(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Planos de saúde chegam a 48,1 milhões de usuários, maior número em cinco anos

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
No ano passado, o aumento sem explicação dos planos de saúde gerou polêmica
Lorena Amaro

No ano passado, o aumento sem explicação dos planos de saúde gerou polêmica


Os planos de saúde registraram mais um aumento no número de beneficiários e atingiram, em abril, o maior patamar em quase cinco anos, com mais de 48,1 milhões de usuários , um aumento de 0,26% em relação a março. É o maior número registrado desde julho de 2016.

Antes disso, quando verificada a evolução mensal, só foi superado em junho daquele ano, quando o setor atingiu 48.263.518 beneficiários nessa segmentação. Os dados foram divulgadas pela  Agência Nacional de Saúde Suplementar ( ANS ), nesta sexta-feira (21).


Em um ano (de abril de 2020 a abril de 2021), o crescimento ocorreu em todas as modalidades de contratação do plano, com destaque para os planos coletivos empresariais , com variação positiva de 3,15% no mês.

Considerando o tipo de contratação do plano e a faixa etária do beneficiário, observa-se que a variação se mantém positiva para os beneficiários acima de 59 anos em todos os tipos de contratação no período de um ano.

Sinistralidade e utilização dos planos

Os números mostram ainda que o índice de sinistralidade — que indica aumento nos gastos das operadoras pela utilização dos planos de saúde pelo usuário e é usado no cálculo dos reajustes de mensalidade — do primeiro trimestre de 2021 permanece inferior ao observado no mesmo período de 2019, pré- pandemia , e não se observa, até o momento, tendência de alteração no segundo trimestre.

Leia Também:  Com o aumento da conta de luz, vale investir em energia solar? Veja quanto custa

A taxa de ocupação de leitos recuou, retornando ao mesmo patamar de antes da pandemia, puxada principalmente pela redução na ocupação dos leitos dedicados ao atendimento à Covid-19 .

A procura por exames e terapias eletivas apresentou queda em relação a abril de 2019. Esses indicadores sugerem, segundo a ANS, que não há impacto significativo da pandemia nos custos totais do setor e na utilização assistencial no primeiro trimestre, quando comparados a níveis pré-pandemia.

A taxa mensal geral de ocupação de leitos (que engloba leitos comuns e UTI) apresentou queda de quatro pontos percentuais em relação a março, atingindo 72% em abril. Essa redução decorreu, principalmente, da queda na taxa de ocupação de leitos para atendimento à Covid-19 em comparação ao mês anterior, e atingiu o mesmo patamar de antes da pandemia.

Em abril, a taxa de ocupação de leitos para Covid-19 passou de 79% para 72%, e a taxa de leitos para outros procedimentos se manteve em 73%.

A quantidade de consultas em pronto-socorro que não geraram internações sofreu queda significativa em relação ao mês anterior e continua abaixo do observado antes do início da pandemia. A procura por exames e terapias eletivas (Serviços de Apoio Diagnóstico Terapêutico – SADT) registrou queda, em comparação com abril de 2019.

Leia Também:  Funcionária pública é demitida após falsificar exame de gravidez

Informações econômico-financeiras

Segundo a ANS, em abril, houve ligeira queda das despesas assistenciais e redução do pagamento das mensalidades recebidas em relação a março — entretanto, este valor ainda é superior ao verificado nos meses anteriores.

O índice de sinistralidade voltou aos patamares de dezembro de 2020, passando para 80%. Importante destacar que o índice de sinistralidade do 1º trimestre de 2021 permanece inferior ao mesmo período pré-pandemia, e não há evidências, até o momento, que a tendência deva se alterar no 2º trimestre de 2021.

Já os percentuais de inadimplência, tanto para planos individuais ou familiares quanto para coletivos, continuam próximos dos níveis históricos em abril, ficando em 6% no geral – queda de 1 ponto percentual em relação a março.

Queda das reclamações

O boletim divulgado pela agência mostra ainda queda no número de reclamações — tanto gerais como demandas específicas sobre Covid-19 — no comparativo com março. Em abril, foram registradas 13.094 reclamações pelos canais de atendimento da ANS, redução de 14,1% em comparação com o mês anterior.

Em relação às reclamações específicas sobre Covid-19, foram registradas 1.324 queixas em abril, ante 1.525 reclamações relativas ao tema em março, queda de 13,2%, aproximadamente.

Do total de reclamações relacionadas ao coronavírus nesse mês, 40% dizem respeito a dificuldades relativas à realização de exames e tratamento, 46% se referem a outras assistências afetadas pela pandemia e 14% são reclamações sobre temas não assistenciais (contratos e regulamentos, por exemplo).

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Atraso na PEC dos precatórios ameaça Auxílio Brasil e Roma se diz “preocupado”

Publicados

em


source
Ministro da Cidadania queria que a proposta fosse aprovada no Legislativo no início de novembro
Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Ministro da Cidadania queria que a proposta fosse aprovada no Legislativo no início de novembro

O ministro da Cidadania, João Roma, disse nesta quarta-feira (27) que está “bastante preocupado” com o atraso para aprovação da PEC dos precatórios . A proposta estava na pauta da Câmara dos Deputados ontem, mas os deputados não chegaram a um acordo e adiaram o texto

A PEC é vital para viabilizar o novo benefício social administrado pela sua pasta, o Auxílio Brasil . Sem a aprovação do texto, não sobra espaço fiscal no Orçamento para os R$ 400 prometidos pelo governo. 

Segundo Roma, seria “muito importante” que a PEC fosse aprovada “ainda no início de novembro”, já que os depósitos estão previstos para o início deste mês.

“Não há mais tempo hábil”, alertou Roma, que chegou nesta noite para mais uma reunião com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Ao mesmo tempo, ele comemorou a decisão do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), de que pode levar a PEC direto ao plenário após sua aprovação na Câmara, evitando as comissões.

Leia Também:  Mega-Sena paga R$ 35 milhões nesta quarta; veja o resultado do sorteio

Leia Também

Após o encerramento da sessão que estava analisando a PEC, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), se reuniu em seu gabinete com líderes de partidos e três ministros do governo Bolsonaro, João Roma (Cidadania), Flávia Arruda (Secretaria de Governo) e Ciro Nogueira (Casa Civil). Eles conversaram sobre estratégias para alcançar maioria e votar o texto na quarta-feira da semana que vem. Lira, porém, não descartou a hipótese de tentar a votação ainda nesta quinta, cenário considerado improvável pelos líderes e até por Ciro Nogueira.

O presidente da Câmara ainda terá, durante a madrugada, conversas para tentar construir um consenso.

Sempre é possível fazer ajustes (no texto). Estou saindo agora para falar com deputados da oposição. Foi feita agora uma reunião com líderes da base, com a presença do ministro Ciro Nogueira, com a ministra Flávia, com o ministro João Roma. E agora vou conversar com membros e líderes da oposição e tentar chegar a uma composição plausível.”

Leia Também:  Reforma tributária: "Guedes é importante, mas no suporte técnico", diz Lira

Assim como os demais líderes, Lira atribuiu o adiamento às dificuldades do retorno ao trabalho presencial.


COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA