(65) 99638-6107

CUIABÁ

É bem Mato Grosso

“É um divisor de águas na vida educacional das crianças”, afirma mãe de aluna da nova Escola Estadual Militar de Lucas do Rio Verde

Publicados

É bem Mato Grosso


O governador Mauro Mendes, acompanhado da primeira-dama Virginia Mendes e de uma comitiva de lideranças políticas do Médio-Norte Mato-grossense, inaugurou nesta sexta-feira (06.08) o novo prédio da Escola Estadual Militar “Sd PM Adriana Morais Ramos”, em Lucas do Rio Verde (332 km de Cuiabá).

Mãe de aluna da unidade, Claudia Aparecida comemorou a inauguração da nova escola e afirmou que a obra é um é um divisor de águas na vida dos estudantes, que conquistaram no ano passado a maior nota (7.1) de Mato Grosso no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

“Minha filha estuda nessa escola dede o início do ensino médio. Esse novo prédio é um divisor de águas, na vida dos pais, mas principalmente na vida das crianças, para o desenvolvimento da vida educacional deles. Porque o antigo prédio não deixava a desejar no ensino, mas na questão da infraestrutura sim. Nós não tínhamos quadra, laboratório, era tudo improvisado. É mais uma etapa que conseguimos alcançar”, disse.

Inaugurada em julho de 2018 em Lucas do Rio Verde, a Escola Estadual Militar Tiradentes, Sd PM Adriana Morais Ramos, funcionava em prédio alugado e comportava um número reduzido de alunos.

Agora, a Escola conta com uma estrutura moderna com 16 salas de aula, cozinha com refeitório, salas administrativas, quadra poliesportiva, laboratórios de física, química, biologia e informática, corredores cobertos, biblioteca, em uma área de mais de 7,9 mil metros quadrados, inclusive, com pátio de formatura militar.

“Um dia de emoção e de gratidão. Porque não é só ser professora, é ser amiga, ser companheira, ser parceira, vestir a camisa da escola e vir participar de tudo que acontece na escola, tanto com os alunos e os pais dos alunos, como o corpo da escola. [Com a reforma] vai melhorar muito, porque agora a gente tem o que faltava, o que precisava, pra melhorar o serviço que a gente presta. Nós temos agora laboratório de química, laboratório de física, biblioteca, sala de informática… É pro aluno vir e estudar mesmo!”, afirmou Alane Dalabrida Almeida, professora de ciências da Escola Estadual Militar.

De acordo com o governador Mauro Mendes, a nova Escola faz parte do planejamento do Governo do Estado para ampliação do ensino militar em Mato Grosso.

Leia Também:  Comissão Especial do Zoneamento recebe secretário de Planejamento

“Nós temos as diretrizes acertadas com o secretário Alan para ampliar este modelo, dentro da nossa capacidade, mas com muita objetividade, porque ele tem mostrado ótimos resultados, tanto no campo pedagógico como no campo da formação ética, moral e comportamental dos alunos. É uma grande contribuição não só na educação. Essa escola recebeu um investimento de mais de R$ 8 milhões do Governo do Estado, que vai permitir que nós tenhamos aqui mais de mil alunos, numa excelente escola. Daqui, não tenho dúvida nenhuma, sairão grandes cidadãos. Eu espero que vocês não mantenham o 7.1, porque é pra pegar firme e subir essa nota. E eu tenho certeza vocês terão ainda mais orgulho deste trabalho, diante de uma nova estrutura que vai permitir melhorar ainda mais a parte pedagógica, que é muito mais importante do que tudo que estamos fazendo aqui”.

O deputado estadual Gilberto Cattani, que assumiu cadeira na Assembleia Legislativa de Mato Grosso após o falecimento de Silvio Favero, lembrou que a ampliação do ensino militar no Estado era uma das principais bandeiras defendidas por seu antecessor, cuja base eleitoral era Lucas do Rio Verde.

“Existiu uma pessoa, que tem um dedo muito importante no que está acontecendo aqui hoje e o que vem acontecendo em todas as escolas militares de Mato Grosso: o meu antecessor, o deputado Silvio Favero, que todo mundo sabe que foi quem de fato levantou essa bandeira. Então, eu gostaria de lembrar a memória dele neste momento. E gostaria de agradecer, em especial em nome do nosso comandante Assis, a Polícia Militar de Mato Grosso. Porque nós sabemos que o ensino militar faz a diferença naquilo que temos de mais precioso, que é o futuro dos nossos filhos”, defendeu o parlamentar.

Segundo o secretário de Educação, Alan Porto, até o final de 2021 o Governo pretende entregar mais quatro unidades de escolas militares no Estado.

“Hoje, no Estado, trabalhamos com um time preparado e motivado. Retornamos nossas aulas na modalidade hibrida e a gente percebe a sensibilidade e a preocupação dos profissionais em fazer a diferença. Tudo isso porque este Governo é um Governo que prioriza a educação. Através do Programa Mais MT, nós vamos ter investimentos de mais de R$ 900 milhões. E o resultado é este: uma belíssima escola, equipada com laboratórios, parte administrativa reformada, uma quadra que é praticamente um ginásio, enfim. Uma obra de altíssima qualidade, como é o padrão dessa gestão”.

Leia Também:  Ulysses Moraes visita escolas públicas em Campo Verde que retornaram às atividades presenciais

“Isso aqui é a prova cabal de que nós estamos no caminho certo. Tenho certeza que nossos alunos irão alcançar êxitos cada vez mais altos, porque aqui a educação é tratada com muito respeito. Nós acreditamos na educação e é somente pela educação que nós vamos mudar o Estado, mudar o Brasil, mudar todo o mundo”, concluiu o comandante-geral da Polícia Militar de Mato Grosso, coronel Jonildo José Assis.

Acompanham, ainda, a comitiva do governador e da primeira-dama os secretários de Estado, Mauro Carvalho (Casa Civil), Rogério Gallo (Fazenda), Alexandre Bustamante (Segurança), Marcelo de Oliveira (Sinfra); os deputados estaduais, Xuxu Dal’Molin e Dilmar Dal’Bosco; o presidente da MT PAR, Wener Santos; o chefe do Escritório de Representação de Mato Grosso em Brasília, Aécio Rodrigues; além de prefeitos, vereadores e demais autoridades da região.

Assinatura de convênios

Durante a inauguração da Escola, o governador Mauro Mendes assinou termos de cooperação e ordem de serviço com as prefeituras de Lucas do Rio Verde, Tapurah e São José do Rio Claro, para garantir obras de infraestrutura nos municípios, além de investimentos em segurança pública.

Pelos termos, o Estado se comprometeu, ainda, a implantar em Lucas do Rio Verde a Casa de Semiliberdade, com finalidade de inserção social dos reeducandos. E instituiu o projeto Jornada Extraordinária da Secretaria de Segurança Pública.

Ainda no local, a primeira-dama Virginia Mendes realizou a entrega simbólica de cestas básicas do Programa Vem Ser Mais Solidário.

“Nós somos uma cidade que completou ontem 33 anos de emancipação, uma cidade que foi construída por muitas mãos, que é pequena do ponto de vista dimensional em relação à outras cidades de Mato Grosso, mas que hoje é a 6ª maior economia do Estado. No entanto, nós temos nossas demandas sociais. Hoje, no CadÚnico, nós temos mais de 8 mil pessoas inscritas. Falo isso para que tenham ideia da importância do apoio do Governo do Estado nestas ações” pontuou o prefeito de Lucas do Rio Verde, Miguel Vaz.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

É bem Mato Grosso

Comissão de Educação discute ciclo de formação humana e resultados do Ideb

Publicados

em


Foto: Helder Faria

O ciclo de formação humana como política de estado e o elevado nível de aprovação no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), comparado ao baixo nível de aprendizagem dos estudantes mato-grossenses foram os temas discutidos pela Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura e Desporto da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, durante reunião extraordinária realizada na tarde desta segunda-feira (18).

O encontro faz parte do ciclo de debates que está sendo realizado pela comissão com o objetivo de levantar sugestões para a melhoria da qualidade da educação pública no estado.

A coordenadora do ensino fundamental da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Juliane Gusmão, apresentou informações acerca do processo de implementação do ciclo de formação humana nas escolas públicas de Mato Grosso, iniciado no ano de 2000, com o objetivo de dirimir o elevado número de retenção e evasão nas escolas seriadas.

O promotor de Justiça Miguel Slhessarenko Junior afirmou que o Ministério Público Estadual (MPE) ingressou com ação civil pública contra o estado após receber diversas reclamações de que estudantes estavam sendo aprovados automaticamente por idade, sem que houvesse cuidado e reforço com eles por parte das escolas, como preconiza a Resolução 262 do Conselho Estadual de Educação. 

“Os índices de analfabetismo eram muito grandes. Os alunos não tinham competências básicas para seguirem a jornada. Não havia compromisso educacional com os estudantes, identificando suas dificuldades, o que precisava melhorar. Por isso, em 2011 foi feito um ajustamento de conduta homologado judicialmente para que fizesse como forma uniforme em toda rede estadual de ensino o reforço ao aluno”, disse.

Leia Também:  Ulysses Moraes visita escolas públicas em Campo Verde que retornaram às atividades presenciais

Juliane Gusmão explicou que, de 2000 a 2015, os estudantes eram avaliados por meio de relatório descritivo, sendo substituído em 2016 por objetivos de aprendizagem, que se repetiam nos três anos de cada ciclo. Em 2017, a Seduc constituiu grupos de trabalho para estudar o ciclo de formação humana. 

Como resultado do estudo, a partir de 2019 abriu-se a possibilidade de retenção de estudantes que não atingissem determinados níveis de aprendizagem durante o período de três anos de cada ciclo. “A partir de 2019, o estudante poderá ser reclassificado somente se apresentar resultados satisfatórios”, frisou.

A coordenadora informou ainda que o documento que institui a Política de Educação Básica para Mato Grosso foi construído a partir do que determinam os documentos norteadores dos currículos nacional e estadual. O texto está em fase de revisão e, posteriormente, será disponibilizado para consulta pública.

Entre as ações realizadas pela Seduc, segundo ela, está a implantação do Laboratório de Aprendizagem em todas as unidades escolares, com o objetivo de contribuir para a superação da defasagem de aprendizado dos estudantes.

O presidente da Comissão de Educação, deputado Wilson Santos (PSDB), destacou a necessidade de tratar o sistema ciclado de ensino como uma política de estado, e não de governo, e de resolver deficiências que ainda se apresentam após duas décadas de implantação do modelo.

Leia Também:  Polícia Civil prende integrante de associação criminosa e recupera carga de soja avaliada em R$ 300 mil

“Desde a implementação do ciclo, os governos o trataram da forma como cada um entendeu. Sem exceção. Por isso chegamos em uma modalidade que, na minha concepção, não é nem seriado e nem ciclo. É um pedaço de cada. O material é de seriado, não é específico para ciclo. Os professores não tiveram formação para a escola ciclada. Não queremos a volta ao modelo seriado, mas queremos que o ciclo seja 100% implantado, coisa que não está”, declarou.

Ricardo Sávio Aguiar de Souza, coordenador de Avaliação da Seduc, apresentou informações sobre os resultados do Ideb registrados no período de 2007 a 2019 e salientou que a qualidade da educação é multidimensional e que Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) leva em consideração sete fatores na análise, sendo o ensino e aprendizagem um deles.

Maria Luiza Zanirato, membro do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público (Sintep-MT), defendeu o funcionamento em tempo integral das escolas nos anos iniciais e ressaltou a importância da organização curricular e da inclusão dos estudantes na educação básica e superior. “A educação faz diferença, sim, na vida das pessoas”, reforçou.

Professora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Danieli Backes frisou a necessidade de levar em consideração as diferentes realidades dos municípios mato-grossenses para definição de uma política educacional. “Alguns municípios não têm, sequer, uma rede de internet”, lembrou. 

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA