(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Nota de R$ 20 faz 20 anos: veja como o poder de compra mudou no tempo

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval

Nota de vinte reais completou vinte anos nesta segunda (27)
pixbay

Nota de vinte reais completou vinte anos nesta segunda (27)

Parece que foi ontem, mas fazem duas décadas desde que a nota de R$ 20 reais chegou às mãos e ao dia a dia dos brasileiros. De lá para cá, além do visual da cédula – repaginado em 2012 – muita coisa mudou, principalmente o que era possível comprar com o valor.

Se atualizada pela  inflação atual, que corrói o poder de compra dos brasileiros, a cédula do mico-leão-dourado valeria R$ 69, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em 2002, o salário mínimo subiu de R$ 180 para R$ 200. Os R$ 20, portanto, representavam 10% de quem ganhava o básico. Hoje, o valor representa 1,65% dos R$ 1.212 atuais.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Os dados do IBGE também mostram que, nestes 20 anos, o carrinho de supermercado ficou 360% mais caro, e a lista de compras paga naquela época com R$ 20 foi minguando.

“O poder de compra encolheu bastante. A inflação acumulada é de 254% pelo IPCA, e com isso a realidade dos preços se alterou brutalmente. É como se a gente multiplicasse o preço dos produtos por quatro. A nota de R$ 20 compra muito menos diante de uma inflação tão alta. Em termos reais, se a gente divide ela pela inflação acumulada, é como se ela comprasse algo equivalente a R$ 5,65 atuais”, calcula André Braz, economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Um encarte de supermercado do dia do lançamento da cédula mostrava que era possível comprar com o valor 1 kg de alcatra ou contra-filé, 5 kg de arroz, 1 kg de feijão, 1 kg de açúcar, 500 g de café, uma lata de leite em pó, um pacote de 1 kg de sabão em pó, um sabonete e um detergente de 500 ml. Ainda sobrariam R$ 0,06.

Leia Também:  Banco do Brasil lança crédito para caminhoneiros e produtores rurais

Já no encarte desta semana da mesma rede de supermercados, é possível comprar apenas 500 g de café e um frasco de detergente, ou um pacote de 5 kg de arroz e 1 kg de açúcar – nesse caso completando com R$ 0,94.

Ainda segundo o folheto da época, uma embalagem de 500 g de achocolatado custava R$ 2,37. Com R$ 20, era possível comprar quase 10 potes. De lá para cá, a mesma marca diminuiu o frasco, hoje com 370 g, vendida por R$ 7,19.

Uma lata de azeite, com 500 ml, custava R$ 4,56 em 2002, e R$ 20 pagavam quatro latas. Hoje, um vidro de 400 ml custa R$ 17,98.

A quantidade de bandejas de filézinho de frango também caiu. O quilo, que na época saía por R$ 4,39, hoje é vendido por R$ 11,98, na marca mais barata. Com pouco mais de R$ 20, portanto, é possível comprar duas embalagens, bem diferente das quase cinco que poderiam ser levadas na época pelo valor.

Ano do Penta

A cédula de R$ 20 foi a última a ser lançada na chamada primeira família do Real, e levou 18 anos até que outra nota entrasse em circulação: a de R$ 200, lançada em 2020. Nesse meio tempo, além da remodelação das notas, que passaram a ter tamanhos diferentes e novos dispositivos de segurança, a nota de R$ 1 foi suspensa.

Na semana em que a cédula foi lançada, a seleção masculina de futebol estava em busca do pentacampeonato na Copa do Mundo, realizada no Japão e na Coreia do Sul. Para ver os jogos, muitas famílias e amigos se reuniam durante a manhã ou ainda na madrugada, por conta da diferença de fuso horário.

Mas quando a comemoração pelas vitórias da seleção de Luiz Felipe Scolari se estendiam, o churrasco estava garantido – e por pouco.

Na semana da conquista do Penta, a mesma rede de supermercados vendia o quilo da alcatra e do contra-filé por R$ 4,49. Hoje, o valor na mesma rede é de R$ 34,98 ou R$ 36,98.

Leia Também:  Censo 2022: Vão até sexta-feira inscrições para concurso com 106 vagas

Já a linguiça toscana era vendida há 20 anos por R$ 2,29 o quilo, e a bandeja de coração de frango saía por R$ 4,55. A lata de 350 ml de cerveja de uma marca popular, hoje vendida por R$ 2,89 no mesmo local, custava R$ 0,59. Já a garrafa de refrigerante saía por R$ 1,28, R$ 4,71 a menos que os R$ 5,99 atuais.

Braz explica que, além da alta acumulada de 360% dos alimentos para consumo no domicílio, as carnes tiveram um aumento ainda maior:

“A carne subiu mais do que o aumento médio. O Brasil está exportando mais e as commodities que fazem parte da produção estão mais caras. Se fosse apenas pela inflação geral acumulada, o quilo (da alcatra ou contra-filé, com preço de referência do supermercado citado) estaria por volta de R$ 16. Se levamos em conta a inflação dos alimentos, R$ 21, mas ainda distante dos preços que temos hoje”, diz.

Outro item em que o preço atual impressiona na comparação com os encartes antigos é o café. O pacote de 500 g saía por R$ 1,88, e hoje, a embalagem da mesma marca é vendida por R$ 17,48. O produto ficou 70% mais caro nos últimos dose meses.

“No ano passado tivemos um frio muito intenso, que provocou um prejuízo grande no setor. Foi um super choque. A safra do café é bianual, o que quer dizer que a produção de uma boa safra acontece a cada dois anos, então custa a restabelecer o mercado e o preço voltar ao normal.”

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Economistas apontam despesas ineficientes que ameaçam teto de gastos

Publicados

em

Caio Megale, economista-chefe da XP
Washington Costa/Ministério da Economia

Caio Megale, economista-chefe da XP

“Era uma casa muito engraçada, não tinha teto , não tinha nada…”, diz a música infantil sobre um local confuso. A paródia com o risco que o país corre em 2023, contudo, é real: sem uma âncora fiscal forte, a recessão, a pobreza e o desequilíbrio financeiro podem ameaçar o próximo ano, independente de quem ganhar as eleições de outubro.

Criado na crise de 2016, o teto de gastos, cada vez mais, é considerado carta fora do baralho, depois de ser sucessivamente “furado” pelo atual governo e pelo Congresso. Primeiro, com a proposta de emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios , no fim de 2021, que mudou a regra para “subir” o teto, gastar mais com o Auxílio Brasil e limitar o pagamento de dívidas da União.

Depois, foi a PEC Eleitoral , que colocou uma série de despesas sociais — pensadas para turbinar a aprovação do presidente Jair Bolsonaro em ano eleitoral. Esses movimentos, para especialistas, jogaram por terra a credibilidade do teto de gastos, que visa a limitar o crescimento das despesas somente à correção da inflação.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

“Esse teto de gastos acabou. Ele não comporta a manutenção de todas as despesas já existentes e mais as despesas temporárias que foram instituídas pela última PEC (Eleitoral)”, afirmou o economista-chefe da XP Investimentos, Caio Megale, ex-secretário de Desenvolvimento do Ministério da Economia.

Além disso, os líderes nas pesquisas eleitorais, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL), já indicaram que querem mexer no teto se vencerem a eleição de outubro.

Para 2023, o maior desafio será manter o Auxílio Brasil de R$ 600 (com um custo estimado em R$ 160 bilhões por ano). Os postulantes ao Palácio do Planalto prometem manter esse valor no próximo ano. A sobrevivência de outros benefícios também é dúvida, como os vales a caminhoneiros e taxistas, e as reduções de impostos promovidas neste ano.

Com o teto em xeque, economistas de instituições financeiras ouvidos pelo GLOBO defendem manter uma regra fiscal que limite os gastos e também seja voltada ao controle da dívida pública, principal indicador de solvência de um país. Hoje, a dívida está na casa dos 80% de tudo que o país produz em um ano (o PIB). É uma dívida mais alta (e cara) que a de países emergentes.

Com uma dívida alta, o dinheiro acaba sendo direcionado para o governo rolar esse passivo, em vez de ser destinado a projetos da economia real, que geram o crescimento do país. E, com baixa credibilidade da política fiscal, o país tem mais inflação, o que leva a mais volatilidade e a menores taxas de crescimento.

Mário Mesquita

‘Não há regra fiscal boa que sobreviva sem credibilidade e apoio’

Mário Mesquita, economista-chefe do Itaú Unibanco, afirma que a necessidade de ajuste fiscal sofre bastante resistência e que não há regra fiscal boa que sobreviva sem credibilidade e apoio político. O desafio, para ele, não é a falta de espaço para cumprir o teto, mas uma possível carência de vontade política de compensar aumentos de gastos, principalmente sociais, com cortes em outras despesas. Ele calcula que há um espaço de, no mínimo, R$ 20 bilhões para aumento de gastos livres no ano que vem, na comparação com 2022.

Leia Também:  C6 Bank abre 200 vagas de emprego em várias áreas; veja

Alcançar os R$ 73 bilhões necessários em cortes para manter o Auxílio Brasil de R$ 600 e o reajuste de 10% para servidores em 2023 é possível, segundo Mesquita, com o fim do abono salarial (R$ 23 bilhões), o aumento do tempo de carência do seguro de desemprego de 12 para 18 meses (R$ 20 bilhões), a extinção das estatais dependentes (R$ 23 bilhões) e a limitação das emendas de relator pela metade (R$ 8 bilhões).

“Uma nova âncora fiscal deve ser novamente baseada no controle de gastos, mas é possível aproveitar elementos das regras de resultado (receitas menos despesas) e de dívida. Em particular, parece interessante uma regra híbrida, na qual o ritmo de crescimento de gasto permitido ao ano pode ser condicionado”, afirma o ex-diretor do BC.

Fernando Honorato

‘A solução para crescer não é gastar mais de forma descoordenada’

Fernando Honorato, economista-chefe do Bradesco, afirma que a discussão sobre a regra fiscal e o Orçamento é a pauta mais importante do início do próximo governo. É a partir desse conjunto de regras fiscais que será possível entender a dinâmica da dívida, o tamanho e a capacidade dos programas sociais, e como estarão a inflação e os juros, diz ele:

“No fim, a discussão é onde vai parar o juro e a inflação. Quanto antes essa discussão for resolvida, é o ideal. Esse debate vai nos tomar o primeiro semestre do ano que vem.”

Para Honorato, é preciso olhar a combinação de receitas e despesas num horizonte de médio prazo para a convergência da dívida pública a patamares mais baixos do que está hoje. Ele ressalta ainda a necessidade de órgãos de controle estarem sempre vigilantes no acompanhamento das regras fiscais.

“A política econômica como um todo pode ajudar muito o próximo presidente a fazer essa convergência da dívida. Ter isso de maneira organizada, faz a economia crescer, reduz o juro, gera emprego. O crescimento ajuda a resolver o problema da dívida. Agora, não dá para achar que sem boas regras fiscais o Brasil vai crescer. Mas é preciso ir além disso. A solução para crescer certamente não é gastar mais de forma descoordenada.”

Jeferson Bittencourt

‘Existe uma dificuldade política de se desfazer das despesas ruins’

Jeferson Bittencourt, economista da ASA Investiments e ex-secretário do Tesouro, defende incorporar ao processo orçamentário a avaliação das políticas públicas — ou seja, cortar o que não é eficiente. Ele afirma que o teto está sendo importante para limitar o gasto num momento de alta de arrecadação. E o gasto novo, no Brasil, costuma ser permanente, mesmo quando a receita despenca, comenta ele:

“A dívida pública como meta é fadada ao fracasso, inclusive porque pode restringir a política monetária. É preciso ter a dívida como referência, mas não pode ser só isso.”

Ele afirma que a criação das emendas de relator, com a qual o Congresso já controla um quarto dos gastos livres do governo, fez os parlamentares perderem o “incentivo” para discutir a despesa como um todo. Porque o Congresso já tem um “pedaço” só dele. E essa discussão sobre o corte de gastos precisa ser retomada, diz:

Leia Também:  Banco do Brasil lança crédito para caminhoneiros e produtores rurais

“Existe uma dificuldade política de se desfazer das despesas ruins. Dado que parece inexorável a alteração das regras fiscais, a nova regra precisa seguir duas balizas: focar na redução da dívida e ter uma limitação para o crescimento das despesas. É preciso ter uma regra de gasto.”

Caio Megale

‘Isso (gasto público) mexe do empresário ao dono do bar’

Caio Megale, economista-chefe da XP Investimentos, alerta para o risco de superestimar receitas para fazer a dívida cair apenas nas previsões e não na prática, permitindo um aumento de gastos. Por isso, afirma ser preciso discutir a pertinência de cada um dos gastos. Em sua opinião, se não houver uma sinalização de como se vai equacionar o gasto, o juro continuará alto:

“A reforma da Previdência precisa ser aprofundada e é necessária uma reforma administrativa. Tem que abrir espaço no Orçamento para o teto ou qualquer regra com credibilidade ser exequível. É preciso completar o ajuste fiscal proposto pelo teto e repensar gastos. Essa é uma discussão muito difícil, muito dura, que conseguimos evoluir muito pouco. O teto teve um grande sucesso em dar uma freada no ritmo de alta das despesas, mas estamos à beira de retomar a trajetória anterior.”

Manter a credibilidade nas contas é fundamental para uma casa, uma empresa ou um governo, afirma Megale:

“As pessoas olham para o governo e falam que em algum momento a inflação vai subir ou ele vai tascar um imposto. Isso (gasto público) mexe dos empresários ao dono do bar.”

Alberto Ramos

‘O problema é gastar R$ 1,6 trilhão e não querer cortar nada’

Alberto Ramos, economista-chefe para América Latina do Goldman Sachs, afirma que não só o teto de gastos, mas a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) sofreu uma “erosão significativa” nos últimos anos. Segundo ele, dada a fragilidade das contas, é necessária uma regra que trave o crescimento dos gastos e obrigue o país a fazer uma poupança em momentos de alta da receita, como agora:

“Ninguém está dizendo que não existe mérito social no Auxílio Brasil de R$ 600. O problema é gastar R$ 1,6 trilhão e não querer cortar nada. É insustentável. Em qualquer ajuste, quem vai sofrer os custos são as famílias de baixa renda.”

Ramos destaca que as âncoras fiscais brasileiras não são ruins e não há razão para mudar isso:

“A regra em si só tem valor quando tem algum nível de disponibilidade para entregar o que ela se propõe. Quando não se consegue observar a regra, o primeiro instinto é contornar. Essa é a triste realidade da execução fiscal brasileira, o que não quer dizer que a regra seja mal desenhada.”

Em sua opinião, é necessário discutir o retorno social de cada real gasto:

“O Brasil está gastando muito como proporção do PIB. Além de gastar muito, investe pouco. A qualidade do gasto é péssima.”

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA