(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Setor do varejo tem déficit de R$ 873,4 bilhões durante a pandemia, revela CNC

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
Setor do varejo armazena déficit de R$ 873,4 bilhões durante a pandemia, revela CNC
Sophia Bernardes

Setor do varejo armazena déficit de R$ 873,4 bilhões durante a pandemia, revela CNC

Desde o início da pandemia, em 2020, um dos setores mais atingidos é o comércio varejista . De fevereiro de 2020 até maio deste ano, os dados divulgados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) apresentaram uma perda de R$ 873,4 bilhões.

De acordo com Fabio Bentes, economista da CNC, a exceção está entre os segmentos de supermercados, bebidas e produtos alimentícios, que avançaram nesse período. Ao contrário dos segmentos como vestuários, calçados, tecidos e equipamentos, os quais foram fortemente afetados.

Você viu?

A propósito, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima um acréscimo significativo no setor do varejo, com a maior taxa nos últimos 9 anos, uma alta de 4,5%. No entanto, Fabio Bentes ressalta que é um parâmetro mais baixo do que o normal.

Saiba mais em 1Bilhão Educação Financeira .

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Energia e gasolina puxam prévia da inflação para 0,83% em junho
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Volkswagen coloca 800 funcionários em férias coletivas por falta de peças

Publicados

em


source
Fábrica da Volkswagen em Taubaté (SP)
Divulgação/Volkswagen

Fábrica da Volkswagen em Taubaté (SP)

Em meio à escassez de componentes, a Volkswagen vai colocar 800 funcionários da fábrica de Taubaté (SP), o correspondente a um turno, em novas férias coletivas. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté e Região, a medida começa a valer na segunda-feira (27) e se estenderá por dez dias.

O motivo alegado pela montadora é a falta de insumos, sobretudo de semicondutores, que vem sofrendo oscilações no fornecimento e dificultando a produção mundial de veículos.

De acordo com o sindicato, a Volkswagen informou inicialmente que as férias coletivas seriam para 2 mil trabalhadores, mas que poderia sofrer alterações. Até o momento, a medida vale para 800 funcionários, que devem retornar no dia 7 de outubro.

Indústria automotiva enfrenta escassez de chips

O episódio marca a sexta vez no ano em que a Volkswagen concede férias coletivas aos funcionários. Ainda segundo o sindicato, também foram registrados 11 dias de paralisação e mais cinco dias de folga (ambos com utilização do banco de horas) por falta de peças.

Leia Também:  "Brasil está em coma e tem Bolsonaro como médico", diz a revista The Economist

Em julho, a Volkswagen concedeu férias coletivas de 20 dias para o primeiro turno de sua fábrica em São Bernardo do Campo e paralisou parte de sua planta em Taubaté.

No fim de agosto, a montadora também anunciou dez dias de férias coletivas para 2 mil funcionários na fábrica de Taubaté, também por falta de peças.

O problema de abastecimento tem sido enfrentado por toda a indústria automotiva, que lida com a escassez na cadeia global de suprimentos desde o fim do ano passado.

No mesmo dia em que o Sindicato dos Metalúrgicos anunciou a medida adotada pela Volkswagen em Taubaté, trabalhadores da Fiat em Betim aprovaram um programa de suspensão temporária do contrato de trabalho devido a falta de componentes eletrônicos.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA