(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

NuBank testa parcelamento de compras mesmo após pagamento a vista; saiba como

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
null
Divulgação

undefined


A partir desta terça-feira (6), o NuBank vai disponibilizar a possibilidade de parcelar uma compra mesmo que ela já tenha sido feita à vista. A novidade já estava em testes para os usuários mexicanos da plataforma e começa a ser implementada no Brasil.

O novo recurso permite que o cliente transforme uma compra feita em uma única parcela, isto é – a vista – em uma transação dividida a ser paga nos próximos meses. De acordo com o banco, uma compra pode ser parcelada em até 12 vezes. Os juros oferecidos nesta modalidade são mais baixos do que a média do crédito rotativo do mercado. O valor mínimo é de R$ 20.

O valor na fatura é atualizado automaticamente assim que completada a operação. Não é possível editar ou cancelar o parcelamento depois de confirmado, mas a qualquer momento o cliente pode antecipar o pagamento e receber o desconto proporcional dos juros.

Leia também

Leia Também:  Senado votará nesta terça projeto que pode mudar Prova de Vida do INSS; entenda

A função está disponível na fatura do cartão do consumidor, na opção “Parcelar a Compra”. O recurso requer que o usuário aceite as condições de financiamento propostas pela fintech.

A nova ferramenta quer evitar que as pessoas financiem toda a fatura divido a uma única compra que esteja pesando no orçamento, explica a empresa. A função pode ser usada para dividir os valores de transações em que não há a opção de parcelamento no ato da compra, como em compras feitas com o cartão de crédito no exterior.

O novo teste faz parte do plano da Nubank de “Reinventar o Cartão de Crédito”. O projeto criado em 2019 pretende “acabar” com os juros rotativos do cartão de crédito ao propor financiamentos mais baratos.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Gasolina apresenta alta de 40% nas bombas em 2021 e GLP atinge R$ 100 em média

Publicados

em


source
Dados foram divulgados pela ANP nesta segunda-feira
Reprodução: iG Minas Gerais

Dados foram divulgados pela ANP nesta segunda-feira

O preço médio da gasolina, do diesel e do gás de botijão voltaram a subir na última semana, de acordo com dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

No caso da gasolina, o preço médio do litro subiu 3,33% nas duas últimas semanas, passando de R$ 6,117 para R$ 6,321. É, assim, a décima primeira semana seguida entre altas e estabilidade nos preços. No ano, acumula alta de 40,9%.

Em alguns estados do Brasil, a gasolina já é vendida a R$ 7,499, como no Rio Grande do Sul.  Ao todo, a  gasolina também já é encontrada acima dos R$ 7 em seis estados. Além do Rio Grande do Sul, estão na lista Rio de Janeiro (R$ 7,399), Piauí (R$ 7,159), Minas Gerais (R$ 7,179), Mato Grosso (R$ 7,047) e Acre (R$ 7,3).

No diesel, a alta foi de 0,3% nas duas últimas semanas, passando de R$ 4,961 para R$ 4,976, destacou a ANP. No ano, a alta chega a 37,99% na bomba.

GLP acima de R$ 100 em 19 estados

No GLP, o preço médio do botijão de treze quilos ultrapassou a marca de cem reais. Na semana passada, o valor chegou a  R$ 100,44, alta de 1,79% ante a semana anterior, de R$ 98,67. 

Leia Também:  PayPal passa a aceitar pagamentos com criptomoedas em compras nos EUA

No ano, o GLP acumula alta de 34,36% no ano. Assim, o gás de botijão já ultrapassou os R$ 100 em 19 estados, diz a ANP.  O maior preço médio está em Mato Grosso, onde é vendido em média a R$ 120,16.

Em  Mato Grosso, Rondônia e Rio Grande do Sul, o preço do botijão já é encontrado a R$ 135. No Rio de Janeiro, o preço máximo chega a R$ 110.

Leia Também

Economistas ressaltam que o valor dos combustíveis sobe, principalmente, de acordo com as cotações do preço do petróleo no mercado internacional e do dólar. Além disso, o preço varia entre estados por conta da tributação e dos custos logísticos das distribuidoras para distribuir o combustível.

Dados da Petrobras indicam que, entre janeiro e outubro, o preço do litro do diesel acumula alta de 51% nas refinarias; e o da gasolina já subiu 61,9% nas refinarias desde janeiro.

Mas, apesar dos reajustes feitos pela Petrobras nos preços de gasolina e diesel entre o fim de setembro e início de outubro, analistas afirmam que ainda existe uma defasagem em relação aos valores cobrados no mercado internacional e que a estatal terá de anunciar novos aumentos.

Mas dados da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom) apontam que o diesel vendido pela Petrobras ainda está 15% abaixo do que é vendido no exterior na primeira quinzena de outubro.

O aumento nos preços ocorre em meio às discussões do projeto que muda o ICMS sobre combustíveis. O projeto, que já teve aval da Câmara dos Deputados, vai para o Senado. Se aprovado, a perda em arrecadação estimada para estados e municípios será de R$ 24 bilhões, nos cálculos do Comitê Nacional de Secretários de Fazenda, Finanças, Receita ou Tributação dos Estados e do Distrito Federal (Comsefaz).

Hoje, o preço de referência em que incide o ICMS é um preço médio do combustível atualizado a cada 15 dias, que varia conforme o estado. Como o petróleo e o dólar têm subido bastante nos últimos meses, essa média tem subido também, o que pesa no orçamento dos brasileiros.

O projeto da Câmara daria um alívio no bolso em 2022, ano eleitoral, mas poderia pressionar os preços em 2023. O impacto nos cofres públicos sera imediato tanto para governos estaduais como para prefeituras, pois os municípios recebem 25% da receita do tributo estadual.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA