(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Setor de inovação e cultura perdeu 458 mil postos de trabalho durante pandemia

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
A tendência é que o desemprego aumente enquanto a maioria da população não for vacinada
ESTADÃO CONTEÚDO

A tendência é que o desemprego aumente enquanto a maioria da população não for vacinada


O setor da economia criativa perdeu 458 mil postos de trabalho na comparação do último trimestre de 2020 com o mesmo período do ano anterior. Os dados divulgados pelo Observatório Itaú Cultural indicam uma retração de 6,4% nos empregos especializados na área da cultura.

O levantamento leva em consideração funções em diversas áreas que dependem da criatividade para serem desempenhadas, não sendo uniformizadas ou passíveis de serem substituídas por máquinas. Eram 7,1 milhão de pessoas trabalhando nesse tipo de função nos últimos três meses de 2019. Número que foi reduzido para 6,6 milhões no quarto trimestre de 2020.

Leia também

As áreas mais afetadas foram atividades artesanais, artes cênicas e visuais, cinema, música, fotografia, rádio e TV e museus e patrimônio. Nesses segmentos, a retração chegou a 18%. Eram 773, 9 mil pessoas com postos de trabalho nessa área no final de 2019, número que caiu para 634,2 mil nos últimos três meses de 2020.

Leia Também:  Em meio à crise hídrica, secretário de Guedes defende privatização da Eletrobras

Você viu?

Nas áreas de apoio às atividades criativas houve uma queda de 15% nos postos de trabalho, passando de 2,5 milhões em 2019 para 2,1 milhões em 2020.

Novos postos

Por outro lado, houve um aumento de 115 mil postos de trabalho na área da Tecnologia da Informação, o que representa uma alta de 24% no período. O segmento editorial também abriu novos postos de trabalho, um crescimento de 25%, com 23,7 mil novos empregos.

A redução de postos de trabalho afetou mais os trabalhadores informais, sem carteira assinada ou cadastro como pessoa jurídica. Nesse grupo, houve uma queda de 11% , passando de 2,8 milhões para 2,5 milhões no número de postos de trabalho.

Nos postos de trabalho formalizados, a retração ficou em 3,4%, chegando a 4,1 milhão de pessoas no final de 2020.“Uma das razões para a retração ter sido menor é a criação de políticas de proteção ao emprego implementadas durante a pandemia, que permitiram a diminuição de carga horária e a suspensão temporária de contratos de trabalho, protegendo os trabalhadores celetistas de possível desligamento”, aponta o levantamento.

Leia Também:  Linx (LINX3) informa que Linx Pay apresentou perdas operacionais incomuns

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

“Ou acionistas da Petrobras, ou caminhoneiros”, diz Chorão sobre Bolsonaro

Publicados

em


source
Wallace Landim, Chorão, líder caminhoneiro
Reprodução/Facebook

Wallace Landim, Chorão, líder caminhoneiro

O presidente da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), Wallace Landim, deu prazo de 15 dias para o presidente Jair Bolsonaro decidir se irá favorecer os caminhoneiros ou acionistas da Petrobras. A declaração foi dada em entrevista ao portal UOL , nesta segunda-feira (18).

Líder dos caminheiros, Chorão, como é conhecido, disse que o preço do diesel nas bombas prejudica a categoria e prometeu entrar em greve a partir de 1° de novembro. A proposta também foi aprovada por outras lideranças em assembleia realizada neste fim de semana.

“Chegou uma hora que o governo do presidente Jair Bolsonaro precisa escolher. Ou os acionistas, ou os caminhoneiros e a classe média. Ele tem 15 dias para escolher”, disse Landim.

Na entrevista, Chorão acusou o Palácio do Planalto de não atender as demandas de caminhoneiros e ironizou as críticas de Bolsonaro sobre o ex-presidente Michel Temer, que enfrentou a paralisação em 2018.

Leia Também

“Durante a campanha política para presidente ele falava mal do Temer. E hoje ele está lá e não está fazendo nada. É isso que a categoria esta observando”, afirmou.

O líder dos caminhoneiros também questionou a fala de Jair Bolsonaro sobre a privatização da Petrobras. Após uma declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, Bolsonaro colocou a estatal na lista de possibilidade de venda.

“A gente vê o presidente jogando na mídia a privatização da Petrobras isso é, no meu ponto de vista, para causar polemica. É para tirar a responsabilidade de si”, afirmou ao UOL .

“Por isso que eu tenho certeza que dessa vez sai. E eu torço para que o governo subestime mesmo. Se eles querem subestimar, eu acho legal da parte dele”, concluiu Chorão.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA