infâmia atroz. Servem para expiar a culpa pelos 6 milhões de judeus exterminados na Europa (“os judeus também são nazistas”) e revelam um ódio visceral contra Israel.

Um ódio que produz efeito oposto ao desejado por seus arautos. Quanto mais Israel se sentir isolado, incompreendido e ameaçado, mais resistirá a ceder território e poder aos palestinos.

Existe um arrazoado deste novo round Hamas-Israel que é deliberadamente ignorado pelos críticos do Estado judeu. Enfraquecido pela grave crise em Gaza, o Hamas apelou para o que a correspondente do “New York Times” relatou como “opção zero” –usar todo o arsenal bélico acumulado pelo grupo extremista islâmico desde a última guerra para melhorar sua posição crítica. Israel respondeu com esperada força aos ataques indiscriminados contra sua população civil. Mas o Hamas dobrou a aposta, recusando cessar-fogo, disparando seus novos mísseis e mostrando que o que não investiu na melhoria de Gaza, gastou em armas e uma rede tentacular de túneis e bunkers para proteger e projetar seus líderes e soldados.

O cinismo do Hamas é de matar. Deliberadamente usa a população que promete defender como escudos humanos e faz de hospitais, escolas da ONU e mesquitas bases de lançamento de foguetes.
Isso tudo está tão documentado quanto é ignorado pelos críticos de Israel. Um milagre socioeconômico e tecnológico, com uma das maiores produções per capita de prêmios Nobel, Israel é a única democracia funcional da região, cercada de ditaduras, estados falidos e guerras fratricidas.

À sua volta, grupos extremistas islâmicos e ditadores sanguinários travam batalhas diárias que já mataram centenas de milhares de pessoas, grande parte civis, inclusive com uso repetido de armas químicas. Mas quem se importa com árabes matando árabes?

Antigamente, os apologistas de sempre diziam que os tenebrosos homens-bomba palestinos eram produto de sua miséria diante da opressão israelense. Os suicidas hoje são tão ou mais comuns em outros conflitos árabes do que na Palestina.

Por isso, pode ser muito mais esclarecedor enxergar a guerra em curso pelo ângulo da disfuncionalidade sociopolítica do mundo árabe do que de imorais julgamentos morais do Estado judeu.

Se você quer a paz, é preciso compreender e respeitar os anseios de seu inimigo. Isso vale para Israel, deve valer para os inimigos de Israel.

 

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.24.243.188 - Responder

    Excelente artigo de Eduardo Galeano…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro × 4 =