(65) 99638-6107

CUIABÁ

É bem Mato Grosso

Operação fiscaliza 126 veículos e prende duas pessoas por embriaguez ao volante

Publicados

É bem Mato Grosso

A 49ª edição da Operação Lei Seca realizada na noite desta quinta-feira (19.05) na Avenida da FEB, bairro Manga, em Várzea Grande, prendeu dois motoristas por embriaguez ao volante. A ação policial coordenada pelo Gabinete de Gestão Integrada (GGI-MT), vinculada à Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), fiscalizou 126 veículos.

Nesta operação, quatro condutores foram flagrados dirigindo sob efeito de álcool, sendo autuados pela prática. Foram realizados 128 testes de alcoolemia, no entanto oito motoristas se recusaram a fazer o teste.

Outros oito motoristas foram detidos por conduzirem sem a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e 33 por estarem com o veículo sem registro ou não licenciado.

Na ação, foram registrados 55 Autos de Infração de Trânsito (AITs). Quarenta e quatro carros foram removidos e 46 autuados. Os agentes recolheram ainda cinco CNHs e dois Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV).

A Lei Seca é coordenada pelo Gabinete de Gestão Integrada da Secretaria de Estado de Segurança Pública (GGI/Sesp) e nesta edição contou com as forças integradas da Polícia Militar, por meio do Batalhão de Trânsito (BPMTran); da Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Delitos de Trânsito (Deletran); do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e a Guarda Municipal de Várzea Grande.

Leia Também:  "Construção do novo Hospital Regional de Alta Floresta é a prova de que estamos focados em salvar vidas", afirma governador
Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

É bem Mato Grosso

Projeto da Sema Mato Grosso leva práticas agrícolas sustentáveis para famílias de nove comunidades

Publicados

em

O Assentamento Antônio Conselheiro, em Barra do Bugres (164 km de Cuiabá), recebeu, nesta quarta-feira (30/06), da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, materiais para uso no plantio e colheita de itens da agricultura familiar. O Programa de Educação Ambiental na Agricultura Familiar (PEAAF) acontece em nove comunidades e assentamentos de Mato Grosso.

Os municípios atendidos são Peixoto de Azevedo, Tangará da Serra, Barra do Bugres, Poconé e Nossa Senhora do Livramento. São projetos comunitários implementados para a  implantação de hortas ecológicas comunitárias, viveiros e recuperação de nascentes.

“Este projeto possibilitou aos participantes o reconhecimento da importância da conservação ambiental, além de, principalmente, possibilitar a geração de renda com práticas sustentáveis”, explica a superintendente de Educação Ambiental da Sema-MT, Vânia Montalvão.

Marinalva Tavares de Souza, moradora do assentamento, trabalha na agricultura familiar diretamente  com o PEAAF, plantando horta e produzindo leite. Ela destaca o material recebido – utensílios para uso na plantação, como enxadas, pás e carrinho de pneu – que lhe permite produzir mais e melhor.  

Leia Também:  Licitação do BRT tem o acompanhamento simultâneo da CGE

“O projeto, para mim, é muito viável. Desde o início, na formação, já deu para aprender muita coisa. Valorizo muito o trabalho feito aqui, muito importante para nós”, diz.

 
 

Na comunidade de Faval, em Nossa Senhora do Livramento, o projeto possibilitou a educação ambiental por meio de horta comunitária, produção de mudas de árvores nativas e frutíferas do cerrado, para reflorestar as nascentes.

“Hoje, posso falar que sou uma agente de educação ambiental. Aprendi a preservar e, por isso, a conscientizar a população sobre o valor de manter o meio ambiente equilibrado”, afirma Cícera Aparecida da Silva Seni, 35 anos, professora. 

Emprego e renda – O PEAAF também incentiva o extrativismo sustentável de castanha cumaru na Comunidade Quilombola de Capão Verde, em Poconé. Natan José Campos de Oliveira, 22 anos, mora na comunidade, composta por 28 famílias. Eles trabalham com produtos, que não só têm grande aceitação no mercado como contribui para a preservação do bioma Pantanal.

“Este projeto vem para ajudar o nosso trabalho, que, sem recursos, fica muito difícil. Com ele, vai melhorar a renda. Recebemos materiais que ajudam, e muito, no processo de coleta e no processamento da castanha do cumaru”, avalia Natan.

Leia Também:  EDUARDO PÓVOAS e as eleições de antigamente, em Cuiabá. "Quanta saudade desse tempo. Candidato nenhum falava mal ou acusava o outro. O respeito era o mote da campanha" - escreve

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA