(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Nubank fecha semestre com lucro pela primeira vez em sua história

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
Nubank teve seu primeiro lucro na história
Bruno Ignacio

Nubank teve seu primeiro lucro na história

O Nubank, maior fintech brasileira, anunciou nesta quarta-feira (13) que teve o primeiro lucro de sua história. Segundo dados divulgados pela empresa, fundada em 2018, no primeiro semestre deste ano, o lucro líquido foi de R$ 76 milhões no Brasil. O valor será utilizado para reinvestimento em novos produtos e serviços e não será distribuído aos acionistas, informou o Nubank.

“Próximo de realizar sua abertura de capital (IPO, na sigla em inglês) sempre é bom mostrar aos investidores um número positivo, mesmo que pequeno”, diz João Frota, analista da Senso Corretora e especialista em sistema financeiro.

Segundo se especula no mercado, o Nubank vem se preparando para oferecer suas ações na Nasdaq, a bolsa americana de empresas de tecnologia, com expectativa de captar US$ 3 bilhões. O IPO (na sigla em inglês initial public offering ) deve acontecer em breve.

No ano passado, a fintech anunciou um prejuízo de R$ 230 milhões, 26% menor que o prejuízo de 2019, que havia ficado em R$ 312 milhões em 2019. Em suas demonstrações financeiras, o Nubank justificava os números vermelhos como parte de sua estratégia de crescimento. E mesmo com o lucro mantém a estratégia de continuar investindo em seu crescimento.

“Já comentamos antes, mas não custa reforçar: o prejuízo é uma decisão, e por isso esperado como parte da estratégia de crescimento no momento. Escolhemos investir na empresa, nas pessoas e no desenvolvimento de novas tecnologias para continuar entregando a melhor experiência aos nossos clientes”, justificava a fintech.

O banco deixou claro que os números positivos apresentados se referem somente às operações no Brasil, concentradas na Nu Pagamentos, uma instituição de pagamentos e nas suas subsidiárias. O resultado não inclui as operações do controlador, a Nu Holdings, ou as operações das suas subsidiárias no México e na Colômbia.

Leia Também:  Bolsas de Valores pelo mundo caem após surgimento de nova variante sul-africana

Segundo o Nubank, no período, as receitas de intermediação financeira no Brasil atingiram aproximadamente R$ 4 bilhões, um crescimento de 91% em relação ao primeiro semestre de 2020. Já o resultado do banco vindo dessa intermediação financeira atingiu R$ 1,8 bilhão, um crescimento de 98% em relação ao mesmo período do ano passado.

Leia Também

“O fato de o resultado de intermediação financeira ter crescido em um ritmo superior ao das receitas de intermediação financeira significa que a nossa margem segue expandindo – ela passou de 45% para 47% do primeiro semestre de 2020 para o primeiro semestre de 2021”, escreveu o vice-presidente financeiro do Nubank, Guilherme Lago, no blog da instituição.

Ainda segundo o Nubank, são mais de 41 milhões de clientes no Brasil ao final de junho, um aumento de 25% em relação ao semestre passado, e de 60% nos últimos 12 meses. Isso significa, em média, mais de 40 mil novos clientes por dia.

O chamado “volume de compras” também cresceu, diz a instituição. As transações com cartões movimentaram R$ 92 bilhões no período, um crescimento de 105% em relação ao mesmo período do ano passado.

“Os bancos digitais e as empresas de tecnologia geraram prejuízos durante 10 anos e os papéis subiram nas bolsas americanas. Essa é a lógica: elas geram caixa, que vai para investimento em tecnologia”, diz Frota.

Especialistas afirmam que mesmo sem apresentar números positivos, o Nubank continua sendo atrativo aos investidores pelo potencial de crescimento. Este ano, até o primeiro semestre, a fintech obteve US$ 1,15 bilhão em recursos, maior captação feita por uma fintech na América Latina.

Desse total, pelo menos US$ 750 milhões vieram da Berkshire Hathaway, do megainvestidor Warren Buffett. Com esse aporte, o Nubank foi avaliado com valor de mercado de R$ 152 bilhões, colocando a instituição entre os cinco maiores bancos do país.

Essa equivalência aos grandes bancos provocou críticas da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) em setembro passado. A instituição, que representa os grandes bancos, publicou em uma rede social que “o Nubank, que tem cara, porte, produtos e até nome de banco, prefere não se dizer banco, mas cobra juros mais altos dos seus clientes do que a média dos cinco ou 10 grandes bancos brasileiros”, escreveu a Febraban no post.

A crítica aconteceu depois que a Zetta, associação fundada pelo Nubank, Mercado Pago e Google, publicou em seu perfil trechos de uma reportagem do jornal Valor com o título “Tarifas dos grandes bancos saltam acima da inflação durante a pandemia”. Segundo a postagem da Febraban, na última semana de agosto, a taxa média do juro do cartão rotativo do Nubank era de 291,67% ao ano, maior que a média dos 5 maiores bancos, de 271,68%”. A Febraban citou dados do Banco Central. À época, o Nubank não se manifestou sobre a publicação da Febraban.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Debandada: Ministério da Economia perderá mais dois nomes; saiba quem

Publicados

em


source
Paulo Guedes, ministro da Economia
Washington Costa/ASCOM ME

Paulo Guedes, ministro da Economia

Termina nesta sexta-feira (21) o prazo para a sanção presidencial do Orçamento de 2022. Após a assinatura da LOA (Leia Orçamentária Anual), dois nomes do Ministério da Economia sairão da pasta, informa a colunista do GLOBO Malu Gaspar. Os secretários já entregaram o pedido de exoneração ao ministro Paulo Guedes, são eles: 

O subsecretário de assuntos fiscais da Secretaria de Orçamento Federal, Luiz Guilherme Pinto Henriques, e o subsecretário de gestão orçamentária, Márcio Luiz de Albuquerque Oliveira. A oficialização deve sair no Diário Oficial da União nos próximos dias. 

Os dois participavam ativamente das negociações com parlamentares para definir o Orçamento e diziam estar cansados das “batalhas perdidas” com a ala política. 

Pinto Henriques chefiava o pagamento de precatórios e os gastos com a folha de pagamentos, dois dos itens postos em cheque no Orçamento deste ano. 

Oliveira pilotava a elaboração dos chamados créditos suplementares ou extraordinários, instrumentos que remanejam verbas dentro do Orçamento. No dia 13, o governo federal publicou uma portaria dando  mais poderes à Casa Civil sobre o Orçamento da União. O texto determina que a pasta terá que dar aval para algumas ações de abertura ou remanejamento de despesas.

Leia Também:  Coreana ‘Round 6’ é avaliada em quase R$ 5 bilhões; entenda

Leia Também

Henriques está de férias e não volta para a função. Alegou motivos pessoais e vai se licenciar para fazer mestrado. Já Oliveira abdicou do cargo de chefia mas seguirá nos quadros do ministério. Para a primeira vaga, será destinado Fábio Pontes, outro funcionário de carreira da Economia.

A saída deles se soma à de outros três quadros técnicos que deixaram suas funções nesta semana : o secretário de Gestão, Cristiano Heckert; o secretário de Avaliação, Planejamento, Energia e Loteria da Secretaria Especial do Tesouro e Orçamento, Gustavo Souza; e o diretor de programa da Receita Federal, Mauro Bogéa.



COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA