(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Juros da Selic devem subir acima do previsto pelo Boletim Focus, sinaliza BC

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
Campos Neto acredita em crescimento assimétrico da inflação em 2022 e ressaltou a necessidade de controlar alta
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Campos Neto acredita em crescimento assimétrico da inflação em 2022 e ressaltou a necessidade de controlar alta

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quinta-feira (24) que a taxa básica de juros deve subir acima do previsto pelo Boletim Focus . Segundo Campos Neto, técnicos do BC acreditam em alta assimétrica da inflação em 2022 , ou seja, crescimento maior do que esperado pelo Comitê de Políticas Monetárias (Copom). 

Atualmente, a Selic está em 4,25% ao ano, mas o mercado financeiro prevê a estabilização da taxa em 6,25% até dezembro , considerado o parâmetro normal para o índice. Os reajustes nos juros acontecem devido à necessidade de segurar a alta da inflação do país.

“Quando o balanço é assimétrico, significa que você tem que elevar os juros acima do que está projetado no Focus“, afirmou Campos Neto, em coletiva de imprensa. 

“Como há uma assimetria no balanço de riscos, isso significa que você tem que mirar uma inflação um pouco mais abaixo, tem uma gordurinha por causa da assimetria, você tem que praticar uma política monetária menos estimulativa do que os juros do Focus“, completou Fabio Kanczuk, diretor de Política Econômica do BC. 

Roberto Campos Neto ainda rebateu os boatos que o Copom não fez alterações arrojadas na Selic devido à falta de aviso ao mercado. O presidente do Banco Central disse ter tido oportunidade de avisar, mas concluiu que neste momento não seria necessário maiores reajustes. 

“Eu só queria enfatizar que eu li alguns comentários de que grande parte da decisão teria sido tomada por não ter comunicado. Queria enfatizar que isso não é verdade, a gente poderia ter comunicado, a gente teve muitas oportunidades para comunicar, mas a gente esperou porque a gente achava que esse debate sobre esses fatores que foram mencionados agora era um debate bastante enriquecedor e ia nos dar um horizonte de atuação mais eficiente”, afirmou. 

“Discutimos muito também o tema de o que influencia expectativas em termos da função reação, se é mais a taxa final, o quanto que a velocidade influencia nisso”, completou Campos Neto. 

Leia Também:  Comissão no Senado adia novamente votação de lei que privatiza os Correios

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Bolsonaro publica MP para pagar R$ 400 a famílias do Auxílio Brasil

Publicados

em


source
null
Alan Santos/ PR

undefined


Após o Congresso firmar um acordo para fatiar a Proposta de Emenda à Constituição 23/2021 (PEC dos Precatórios), o presidente Jair Bolsonaro (PL) publicou a medida provisória (MP) que institui o Benefício Extraordinário. O recurso visa atender às famílias que são beneficiárias do Auxílio Brasil, programa sucessor do Bolsa Família.

O benefício terá valor necessário para alcançar a marca de R$ 400 e será pago junto à parcela de dezembro do Auxílio Brasil. Em novembro, o novo Bolsa Família teve valor médio de R$ 217,18.

Descrito como “extraordinário”, o pagamento se refere apenas a este mês de dezembro, mas com possibilidade de prorrogação de janeiro a dezembro do próximo ano, “consideradas as famílias beneficiárias no mês de referência do pagamento do referido benefício e observada a disponibilidade orçamentária e financeira”.

Leia Também

Para que o governo pague os R$ 400 planejados em 2022, ele depende da conclusão da votação da PEC. A pauta, que é alvo de discussão no Congresso, prevê o adiamento do pagamento de dívidas da União, os precatórios. 

Leia Também:  PEC dos Precatórios: Governo liberou R$ 900 mi em emendas durante negociações

O governo diz que isso é necessário para abrir espaço no orçamento para o repasse de um auxílio maior aos mais pobres. É por conta dessa dependência que a MP já prevê a possibilidade de prorrogação nos próximos meses.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA