(65) 99638-6107

CUIABÁ

É bem Mato Grosso

“Escola Técnica de Primavera do Leste será a maior e melhor escola militar de Mato Grosso”, garante Mauro Mendes

Publicados

É bem Mato Grosso


Durante visita às obras da Escola Técnica Estadual (ETE) do município de Primavera do Leste (240 km de Cuiabá), o governador Mauro Mendes, acompanhado do secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Seciteci), Nilton Borgato, garantiu a entrega da obra até julho deste ano e que a unidade vai funcionar com gestão militar. A visita ocorreu na terça-feira (09). 

Na ocasião, o governador ressaltou que ao assumir a gestão existiam cerca de 500 obras paralisadas em Mato Grosso, entre elas, oito escolas técnicas. A unidade de Primavera do Leste ficou paralisada por quase oito anos e ao assumir a gestão, Mauro Mendes firmou o compromisso de retomar e conclui-la.

“Agora com a obra já retomada, a expectativa é concluir até julho deste ano. Esta será a melhor e maior escola militar de Mato Grosso. Uma importante iniciativa na área da educação. Além de funcionar a escola militar, com o apoio da Seciteci, com a gestão do secretário Borgato, vamos oferecer cursos profissionalizantes para atender a demanda do mercado e contribuir para o desenvolvimento da região”, reforçou.

Leia Também:  Botelho viabiliza emenda à construção de fábrica de ração para fomentar agricultura familiar

De acordo com o secretário da Seciteci, Nilton Borgato, a obra está com 85% de execução, caminha para etapa final de acabamento e vai atender pelo menos 1,4 mil estudantes.

“Esta obra foi retomada em julho de 2019, porém, por conta da pandemia, ocorreram diversos decretos de isolamento, e acabou atrasando o andamento dos serviços. Mas os trabalhos continuaram e agora a obra segue para os acabamentos, com previsão de entrega até início do segundo semestre deste ano”, informou.

Com investimentos de aproximadamente R$ 13 milhões, a ETE está sendo construída no Bairro Castelândia e segue o modelo padrão do Ministério da Educação (MEC). Além dos recursos para a construção, está previsto investimento de R$ 1 milhão em equipamentos.

A obra estava suspensa por falta de repasse de recursos do Governo Federal, que deveriam ter sido concedidos por meio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Em função da crescente necessidade de mão de obra na região, o Governo do Estado designou recursos da ordem de R$ 2,25 milhões para retomar e concluir a construção.

Leia Também:  Após diligência da ALMT, corixos são reabertos no Pantanal

De acordo com o secretário da Seciteci, o convênio da obra era de 2009 e já não dispunha mais de recursos para finalizar a construção. “O governador teve a sensibilidade e o comprometimento com a região para finalizar as obras dessa importante unidade de ensino, que deverá atender a comunidade a partir do início de 2022”, garantiu ele.

O novo prédio contará com 12 salas de aula, 11 laboratórios, um laboratório especial, um auditório com capacidade para 150 pessoas, quadra poliesportiva, biblioteca, centro de vivências (refeitório e jardim), além de salas para o administrativo pedagógico. Ao todo, a nova escola técnica terá área de 5.577 metros quadrados. 

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

É bem Mato Grosso

Xavantes de Poxoréu são orientados a preparar o solo para plantar legumes e tubérculos

Publicados

em


A comunidade Xavante de Poxoréu (251 km de Cuiabá) muda a cultura de produção de subsistência com orientação e assistência técnica da Empresa Mato-grossense de Pesquisa Assistência e Extensão Rural (Empaer). A medida é necessária, devido ao fim da estiagem e o inicio do período de chuvas, mais frequente nessa época do ano.

Dois técnicos da Empaer, junto com agentes da Secretaria Municipal de Agricultura Desenvolvimento e Meio Ambiente, atendem 25 aldeias da região, porém, os trabalhos começaram em cinco delas, São Carlos, Dom Bosco, Tsimitsute , Santa Teresa e Santo Expedito e será estendido conforme adesão.

A comunidade Xavante da cidade engloba cerca de 800 pessoas, entre adultos e crianças. São elas: Nova Leidi, São Gerônimo, Santo Expedito, Marimbu, Lagoa Encantada, Novo Mundo, Santo Ângelo, Lagoa Azul, Bom Bosco, São Carlos, Laura Vicuña, Tsimitsute, Santa Tereza, Riprere, Tsihorira, Noaowa-da, Nhowi, Seninha, Santa Angela e Redzawe.

A assistência técnica consiste no manejo, correção do solo e orientações de plantio, é fomentado as doações de ramas de mandioca e sementes junto a produtores  da agricultura familiar da região e comércio local.

Leia Também:  Segunda-feira (19): Mato Grosso registra 474.939 casos e 12.508 óbitos por Covid-19

O técnico agropecuário da Empaer, Jonathan Vasconcelos Barros, explica que, durante a estiagem, os indígenas estavam empenhados na  produção  de hortaliças, com o inicio das chuvas, fica inviável, por isso, foram orientados a produzirem mandioca, batata, abóbora e milho.

“Estamos há dois anos na comunidade e desenvolvemos um trabalho de troca de experiência. Realizamos as visitas todas as sextas-feiras e seguimos pela segunda semana de acompanhamento. Já viabilizamos algumas ramas de mandioca e sementes”. Junto com Jonathan, está o também técnico agropecuário Fernando Thiago Alves de Oliveira Xavier.

O presidente da Cooperativa Indígena Sangradouro/Volta Grande (Cooigrandesan), Gerson Warãiwe, explica que objetivo junto aos técnicos é buscar o fortalecimento da segurança alimentar nas aldeias.

“A chuva ajuda a planta crescer mais rápido, isso favorece o alimento chegar mais rápido nas aldeias. Estamos buscando mais doações de sementes e ramas de mandioca para chegar a toda comunidade o quanto antes. A assistência da Empaer  e as doações têm sido fundamentais para o nosso povo, mas ainda buscamos um complemento para que possa atender a todos”.

Leia Também:  Sábado (24): Mato Grosso registra 481.986 casos e 12.617 óbitos por Covid-19

Técnico da Empaer Jonathan junto com indígenas da aldeia São Carlos                               Foto: Empaer

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA