enockcavalcan[email protected]

(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Ex-presidente do IBGE é anunciada como nova gerente de desenvolvimento do BID

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
Ex-presidente do IBGE assumirá cargo no BID no próximo dia 16
Fernando Frazão/Agência Brasil

Ex-presidente do IBGE assumirá cargo no BID no próximo dia 16

Em carta enviada a funcionários do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o presidente da instituição, Mauricio Claver-Carone, anunciou a nomeação de Susana Cordeiro Guerra, ex-presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Susana Cordeiro Guerra, como nova gerente do setor de Instituições para o Desenvolvimento. De acordo com a carta, à qual o Jornal O Globo  teve acesso, Cordeiro Guerra assume o novo posto no próximo dia 16.

Segundo fontes do BID, o governo brasileiro estava interessado na gerência da área de infraestrutura da instituição, mas o posto, finalmente, teria sido destinado a um funcionário mexicano.

As mesmas fontes indicaram que o nome que o ministro da Econonomia, Paulo Guedes, tinha em mente para assumir a gerência de infraestrutura do BID era o da atual Secretária Especial do Programa de Parcerias de Investimentos, Martha Seiller. A funcionária é ativa militante do governo do presidente Jair Bolsonaro, e nas manifestações de 7 de setembro passado postou vídeos da marcha organizada por seguidores do chefe de Estado em Brasília.

Leia Também:  Para melhorar imagem de Bolsonaro, Centrão quer auxílio de R$ 600

A escolha da ex-presidente do IBGE para assumir a gerência de Instituições para o Desenvolvimento foi comunicada nesta segunda-feira por Claver-Carone, à frente do BID desde 2020. O presidente da instituição foi eleito com forte respaldo do governo brasileiro, além de outros aliados de peso, como a Colômbia.

Apesar da articulação feita pelo Brasil para ajudar o ex-funcionário do governo Donald Trump a chegar à Presidência do BID, o governo Bolsonaro não foi favorecido na distribuição de cargos na instituição. O Brasil já teve vários gerentes na área de infraestrutura, mas desta vez não obteve o que queria.

Você viu?

Susana saiu do IBGE em abril passado, se despedindo com uma carta na qual fez uma forte defesa do instituto, após o Congresso aprovar drásticas reduções de verbas, que levaram à suspensão da realização do Censo este ano.

Leia Também:  Bolsonaro veta venda direta de etanol por cooperativas, desejo do Congresso

“O IBGE é uma verdadeira joia no serviço público brasileiro, uma instituição da qual todos devemos nos orgulhar, como cidadãos brasileiros, a cada dia de nossas vidas”, disse na carta.

A ex-presidente do IBGE fora nomeada por Guedes, mas não contou com respaldo do ministro na hora de brigar por recursos para o instituto.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Tarifa branca pode reduzir conta de luz; saiba se vale a pena

Publicados

em


source
Conta de luz
Fernanda Capelli

Conta de luz

O verão chegou e com ele também veio o calorão que vem tirando o sossego dos cariocas. Isso porque os consumidores estão tentando buscar um equilíbrio entre como conviver com o tempo quente, ao ligar mais o ventilador e o ar-condicionado, e o valor pago na conta de luz.

Em tempos de bandeira vermelha, o que deixa a conta mais cara, optar pela tarifa branca pode ser uma opção para alguns, alerta o especialista em finanças, André Aragão.

A tarifa branca foi um benefício criado no primeiro trimestre de 2018 com a ideia de preços alternativos para a energia elétrica, dependendo do horário do dia e é indicada para pequenas empresas e pessoas que consomem mais de 250 kWh por mês. “Essa tarifa é aconselhável para quem faz o maior uso de luz nos horários antes das 18h (o horário de pico como é mais conhecido). Nesses casos, quem optar por essa tarifa pode gerar uma economia de até 15% no valor da conta de luz”, explica.

Basicamente, a diferença entre a tarifa branca e as demais é o valor do quilowatt hora. Se o consumidor paga R$0,594 por kwh em qualquer horário, quando esse mesmo consumidor aderir à tarifa branca ele passará a pagar R$0,499 kwh no período “fora de ponta”, R$0,724 no “intermediário” e R$1,115 na “ponta”. “Conseguindo manter o consumo no período fora de ponta, resultará em redução no valor da conta”, diz Aragão.

Atualmente, a Light possui 3.912 clientes cadastrados na Tarifa Branca em sua área de concessão. A empresa é responsável pela distribuição de energia elétrica de 31 municípios do estado do Rio.

Leia Também:  Santander realiza leilões de 542 imóveis com descontos de até 53%

Leia Também

Como aderir

Para aderir à Tarifa Branca, o consumidor precisa entrar em contato com a distribuidora de energia e solicitar a troca do medidor. É um processo gratuito e leva em média 30 dias para fazer a mudança.

Entretanto, mais uma vez, Aragão alerta que para a troca valer a pena é preciso ficar atento aos seus hábitos de consumo de energia. “O maior risco é o consumidor não conseguir realizar a alteração dos seus hábitos, é preciso que o maior foco de consumo de energia seja realizado no período de tarifa mais barata. Se os hábitos não alterarem, o valor da conta não diminuirá e a conta pode chegar ainda mais alta. Conheça primeiro os seus hábitos, analise com calma a forma que você consome energia. Tenha em mente de que precisará trocar o horário do banho, de passar a roupa, acender luzes, lavar a roupa. Se for possível ter uma flexibilidade de horário para realizar as tarefas, respeitando os horários estipulados pela companhia de energia, dá para economizar com a conta de luz. Vale lembrar também que é uma boa opção para empresas que não funcionam à noite, que podem desligar os aparelhos ou que consumam baixa energia”, diz.

Leia Também:  Como sua casa pode influenciar na produtividade do home office

Quem pode aderir

A tarifa branca está disponível a clientes faturados em baixa tensão de qualquer faixa de consumo, com algumas exceções: consumidores beneficiados com a tarifa social de energia elétrica; Os enquadrados na classe de iluminação pública; a Consumidores telemedidos, atendidos com o Sistema de Medição Centralizada (SMC).

Divisão por horários

  • Na tarifa branca, um dia é dividido em três faixas de horário:
  • Horário de ponta (das 17h30 às 20h30): quando o valor da energia é o mais caro;
  • Horário intermediário (das 20h30 às 22h30):quando o valor da energia é mais alto que o convencional;
  • Horário fora de ponta (até as 17h30 e a partir das 22h30):quando o valor da energia é mais barato que o convencional.
  • Nos feriados nacionais e finais de semana, o valor para todas as horas do dia é consideradofora de ponta.

Vantagem X desvantagem

A tarifa branca só será vantajosa para quem conseguir reduzir ou, até mesmo, “deslocar” o consumo de energia do horário de ponta para o fora de ponta. Caso contrário, a opção pela tarifa branca poderá resultar emaumento no valor da conta de luz.

Tarifa branca não é bandeira tarifária

Enquanto a tarifa branca é uma modalidade tarifária opcional, que depende de novos hábitos de consumo, a bandeira tarifária é obrigatória e definida pela Aneel. Ou seja, sem escolha do consumidor.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA