(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Produção industrial recua 0,6% em outubro refletindo alta nos preços

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
Produção industrial recua 0,6% em outubro refletindo alta nos preços
Divulgação/Lupacom Comunicação

Produção industrial recua 0,6% em outubro refletindo alta nos preços

A produção industrial de outubro caiu 0,6%% na comparação com setembro, quando havia recuado 0,4%. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada nesta sexta-feira pelo IBGE.

Esta é a quinta retração seguida. A alta foi puxada pelas indústrias extrativas, de matérias-primas naturais, que caíram 8,6%, e produtos alimentícios, cujo recuo foi de 4,2%.

A expectativa do mercado era de alta de 0,6%, segundo analistas ouvidos pela Reuters.

No ano, a indústria acumula alta de 5,7%, o mesmo percentual registrado em 12 meses.

O resultado da indústria em outubro é o primeiro sinalizador sobre como ficou o comportamento da economia no quatro trimestre, após o país ter entrado em recessão técnica.

O termo considera dois trimestres consecutivos com taxa de crescimento negativa e foi considerado depois que 0 Produto Interno Bruto (PIB) — conjunto de bens e serviços produzidos pelo país — do terceiro trimestre, divulgado ontem, recuou 0,1%.

Entre os itens que mais pressionaram a alta de setembro para outubro, estão produtos do fumo, derivados de petróleo e biocombustível, produtos químicos, equipamentos de transporte, borracha e material plástico.

Leia Também:  Saraiva não consegue comprador e oferece ações para pagar dívidas

Leia Também

Outras contribuições negativas vieram de confecção de artigos do vestuário e acessórios (-4,1%), de produtos de metal (-1,9%), de veículos automotores, reboques e carrocerias (-0,8%) e de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-2,4%).

Se for considerar a variação no ano, inclui-se na lista madeira, celulose, metal, máquinas e equipamentos, entre outros.

Falta de insumos e preços altos

A indústria vem sendo afetada desde o ano passado por um forte aumento dos custos provocado pela falta de matéria-prima. O problema é global, mas no Brasil, a situação se agrava, pois o consumo interno é predominante e, além de preços mais caros – também por reflexo da valorização do dólar frente o real -, o setor sente os reflexos da inflação a quase dois dígitos, da alta taxa de desemprego e da crise hídrica.

Leia Também:  Weg anuncia pagamento milionário de dividendos; quem tem direito aos R$ 663 mi?

Uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada ontem, sintetiza esse cenário: a cada dez indústrias, sete têm dificuldades para comprar insumos.

O levantamento mostra ainda que, de 25 setores da indústria de transformação, 18 disseram que está mais difícil obter insumos no mercado doméstico mesmo com valores acima do habitual.

Os mais atingidos são calçados, couro, móveis, vestuário, madeireiro e produtos eletrônicos e de informática.

Dos setores que dependem de insumos importados, 18 deles também relataram o mesmo problema, principalmente os farmacêuticos, de máquinas e materiais elétricos e de plástico.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Criptomoedas têm queda nos preços; confira as maiores desvalorizações

Publicados

em


source
Bitcoin sofre liquidação e derruba todo o mercado: confira as criptomoedas com maiores desvalorizações na semana
Luciano Rocha

Bitcoin sofre liquidação e derruba todo o mercado: confira as criptomoedas com maiores desvalorizações na semana

Durante as últimas 24 horas, o mercado de criptomoedas experimentou uma nova queda forte nos preços. O Bitcoin (BTC), por exemplo, perdeu o suporte de US$ 40 mil e agora opera pouco acima dos US$ 35 mil.

Como resultado, a criptomoeda acumula uma queda de 20% ao longo dos últimos sete dias. Mas as altcoins não fizeram um papel melhor. De fato, absolutamente todas as  criptomoedas do Top 100 encerrou a semana no negativo.

Entre as maiores perdas, o cenário foi ainda pior, pois muitas delas chegaram a cair acima dos 40%. Portanto, a lista dessa semana mostrará não as maiores desvalorizações, mas sim as maiores perdas do mercado.

Disclaimer: a lista leva em conta os preços e percentuais registrados no momento da produção do texto. Além disso, serão consideradas as criptomoedas que estão no Top 100 da lista do CoinMarketCap. Sem mais delongas, eis a lista!

Leia Também:  TRT-2 confirma demissão por justa causa para auxiliar que recusou tomar vacina

Loopring (LRC)

A Loopring é uma camada do Ethereum (ETH) especializa na construção de exchanges descentralizadas (DEX). O preço de seu token LRC caiu 42,68% na semana, atingindo R$ 4,35. Com R$ 5,7 bilhões em valor de mercado, o token ocupa a 77ª posição na lista.

Desempenho da LRC ao longo da semana. Fonte: CoinMarketCap.

Harmony (ONE)


Leia Também

Mais uma rede com foco em aplicações descentralizadas, a Harmony também viu seu token ONE sofrer e perder 42,97% de seu valor na semana. Como resultado, o preço do token caiu para R$ 1,11, derrubando seu valor de mercado para R$ 12,8 bilhões. O ONE ocupa a 47ª posição na lista.

Desempenho da ONE ao longo da semana. Fonte: CoinMarketCap.

Curve DAO Token (CRV)

A Curve é uma DEX que fornece liquidez e estrutura para a negociação de stablecoins descentralizadas. Seu token CRV encerrou a semana em queda de 44% e vale R$ 16,18 cada unidade. Já o valor de mercado total chegou aos R$ 7,3 bilhões e ficou na 63ª posição.

Leia Também:  Mulher morre em mercado no Rio; empregados cobriram o corpo e seguiram trabalho

Desempenho do CRV ao longo da semana. Fonte: CoinMarketCap.

Leia Também

Near Protocol (NEAR)

Com queda de 44,86%, o token NEAR ganhou a medalha de prata da semana. Seu preço fechou a semana em R$ 61,86 enquanto seu valor de mercado chegou aos R$ 38,3 bilhões, o que ainda garantiu a 24ª posição ao protocolo.

Desempenho do NEAR ao longo da semana. Fonte: CoinMarketCap.

Gala Games (GALA)

Nem mesmo os badalados jogos em blockchain escaparam da queda, conforme mostra a perda de 45,87% no valor do token GALA. A forte desvalorização derrubou o preço do token para R$ 1,02, e o valor de mercado da Gala atingiu R$ 7,1 bilhões, ficando com a 65ª posição.

Desempenho do GALA ao longo da semana. Fonte: CoinMarketCap.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA