(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Fábrica da Ford vai se tornar centro logístico após investimento de R$ 1,2 bi

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source

Brasil Econômico

Fábrica da Ford vai virar centro logístico
Divulgação/ Ford

Fábrica da Ford vai virar centro logístico

Com o investimento de R$ 1,2 bilhão, o grupo que comprou a antiga fábrica da Ford em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, vai construir um centro logístico moderno. A área de um milhão de metros quadrados abrigou a linha de montagem de veículos por 52 anos, até outubro de 2019. As informações são do Estadão.

Do total, quase a metade (R$ 550 milhões) foi usada para adquirir o complexo. As outras três fábricas da Ford, fechadas recentemente , podem ter destinos parecidos, trocando o setor industrial pelo de serviços.

Você viu?

Além de 13 galpões, a área também vai abrigar praça de alimentação, mercado e academia para os funcionários e para a população. O objetivo é que a obra seja concluída entre maio de 2022 e outubro de 2023.

A área foi comprada pela construtora São José em parceria com Áurea Asset Management. Mauro Silvestri, sócio-fundador da construtora, disse ao Estadão que serão gerados entre 4 mil e 4,5 mil empregos quando o complexo estiver ocupado. A fábrica da Ford empregava cerca de 2,8 mil pessoas, comparou o empresário.

Leia Também:  Musk deixa posto de mais rico do mundo após perder US$ 4,6 bi em um dia

No galpões devem se instalar empresas metalúrgicas, sistemistas, de e-commerce, de alimentos refrigerados e data centers.

Orlando Morando, prefeito de São Bernardo do Campo, disso ao Estadão que a saída da Ford “resultou em impacto significativo na arrecadação de ISS e ICMS , porém, com a chegada do novo empreendimento acreditamos na recuperação, com acréscimo de ISS”.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Dólar recua após resultado positivo da inflação nos Estados Unidos

Publicados

em


source
Dólar é vendido na casa dos R$ 5,73 nesta terça-feira
Juliana Nascimento

Dólar é vendido na casa dos R$ 5,73 nesta terça-feira

O dólar apresenta volatilidade no início do pregão desta terça-feira (13). A moeda começou o dia seguindo o movimento de alta visto no dia anterior, quando ultrapassou a casa dos R$5,73 , mas perdeu força com a divulgação de dados da inflação americana para o mês de março .

No cenário interno, a discussão em torno do Orçamento para 2021 e informações de que o governo estuda deixar algumas despesas fora do teto de gastos também estão no radar dos investidores.

O objetivo da proposta seria abrir espaço no teto de gastos para emendas que fossem vetadas na discussão do Orçamento.

Por volta de 10h03, a divisa era negociada a R$ 5,69, queda de 0,15%, após ter superado a casa dos R$5,73.

EUA

A inflação nos Estados Unidos teve a maior alta em mais de oito anos e meio em março, informou o Departamento do Trabalho, nesta terça-feira.

O índice de preços ao consumidor subiu 0,6% no mês passado, maior elevação desde agosto de 2012. Em fevereiro, a alta foi de 0,4%.

O Federal Reserve, Banco Central americano, já havia dado sinalizações de que poderia tolerar um aumento da inflação em curto prazo e um maior gasto público para enfrentar os efeitos da pandemia. Segundo a autoridade monetária, a política de juro quase a zero deve ser mantida até 2023.

Leia Também:  Acre: Governo enviará R$ 450 milhões para conter Covid, dengue e enchentes

Os agentes de mercado, por sua vez, levantam dúvidas sobre o quanto o banco conseguirá manter suas metas e temem os possíveis efeitos da inflação na economia americana.

A expectativa mais imediata é avaliar como os números podem impactar no rendimento dos títulos do Tesouro americano, que servem de indicar tanto para a inflação futura quanto para o desempenho da divisa pelo mundo, sobretudo, em mercados emergentes, como o brasileiro.

Novela do Orçamento e CPI

Por falar em Orçamento , seguem as tratativas entre o Executivo e o Congresso para chegar a um acordo sobre a proposta.

Mesmo com sinalizações da parte de Bolsonaro de que um acordo estaria próximo, a cúpula do Legislativo e a equipe econômica ainda não chegaram a um acordo.

No fim da semana passada, o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu que a equipe econômica errou nas discussões do Orçamento para 2021.

Você viu?

Ele confirmou um acordo para subir em R$ 16,5 bilhões as emendas neste ano. Mas disse que houve equívocos e excessos. As emendas acabaram subindo bem mais: R$ 26,5 bilhões.

Outro tema que será acompanhado pelos investidores são os efeitos da “ CPI da Covid-19 ” sobre a pauta econômica, com destaque para a questão orçamentária.

A divulgação do áudio entre o presidente e o senador Jorge Kajuru (Cidadania-TO) gerou ruídos negativos para o governo.

Leia Também:  Petrobras (PETR4) abre fase vinculante para venda de participações em Albacora

Bolsonaro defendeu na conversa que as investigações também incluam governadores e prefeitos, a FM de diluir suas responsabilidades no combate à pandemia.

“Apesar de não ter nada definido, o abandono do teto vai se desenhando e o risco fiscal elevado segue ilustrado na curva de juros, que não para de abrir. Desta forma, esperamos uma sessão de viés negativo para ativos locais, por conta de um exterior mais cauteloso e pelas sinalizações em direção a mais um ‘drible’ no teto de gastos em Brasília”, escreveram analistas da Guide Investimentos, em relatório matinal.

Varejo

O varejo brasileiro avançou 0,6% em fevereiro , após contrair 0,2% em janeiro, segundo dados da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) do IBGE, divulgados nesta terça-feira

O resultado veio em linha com o esperado pelo mercado. Em 12 meses, o setor ainda acumula alta de 0,4%.

Bolsas no exterior

Na Europa, as bolsas operam sem direção única à espera da divulgação de dados da inflação americana, que serão divulgados hoje.

Por volta de 09h10, no horário de Brasília, a Bolsa de Londres cedia 0,16%. Em Frankfurt, a alta era de 0,10% e, em Paris, de 0,16%.

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta terça-feira. O índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, subiu 0,72%. EM Hong Kong, a alta foi de 0,15%.

Na China, houve queda de 0,48%, mesmo com dados positivos no comércio exterior.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CATEGORIA

CATEGORIA

CATEGORIA

CATEGORIA

MAIS LIDAS DA SEMANA