(65) 99638-6107

CUIABÁ

É bem Mato Grosso

Fundação Nova Chance promove atendimento psicológico a egressos do Sistema Penitenciário

Publicados

É bem Mato Grosso


A Fundação Nova Chance (Funac) está promovendo de forma gratuita atendimentos psicológicos para pessoas egressas do Sistema Penitenciário. A iniciativa é coordenada pelo Grupo de Mulheres Psicólogas em Ações pela Sociedade (GRUMPAS) que fomenta o diálogo, principalmente, neste momento de pandemia. 

A equipe é composta por cinco psicólogas voluntárias que atendem os egressos e seus familiares na sede da Funac. Esta assistência é uma importante ferramenta para ajudar no cuidado com a saúde mental. 

Segundo Michelli Monteiro, diretora executiva da Funac, os atendimentos surgiram a partir das próprias demandas onde foram constatadas as necessidades e ações para realização deste acolhimento. 

“O atendimento é fundamental para toda e qualquer pessoa, entendemos que vale a pena esta assistência especializada, pois ajuda em questões emocionais, comportamentais, de carreira, assim como no convívio familiar”, pontuou.  

Conforme a egressa Alessandra, o atendimento surtiu um efeito muito positivo na sua vida. “O pessoal da Funac sempre nos dá apoio. Decidi vim e gostei. Peço para as outras reeducandas que se estiverem passando por algum problema, é só vir e conversar, saímos de outra maneira. Nota 10 para o atendimento.” 

Leia Também:  Praias do Médio Teles Pires analisadas pela Sema são consideradas próprias para banho

Os atendimentos acontecem mensalmente na sede da Funac sempre no último sábado de cada mês. Os agendamentos podem ser realizados pelos egressos e seus familiares de segunda-feira a sexta-feira pelos números: (65) 98463-0210 ou (65) 99919-6161.

(Com supervisão de Julia Oviedo)

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

É bem Mato Grosso

A partir de janeiro, ICMS da energia elétrica será de 17%; conta de luz pode ficar até 12% mais barata

Publicados

em


A cobrança da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da energia elétrica deixa de ser 25% e 27% e passa a ser de 17% em Mato Grosso, a partir de janeiro de 2022. A Lei 708/2021, do maior pacote de redução de impostos do país foi sancionada pelo governador Mauro Mendes, nesta terça-feira (07.12).

O impacto dessa redução poderá significar contas de luz até 12% mais baratas. Isso porque, a carga tributária do imposto, será de R$ 36,50 no consumo de 400 kWh e de até R$ 117 no consumo de 1000 kWh. Um corte de 39% e 45% no ICMS, respectivamente.

O presidente do Sindicato da Construção, Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica e Gás no Estado de Mato Grosso (Sindenergia), Tiago Vianna de Arruda, afirmou que o pacote de redução de impostos sancionado pelo governador Mauro Mendes vai trazer justiça econômica para a sociedade.

A avaliação de Vianna passa pelo impacto que a medida irá produzir no setor da energia elétrica. No total, com a lei, o Governo de Mato Grosso deve deixar de arrecadar cerca de R$ 1,2 bilhão por ano, valor que permanece no bolso dos contribuintes, aliviando o orçamento doméstico de milhares de pessoas e também de empresas.

Leia Também:  Saúde estadual realiza evento na Semana de Conscientização sobre Alergia Alimentar

“Essa medida chega em boa hora, no momento em que os brasileiros mais estão precisando, trazendo liquidez tributária para toda a população. E é importante frisar que dos R$ 1,2 bilhão de redução que está previsto, R$ 732 milhões são referentes ao ICMS da energia elétrica. Ou seja, 60% do pacote de redução de impostos do Governo de Mato Grosso está circunscrito à taxa de ICMS sobre a energia. Isso é muito importante porque a energia elétrica é um insumo caro, que está presente na vida de todo mundo – seja na nossa residência, no comércio, na indústria -, então qualquer redução de imposto nesse sentido vai incentivar e tornar a nossa economia mais justa para todo mundo”, avaliou Tiago Vianna.

A redução significativa também vai ser sentida nos setores da comunicação, do gás industrial e dos combustíveis.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA