EBOLA: Fidel dá lição de humanidade a Obama

Fidel Castro, grande líder da nação cubana, e Barack Obama, presidente dos Estados Unidos

Fidel Castro, grande líder da nação cubana, e Barack Obama, presidente dos Estados Unidos

Enquanto Obama espalha suas poderosas tropas pelo mundo, sustentando a velha tática do domínio pela força e pela violência sem fim, o velho e experiente Fidel Castro, mesmo alquebrado pela idade, continua se agigantando perante a História em mais um episódio de solidariedade internacional exemplar, ao encaminhar suas “tropas” de médicos em socorro das populações miserabilizadas da Africa, atingidas agora por mais um surto de doença mortal. Solidariedade que até mesmo seus adversários dos Estados Unidos tem que reconhecer e aplaudir.   Confira o noticiário. (EC)

‘RAPIDEZ’

EUA elogiam contribuição de Cuba na luta contra o ebola

Da Agência EFE
REPRODUÇÃO
new york times

‘New York Times’ já destacava na edição do último dia 19 a impressionante contribuição dos médicos cubanos

Nova York – A embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Samantha Power, elogiou nesta sexta-feira (31) a contribuição feita por Cuba na luta contra o ebola na África Ocidental e assegurou que seu país está muito agradecido. “Embora não os tenha encontrado pessoalmente, tenho que elogiar Cuba por enviar 265 profissionais médicos”, declarou Power em um ato organizado em Nova York pela agência de notícias britânica Reuters.

“Estamos trabalhando uns ao lado dos outros. Não há um esforço integrado (entre EUA e Cuba), em parte porque a ONU está desempenhando o comando e o controle, mas estamos muito agradecidos”, acrescentou.

A embaixadora americana destacou a rapidez com que Havana reagiu ao surto de ebola e lembrou que, além disso, o governo cubano vai enviar outros 200 profissionais de saúde à África. “Essa é uma grande carência e uma grande necessidade”, afirmou Power sobre a chegada desse pessoal médico à Libéria, Guiné e Serra Leoa, os três países mais afetados pela doença.

A embaixadora lembrou que, além de tratar diretamente os doentes, os profissionais chegados do exterior contribuem também formando pessoal local para dar resposta à epidemia.

Power, que acaba de retornar de uma visita à África Ocidental, disse sentir-se orgulhosa de ver “americanos, europeus, cubanos ou quem seja com todo equipamento protetor, em um calor abrasador, trabalhando turnos de duas horas, porque isso é tudo o que se pode tolerar nesse traje”.

Há mais de 50 anos, Estados Unidos e Cuba não têm relações diplomáticas e Washington tem imposto sobre a ilha um embargo econômico, comercial e financeiro.

Na terça-feira (28), a Assembleia Geral da ONU pediu a suspensão desse bloqueio, em um momento no qual cresce nos Estados Unidos o debate sobre a possibilidade de uma aproximação com Havana.

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.67.59.252 - Responder

    É a agua batendo na b…..da , e o “pequeno mundo de fidel” fazendo agua , com isso esse ditador que conseguiu ser pior que fulgêncio batista , está se arreganhando e querendo simpatia do mundo para se salvar . Pobres Cubanos.

    • - IP 177.7.79.46 - Responder

      Roberto Ruas já sabe, qualquer emergência é só pedir um atendimento cubano. Nunca se sabe…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

1 × 4 =