Éder expõe contradições de Mauro e Pedro Taques

“Não posso ficar no palanque de quem chamou o Blairo Maggi (governador na época) de ladrão e diirecionou acusações e frases negativas de efeito para mim e para o Silval nas eleições de 2010. O povo não tem memória curta e vai avaliar o passado (de Mauro Mendes)”, disse Éder

Não há como tapar o sol com peneira. O palanque do PSB, do PDT e do PR em Mato Grosso é um palanque marcado por muitas contradições, como já registrou esta Página do E. Curiosamente, é o super-questionado Éder Moraes quem tem feito aflorar estas contradições, com suas mais recentes manifestações. Confira o noticiário. (EC)


APOIO À LÚDIO
“Mendes chamou Blairo de ladrão, me acusou e caluniou Silval”, diz Éder
Gabriela Sant’Ana

O republicano Éder Moraes reforçou na manhã desta quarta-feira (22) o apoio ao petista Lúdio Cabral e criticou o posicionamento político do seu partido, o PR, nas eleições municipais deste ano, ao indicar o deputado João Malheiros (PR) como vice da chapa majoritária do empresário Mauro Mendes (PSB).

Esclarecendo que não tem memória curta, Éder lembrou que Mendes fez acusações falaciosas contra ele e o governador Silval Barbosa, e chegou a chamar o senador Blairo Maggi, que hoje o apoia, de ladrão, nas eleições de 2010.

As declarações feitas durante entrevista ao programa de rádio Folha Mix demostram claramente o desconforto de Éder dentro do PR, que mesmo já tendo escolhido um candidato próprio para a disputa – o nome do vereador Francisco Vuolo foi definido pelas lideranças republicanas – mudou de estratégia e decidiu indicar um nome a vice na chapa de Mauro, que é o favorito para vencer as eleições.

Até o início deste ano, Éder era o presidente do PR, mas decidiu deixar o comando por conta desta opção do partido.

“Não posso ficar no palanque de quem chamou o Blairo Maggi (governador na época) de ladrão. Direcionou acusações e frases negativas de efeito para mim e para o Silval nas eleições de 2010. Por isso decidi sair da presidência do partido. O povo não tem memória curta e vai avaliar o passado (de Mauro Mendes)”, declarou dizendo ainda que Blairo só aceitou apoiar Mendes no pleito por conta do alinhamento político, já que a opção dele também era Vuolo na chapa majoritária.

Alinhamento com o Governo Federal

Para Éder apoiar outro candidato a não ser Lúdio é incoerente, já que o candidato é do mesmo partido da presidente da república, Dilma Rousseff, o que beneficia o diálogo entre o município e a União quanto à destinação de recursos.

“Não é coerente apoiar outro candidato porque hoje temos o apoio do governo Federal e se não fosse o Governo do Estado com o Silval, Cuiabá não estaria tendo o choque de infraestrutura que recebe agora, nem teria a Copa (trazida pelo ex-governador Blairo Maggi) e estaria só o ‘caco’ porque também perderam o PAC. Não vou criticar outros candidatos, mas o tempo que passamos com o PSDB aqui foi muito difícil. Não escolhi o Lúdio só pelo Silval, mas porque fiz uma avaliação e ele tem as melhores propostas”, disse citando o governador, a quem já declarou lealdade, mesmo fora do Executivo.

Éder não está sozinho

Éder anunciou que não está sozinho para apoiar Lúdio e conta com 54 lideranças históricas do PR que ajudarão o petista a se aproximar de Mendes nas pesquisas.

“Se não virarmos já no primeiro turno pelo menos ficaremos bem próximos e iremos para o 2º, isso se não virar o jogo e vencer no 1º turno porque Lúdio está crescendo de forma cristalizada e constante”, disse otimista.

Deixar o PR ‘amanhã’

Durante a entrevista Éder também revelou a sensação de abandono diante das lideranças do PR, de quem aguardava um chamamento para uma possível candidatura a Prefeitura de Cuiabá, o que nunca ocorreu.

“Quando sai do Governo esperei uma ligação e não recebi nenhuma. Esperava ser chamado, e não fui. Eles queriam me deixar isolado, mas deram de cara na porta”, revidou lembrando do amplo apoio que conta para agora apoiar Lúdio.

Sobre a permanência no PR, Éder disse que a mesma é indefinida e que ele pode se desfiliar ”amanhã ou depois das eleições”.

“O PR só não me tirou ainda porque eles podem ir para o segundo turno e precisar do meu apoio e uma expulsão no meio das eleições não soaria bem”, disse contradizendo a fala anterior em que acredita que Lúdio possa ir para 2º turno e agora dá a entender que outro partido também pode se aproximar de Mendes e levar a disputa para o 2º turno, o que faria ele voltar atrás e apoiar novamente seu partido.

Governo em 2014

Questionado sobre sua possível candidatura em 2014. Éder desconversou dizendo que “o seu grupo é quem irá decidir a que ele irá se candidatar”.

“Quero concorrer ao cargo eletivo para que a sociedade me diga se tudo o que fiz até hoje foi certo”, disse lembrando que em 2014 a população escolhe seus candidatos ao Senado, a Câmara Federal, ao Governo do Estado e a Presidência da República.

Éder já comandou o MT Fomento, a Secretaria de Fazenda, a Casa Civil e mais recentemente a Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo FIFA 2014 (Secopa) e desde então não ocupou mais nenhum cargo público, trabalhando atualmente na iniciativa privada.

Ele também nunca escondeu seu interesse a uma cadeira no Tribunal de Contas do Estado (TCE), para onde espera ser indicado por Silval, assim que alguma vaga for aberta e seja a vez do Executivo indicar um nome.

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.114.51.76 - Responder

    Nos idos de 1500, só eram enviados para a nova terra, bandidos de altíssima periculosidade. Só embarcavam nas naus portuguesas, pessoas degredadas. Ladrões, homicidas, fraudadores de escrituras publicas, pederastas, estupradores e cia. Essa nossa terra, só foi povoada por este tipo de gente. Somos bugres, e nossa elite é cabocla. Toda degredada. Essas negociatas esta no DNA dos nossos políticos profissionais. Vamos esperar o que? É dai para pior!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezenove − dezoito =