(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Confiança da indústria aumenta cresce em maio; otimismo segue para o semestre

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
Confiança na Indústria cresce em maio
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Confiança na Indústria cresce em maio

Após quatro quedas consecutivas, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei), divulgado pela Confederação Nacional da Indústria ( CNI ), subiu 4,8 pontos em maio, na comparação com abril, e atingiu 58,5 pontos , em uma escala que vai de 0 a 100 pontos tendo, na marca dos 50 pontos, a linha de corte entre confiança e falta de confiança por parte do empresário brasileiro.

De acordo com a CNI, “esse crescimento reverte parte da queda ocorrida entre janeiro e abril deste ano de 9,4 pontos”. Na comparação com maio de 2020, mês em que as indústrias foram obrigadas a paralisar suas atividades devido à pandemia, o Icei registra alta de 23,8 pontos.

Segundo o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, a confiança do empresário voltou a se afastar da linha divisória de 50 pontos, o que demonstra melhora da percepção do empresário em relação às atuais condições do país. “É importante notar que, neste ano, o índice sempre esteve acima dos 50 pontos, o que significa que em nenhum momento, o empresário deixou de ter confiança. Mas, agora em maio, percebemos que ela está mais forte e disseminada”, avalia Azevedo.

O levantamento aponta que “todos os componentes do índice de confiança da indústria tiveram forte avanço no mês de maio de 2021”, com destaque para o Índice de Condições Atuais, que cresceu 5,3 pontos, chegando a 50,2 pontos, ultrapassando a linha divisória de 50 pontos.

Já o Índice de Expectativas cresceu 4,5 pontos, ficando em 62,6 pontos, bem acima da linha divisória de 50 pontos. De acordo com a CNI, o resultado indica “otimismo em relação aos próximos seis meses”.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Covid: Por que Brasil foi país que mais perdeu milionários com pandemia

Publicados

em


source

BBC News Brasil

Covid: Por que Brasil foi país que mais perdeu milionários com pandemia
Reprodução: BBC News Brasil

Covid: Por que Brasil foi país que mais perdeu milionários com pandemia

O Brasil foi o país que mais perdeu milionários em 2020 – 108 mil , segundo um relatório recém-lançado pelo banco suíço Credit Suisse. Apesar disso, o abismo entre ricos e pobres se aprofundou, com o 1% mais rico detendo praticamente a metade de toda a riqueza nacional.

O estudo considera como milionário quem tem patrimônio acima de US$ 1 milhão (R$ 4,93 milhões).

Segundo o relatório, intitulado Global Wealth Report 2021 , a queda no número de milionários brasileiros se deveu principalmente à depreciação do real devido à pandemia de covid-19 . Em 2020, o real brasileiro se desvalorizou mais de 20% ante o dólar.

O Brasil passou a ter assim 207 mil milionários em 2020, comparado com 315 mil em 2019.

Outras economias emergentes, como Índia, Rússia, Árabia Saudita e Chile e México, entre outras, também perderam milionários.

Mas isso foi uma exceção – em 2020, segundo o relatório, o mundo ganhou 5,2 milhões de milionários, totalizando 56.084.000 pessoas com patrimônio superior a US$ 1 milhão. Em 2019, esse número era de 50.873.000.

O país que mais contribuiu para isso foi os Estados Unidos, com 1.730.000 novos milionários, seguido por Alemanha, Austrália, Japão, França, Reino Unido, China, Canadá, Holanda e Itália.

Aumento da desigualdade

E o aumento global no número de novos milionários foi acompanhado por um crescimento da desigualdade de renda.

Foi o que aconteceu no Brasil, onde o abismo entre ricos e pobres se aprofundou.

No ano passado, o Brasil foi o segundo entre dez países analisados com a maior desigualdade de renda – o 1% mais rico passou a concentrar praticamente a metade da riqueza nacional (49,6%). Em 2019, essa proporção era de 46,9%.

Leia Também:  Guedes diz que auxílio emergencial é uma "arma" e pode ser renovado

A Rússia foi o mais desigual. Ali, o 1% mais rico detém 58,2% da riqueza nacional.

A desigualdade de renda aumentou em oito dos dez países analisados (Brasil, China, Índia, Itália, Japão, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos).

As exceções foram França e Alemanha, ambas com queda de 0,3 ponto porcentual.

Foto com diversas notas de libras

Getty Images
Relatório do Credit Suisse aponta que Bolsas de Valores se recuperaram ainda no primeiro semestre de 2020 do choque inicial da pandemia

Mais milionários

Há dois elementos que ajudaram na expansão dessas riquezas individuais: recuperação das Bolsas de Valores e valorização de imóveis.

Segundo os pesquisadores, a criação de riqueza parece estar “completamente descolada” dos problemas econômicos da pandemia.

Anthony Shorrocks, economista e autor do estudo Global Wealth Report, afirmou que a pandemia teve um “impacto agudo de curto prazo nos mercados globais”, mas acrescentou que isso “foi amplamente revertido no fim de junho de 2020”.

Você viu?

Em sua análise, ele disse que a “a riqueza global não apenas se manteve estável ante tamanha turbulência, mas de fato aumentou rapidamente na segunda metade do ano”.

Segundo Shorrocks, do Credit Suisse, se o aumento do valor de ativos (como a valorização de imóveis) fosse retirado da conta do avanço da riqueza, “a riqueza familiar teria caído globalmente”.

“Nas faixas de riqueza mais baixas, onde os ativos financeiros são menos prevalentes, a riqueza tende a ficar estável ou, em muitos casos, regredir.”

E acrescentou: “Alguns dos fatores subjacentes podem se equilibrar com o tempo. Por exemplo, as taxas de juros começarão a subir novamente em algum momento, e isso vai atenuará os preços dos ativos.”

O relatório do Credit Suisse aponta que riqueza global total cresceu 7,4%.

Desde o início do século 21, o número de pessoas com riqueza entre US$ 10 mil e US$ 100 mil (de R$ 50 mil a R$ 500 mil, em valores cambiais de 23/06) mais do que triplicou de tamanho, de 507 milhões em 2000 para 1,7 bilhão em meados de 2020.

Leia Também:  Governo libera novo pagamento do auxílio emergencial; veja se tem direito

A instituição financeira afirmou que esse aumento reflete a “crescente prosperidade das economias emergentes, especialmente a China, e a expansão da classe média no mundo em desenvolvimento”.

“Não há como negar as ações tomadas por governos e bancos centrais para organizar programas de transferência de renda em massa para apoiar os indivíduos e empresas mais adversamente afetados pela pandemia e pela redução taxas de juros, evitaram com sucesso uma crise global em grande escala”, disse Nannette Hechler-Fayd’herbe, diretora de investimentos do Credit Suisse.

Hechler-Fayd’herbe, do Credit Suisse, afirmou que “pagamentos generosos do setor público às famílias significaram que a renda familiar disponível tem sido relativamente estável e até mesmo aumentado em alguns países.”

Mas, na avaliação do banco, outra política teve ainda mais impacto no avanço da riqueza global, sem considerar as disparidades das faixas de renda.

“A redução das taxas de juros pelos bancos centrais provavelmente teve o maior impacto. (…) É um dos principais motivos pelos quais os preços das ações e dos imóveis têm crescido, e isso se traduz diretamente em nossas avaliações da riqueza familiar.”

Casal com taças de champanhe

Getty Images
Mundo ganhou 5,2 milhões de milionários, totalizando 56.084.000 pessoas com patrimônio superior a US$ 1 milhão; em 2019, esse número era de 50.873.000

Ela acrescentou, no entanto, que todas essas intervenções “tiveram um grande custo” e que “a dívida pública em relação ao PIB aumentou em todo o mundo em 20 pontos percentuais ou mais em muitos países”.

Futuro

Segundo o Credito Suisse, o número de milionários no mundo deve continuar aumentando. Em 2025, chegará a 84 milhões, um aumento de quase 28 milhões em relação a 2020, ou 49,8%, prevê o relatório.

A previsão é que o Brasil ganhe 154 mil milionários no período, passando dos atuais 207 mil para 361 mil, crescimento de 74,4%.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA