(65) 99638-6107

CUIABÁ

É bem Mato Grosso

Inscrições para edital Viver Cultura encerram na quinta-feira (19)

Publicados

É bem Mato Grosso

As inscrições para o edital Viver Cultura se encerram nesta quinta-feira (19.05), exatamente às 18h. O Governo de Mato Grosso vai investir R$ 10 milhões em diversos segmentos culturais em todas as regiões do Estado. A seleção pública da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT) vai contemplar 266 projetos nas categorias de criação e desenvolvimento de experiências artístico-culturais, ações formativas, práticas e vivências culturais, circulação, mostras e festivais.

Acesse o edital AQUI.

“Não deixem para última hora. O Viver Cultura é o mais abrangente dos três editais lançados recentemente pela Secel. Com essa seleção pública, vamos atender uma ampla gama de atividades, de trabalhadores e de manifestações culturais. Esperamos receber inscrições de muitas e valiosas propostas, que contribuirão para o desenvolvimento do cenário artístico-cultural de Mato Grosso”, destaca Jefferson Carvalho Neves, secretário de Cultura, Esporte e Lazer.

Na categoria Criação e Desenvolvimento, serão selecionadas 120 propostas de trabalhadores da cultura nos segmentos de música, teatro, dança, circo, artes visuais e artesanato. Cada projeto receberá R$ 30 mil para a promoção de ações, pesquisas, intercâmbios, montagem, exposições ou apresentações artísticas.

Leia Também:  “EU SEREI CANDIDATO” - Emanuel garante a Eduardo Gomes que vai disputar reeleição para Prefeitura de Cuiabá

Na categoria Ações Formativas, que inclui cursos, oficinas, palestras, seminários e conferências, serão atendidos outros 10 projetos de R$ 30 mil cada um. Neste grupo, as propostas devem ser direcionadas aos setores ligados à infraestrutura de ações artístico-culturais, como iluminação, sonorização, edição, direção de palco, roadies, backstage, produção cultural e executiva, dentre outros.

Mais 95 propostas, de R$ 30 mil cada, serão contempladas na categoria Práticas e Vivências Culturais. Visando reconhecer e difundir a diversidade étnica e cultural em Mato Grosso, a seleção busca amparar projetos que promovam ações direcionadas a culturas indígenas, ribeirinhas e de matrizes africanas, população LGBTQI+, povos ciganos, imigrantes e práticas urbanas como hip hop e capoeira.

Outros 15 projetos, também de R$ 30 mil cada, compõem a seleção pública na categoria Cultura da Infância e da Pessoa Idosa. De demanda livre, as ações propostas irão valorizar e incluir crianças de até 12 anos ou pessoas acima de 60 anos em diferentes manifestações, práticas, matizes e tradições.

Para completar a lista, o edital atenderá ainda 26 propostas na categoria Circulação, Mostras, Exposições e Festivais. Com recursos de R$ 50 mil, R$ 100 mil e R$ 200 mil por projeto, o Viver Cultura busca fortalecer, divulgar e descentralizar as práticas culturais em Mato Grosso, por meio de ações de circulação regional, nacional ou internacional.

Leia Também:  Polícia Militar prende homem por transporte ilegal de madeira em Feliz Natal

Em praticamente todas as categorias, pessoas físicas e jurídicas com e sem fins lucrativos podem participar da seleção pública.  A exceção é a categoria Circulação, Mostras, Exposições e Festivais, em que somente pessoas jurídicas podem concorrer no edital.

Acesse também o edital Estevão de Mendonça de Incentivo à Literatura e o edital Rede Pontos de Cultura. O prazo de inscrição é o mesmo para todos os editais. 

Serviço

Edital Viver Cultura

Prazo para inscrições: 19 de maio de 2022

Acesso ao edital e anexos: www.secel.mt.gov.br/editais 

Formulário de inscrição: https://formularios.cultura.mt.gov.br/

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

É bem Mato Grosso

Projeto da Sema Mato Grosso leva práticas agrícolas sustentáveis para famílias de nove comunidades

Publicados

em

O Assentamento Antônio Conselheiro, em Barra do Bugres (164 km de Cuiabá), recebeu, nesta quarta-feira (30/06), da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, materiais para uso no plantio e colheita de itens da agricultura familiar. O Programa de Educação Ambiental na Agricultura Familiar (PEAAF) acontece em nove comunidades e assentamentos de Mato Grosso.

Os municípios atendidos são Peixoto de Azevedo, Tangará da Serra, Barra do Bugres, Poconé e Nossa Senhora do Livramento. São projetos comunitários implementados para a  implantação de hortas ecológicas comunitárias, viveiros e recuperação de nascentes.

“Este projeto possibilitou aos participantes o reconhecimento da importância da conservação ambiental, além de, principalmente, possibilitar a geração de renda com práticas sustentáveis”, explica a superintendente de Educação Ambiental da Sema-MT, Vânia Montalvão.

Marinalva Tavares de Souza, moradora do assentamento, trabalha na agricultura familiar diretamente  com o PEAAF, plantando horta e produzindo leite. Ela destaca o material recebido – utensílios para uso na plantação, como enxadas, pás e carrinho de pneu – que lhe permite produzir mais e melhor.  

Leia Também:  A DIFÍCIL VIDA FÁCIL: José Orlando Muraro, advogado, às voltas com os intrincados trâmites da Justiça Federal, passeia pelas ruas do Coxipó, descobre um ponto de mulheres em um bar em que também se discute a arte noiada dos Roling Stones, exalta o trabalho dos haitianos em Cuiabá e anuncia que vai viajar pelo Brasil no período da Copa do Mundo. "Não somos macacos. Somos brasileiros...e haitianos!"

“O projeto, para mim, é muito viável. Desde o início, na formação, já deu para aprender muita coisa. Valorizo muito o trabalho feito aqui, muito importante para nós”, diz.

 
 

Na comunidade de Faval, em Nossa Senhora do Livramento, o projeto possibilitou a educação ambiental por meio de horta comunitária, produção de mudas de árvores nativas e frutíferas do cerrado, para reflorestar as nascentes.

“Hoje, posso falar que sou uma agente de educação ambiental. Aprendi a preservar e, por isso, a conscientizar a população sobre o valor de manter o meio ambiente equilibrado”, afirma Cícera Aparecida da Silva Seni, 35 anos, professora. 

Emprego e renda – O PEAAF também incentiva o extrativismo sustentável de castanha cumaru na Comunidade Quilombola de Capão Verde, em Poconé. Natan José Campos de Oliveira, 22 anos, mora na comunidade, composta por 28 famílias. Eles trabalham com produtos, que não só têm grande aceitação no mercado como contribui para a preservação do bioma Pantanal.

“Este projeto vem para ajudar o nosso trabalho, que, sem recursos, fica muito difícil. Com ele, vai melhorar a renda. Recebemos materiais que ajudam, e muito, no processo de coleta e no processamento da castanha do cumaru”, avalia Natan.

Leia Também:  Santo Afonso já tem 100% da área urbana iluminada com lâmpadas de LED

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA