(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Guedes diz que membros do governo acham venda da Eletrobras perda de voto

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
Governo sancionou a MP da Eletrobras na terça-feira
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Governo sancionou a MP da Eletrobras na terça-feira

Um dia após a  sanção do projeto que viabiliza a privatização da Eletrobras , o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu a venda da empresa no primeiro trimestre de 2022. Ele disse que tem gente dentro do governo acreditando que a privatização da empresa tiraria votos do presidente Jair Bolsonaro nas próximas eleições.

Em uma transmissão ao vivo feita pelo Valor Econômico , o ministro chegou a dizer que a privatização daria votos ao presidente.

“Tem gente dentro do governo que acha que vender a Eletrobras tira voto. Eu acho que tem muita gente que acha que isso dá voto, em vez de tirar voto”, disse o ministro.

Guedes argumentou que a população já entendeu que a Eletrobras será privatizada e o governo poderia até perder votos caso não cumprisse a promessa.

“Todo mundo já entendeu que a Eletrobras vai ser privatizada. Se não acontecer, os eleitores vão até cobrar porque que não aconteceu este ano. Tem que ser no primeiro trimestre do ano que vem, se isso for desculpa para procrastinar, isso vai tirar voto em vez de dar voto”, afirmou.

Leia Também:  IR 2021: malha fina cobra auxílio emergencial indevido; entenda

Você viu?

Guedes defendeu a venda de estatais e imóveis da União que não estão sendo utilizados. Recuperando uma ideia antiga, o ministro disse que esses recursos poderiam ir para um fundo de erradicação da miséria e promover uma “chuveirada” de dinheiro com o que ele chamou de “dividendos sociais” para os mais pobres a cada seis meses.

“Que tal se o dinheiro da venda da Eletrobras, pelo menos 30% fossem distribuídos para os cidadão mais frágeis brasileiros? Será que em vez de fazer redistribuição de renda, será que não aprendemos algo com o efeito riqueza? Que tal para alguém que ganha R$ 250  todo mês de Bolsa Família, de repente você dá R$ 3 mil pra ele? E isso foi fruto de uma desestatização. Será que a opinião pública não muda?”, disse. 

Leia Também:  Diretor do BC responsável pela implantação do PIX deixará cargo em dezembro

Essa ideia já foi promovida por Guedes para possibilitar o aumento do Bolsa Família , em março deste ano, e para reforçar o “Renda Brasil”, programa que acabou não indo pra frente, em setembro do ano passado.

O ministro desenhou um cenário para as eleições do ano que vem entre o ex-presidente Lula e o atual presidente Jair Bolsonaro.

“O que você de uma campanha onde o Lula fala assim: “estão querendo vender patrimônio do governo”. E de repente você diz o seguinte: “não, em vez de roubar o patrimônio do povo, feito alguns governos faziam, nós queremos dar ao povo o que é do povo'”, disse.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Black Friday: vendas online somam R$ 5,4 bi e ficam abaixo da expectativa

Publicados

em


source
Black Friday tem faturamento abaixo do esperado
Unsplash/Artem Beliaikin

Black Friday tem faturamento abaixo do esperado

A Black Friday de 2021 foi impactada pela inflação. Segundo levantamento da Neotrsut, o faturamento total foi de R$ 5,4 bilhões, o que representa um crescimento nominal de 5,8% na comparação com o ano passado, mas abaixo das expectativas de ganhos, que estavam entre 6% e 10%. Os brasileiros se preocuparam mais em comprar itens básicos , e que estão mais caros, como alimentos e bebidas, deixando os eletrônicos um pouco de lado.

O levantamento foi produzido a partir do número total de compras realizadas via e-commerce entre o primeiro minuto de quinta-feira (25) até às 23h59 de sexta-feira (26)

A edição deste ano da Black Friday encerrou as 48h monitoradas com um volume de 7,6 milhões de pedidos. O número é 0,5% inferior ao registrado no ano passado. Já o tíquete médio nacional das compras foi de R$711,38, 6,4% superior a 2020, tambem impactado pela alta dos preços.

Para o diretor de comunicação do T.Group, do qual a Neotrust faz parte, Julio Pacheco, já era esperado que o faturamento não fosse tão alto quanto o esperado. A empresa projetava no meio do ano um aumento de 16%, mas à medida que a situação macroeconômica foi se deteriorando, a estimativa foi cortada para o intervalo de 6% a 10%. “Já sabíamos que não atingiríamos o esperado. A insegurança por causa do cenário econômico, a inflação e o endividamento devem ser levados em conta”, disse.

Leia Também:  Reino Unido nega que tenha pedido 'acordo emergencial' a Bolsonaro

Pacheco destaca o aumento de compras nos segmentos de bebidas e alimentos e moda. Esses produtos não costumavam ter grande destaque nos anos anteriores e possuem ticket médio menor.

É um sinal que o brasileiro aproveitou a Black Friday deste ano para ir atrás de produtos que ficaram mais caros com a inflação. “Isso, provavelmente, está ligado à inflação. A gente viu um comportamento de compra de itens básicos. Antes, era muito mais eletrônicos”, comenta.

Leia Também

O faturamento no e-commerce apenas na sexta-feira foi de pouco mais de R$ 4 bilhões, 4,5% acima do registrado em 2020. Para Pacheco, o fato das lojas físicas terem reaberto, com o avanço da vacinação, pode ter impactado no resultado. No entanto, muitos consumidores que não compravam pela internet, passaram a adquirir esse hábito durante a pandemia.

“O cenário é diferente, claro. Mas ao mesmo tempo, o hábito mudou. O brasileiro, por exemplo, não costumava comprar vestuário na internet”, analisa.

A busca pelos produtos foi mais concentrada na semana da Black Friday do que no mês como um todo. Segundo a Neotrust, o pico de vendas ocorreu entre 10h e 14h de sexta-feira.

O valor do frete médio teve uma redução de 12% em relação ao ano passado e a participação do frete grátis nos pedidos teve um aumento de 0.6 pontos percentuais. Para a Neotrust, esse dado pode indicar que as varejistas tenham arcado com uma parte desse frete para atrair consumidores.

Leia Também:  Conselho de Administração da Petrobras passará por nova troca de conselheiros

Cartão é o meio preferido

Segundo a Neotrust, o cartão de crédito foi o instrumento mais usado para as compras, representando 81% do total e com crescimento de 6% em relação ao ano passado. O uso do boleto bancário atingiu 10%.

O Pix, que vem se popularizando, teve 2% do total. O número mais baixo se deve ao período em que a Black Friday é realizada. No fim do mês, os consumidores costumam ter menos dinheiro em conta e preferem optar pelas parcelas do cartão de crédito ou pelos dias úteis que o boleto fornece até o vencimento.

De acordo com projeção da ClearSale, empresa referência em antifraude, o valor de fraudes evitadas até 23h da sexta-feira foi de R$ 66.304.658,05.

Categorias de produto com mais pedidos:

  • 1. Moda e Acessórios
  • 2. Beleza e Perfumaria
  • 3. Telefonia
  • 4. Eletroportáteis
  • 5. Eletrodomésticos

Categorias de produtos com mais faturamento:

  • 1. Telefonia
  • 2. Eletrodomésticos
  • 3. Eletrônicos
  • 4. Informática
  • 5. Móveis

Percentual de compra por faixa etária:

  • 26 e 35 anos – 35%
  • 36 a 50 anos – 34%
  • Até 25 anos – 17%
  • Mais de 51 anos – 14%

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA