Garota de programa vence desembargador MOA. DNA será feito

Renato Nery é o advogado do desembargador MOA

DECISÃO DO STJ
M.O.A. sofre nova derrota e terá que fazer DNA
Antonielle Costa

O desembargador identificado como M.O. A. sofreu nova derrota no Poder Judiciário, desta vez, no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Em sessão nesta terça-feira (22), a Terceira Turma da Corte não deu provimento ao agravo regimental interposto pela defesa do magistrado, mantendo em trâmite a ação de investigação de paternidade que ele responde, bem como a realização de exame de DNA.

No entanto, a defesa M.O.A. deverá impetrar com novos recursos visando protelar ainda mais a ação que se arrasta desde 2007.

O agravo regimental proposto pelo magistrado questionava a decisão do ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, que em setembro de 2010, inadmitiu o agravo de instrumento interposto contra a decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, que determinou a realização de exame de DNA visando o reconhecimento de paternidade do menor M. V. N. D.

A ação, que corre em segredo de Justiça, foi proposta pela mãe do menor identificada como J. N. D., em 2007. A data para coleta do material para fazer o DNA chegou a ser marcada, mas em 2009, a ação foi julgada improcedente por “ausência de provas”, pelo juízo da 2ª Vara de Família.

Em seguida, a mãe do menor entrou com um recurso no Tribunal de Justiça, solicitando que a ação fosse retomada. O pedido foi acatado por unanimidade pela Quinta Câmara Civil, no final de março de 2010, com o voto dos desembargadores Carlos Alberto Alves Rocha, Sebastião Moraes e Leônidas Duarte Monteiro (hoje aposentado).

Em abril do mesmo ano, M.O. A. entrou com novo recurso; desta vez, questionando a decisão do TJ que foi negada um mês depois, também por unanimidade.

Na decisão, o relator destacou que a criança tem o direito constitucional de saber quem é o seu pai. E relegou a um plano secundário o fato da mãe do menor ser garota de programa ou não. “Isso não é relevante (ser garota de programa). O que estamos discutindo é o direito da criança, e não o da sua mãe”, afirmou Sebastião Filho.

De acordo com o magistrado, a produção de provas, nesses casos, é fundamental para a solução do caso. “O exame de DNA é o mais considerado cientificamente e ajudará a buscar a verdade biológica”, frisou.
Manobra lotérica

Na ação, o apelado, M.O.A. argumentou que a mãe do menor teria se utilizado de uma “manobra lotérica”, ao afirmar que ele é o pai da criança. Isso teria sido feito com o objetivo de constrangê-lo e denegrir sua imagem.

Outro lado

Procurado pelo Mato Grosso Notícias, o advogado Renato Nery, que defende o magistrado, afirmou que irá analisar as providências cabíveis e que deve recorrer da decisão.

FONTE MATO GROSSO NOTICIAS

4 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.6.109.130 - Responder

    quem é M O A ??? POR QUE QUE NAO PODE FALAR O NOME DO DESEMBARGADOR ??? e se ele é o pai da criança nao tem nada a ver… se ele nao for deve meter uma ação de indenização por danos morais contra essa moça que ta fazendo essa palhaçada

  2. - IP 200.96.181.224 - Responder

    Estebam , MOA é o pai de Moazinho Junior. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk , esses figurões saem por ai f……dendo e entram numa arapuca dessas. Eita judiciário que não se emenda.

  3. - IP 201.86.182.77 - Responder

    É de impressionar o corporativismo que existe no judiciario. A lei diz que na duvida pro reu. No caso não vale para o menor e sim para o magistrado. É bastante suspeito a nossa justiça mesmo tratando de uma criança.

  4. - IP 201.34.222.204 - Responder

    Com tanto escandalo envolvendo o Judiciário de Mato Grosso que o nome deveria passar a ser TRIBUNAL DE INJUSTIÇA, cada coisa que acontece que até o diabo duvida. Tem atitude humana que os iguala ao próprio capeta.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro × 3 =