(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Concurso do Ibama e ICMBio: governo autoriza nomeação de 568 aprovados

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval

Governo autoriza nomeação de 568 aprovados para concurso do Ibama e ICMBio
Divulgação/Ibama

Governo autoriza nomeação de 568 aprovados para concurso do Ibama e ICMBio

A Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, do Ministério da Economia, autorizou a nomeação de 568 candidatos aprovados no concurso público para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Chico Mendes (ICMBio). A Portaria 5.663 — que trata do assunto — foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (28).

A portaria saiu um dia depois de o governo federal autorizar a nomeação de 375 candidatos aprovados no concurso da Controladoria-Geral da União (CGU).

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

No caso do Ibama e do ICMBio, poderão ser nomeados 40 analistas administrativos e 96 analistas ambientais (cargos que exigem formação superior), assim como 432 técnicos ambientais (função que requer nível médio). Do total, apenas dez postos são para o Rio de Janeiro.

Leia Também:  Veja como serão distribuídas as ações da Eletrobras

As remunerações variam de R$ 4.063,34 (técnico ambiental) a R$ 8.547,64 (analista ambiental).

As inscrições para o concurso foram realizadas de 1º a 20 de dezembro de 2021. Os valores das taxas de participação foram de R$ 70 (cargos de ensino médio) e R$ 102 (funções de nível superior). As provas foram aplicadas em 30 de janeiro de 2022. A seleção ficou a cargo do Cebraspe.

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Projeto de qualificação profissional reúne BNDES e empresas; conheça

Publicados

em

BNDES e empresas lançam projeto de qualificação profissional
Ivonete Dainese

BNDES e empresas lançam projeto de qualificação profissional

Ao menos nove empresas dos mais variados setores se juntam ao  Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para investir em um projeto de qualificação de pessoas em condição de vulnerabilidade social ou baixa renda para garantir um lugar no mercado de trabalho. Até o momento já foram captados R$ 58 milhões. Destes, R$ 30 milhões são recursos do BNDES Fundo Socioambiental e outros R$ 28 milhões foram captados pelas companhias parceiras.

Entre as já associadas estão Abiogás (Associação Brasileira do Biogás), Ânima, Cedae, Energisa, Fundação André e Lucia Maggi (FALM), Ifood, Norte Energia, Totvs e a Tim.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

O projeto inclui aulas que busquem qualificar os participantes nas temáticas de indústria 4.0, tecnologia da informação e qualificação verde. A iniciativa também conta com treinamento em habilidades socioemocionais.

Como destaca o diretor de Crédito Produtivo e Socioambiental, Bruno Aranha, o banco fará um acompanhamento dos participantes pós-qualificação por doze meses para verificar se a iniciativa teve sucesso.

Também haverá oportunidade de concessão de bolsas para que os participantes possam se manter no período de qualificação, já que muitos não podem abandonar o trabalho, mesmo que informal, para acompanhar os cursos.

O conjunto de projetos de qualificação profissional deverá abranger alunos em, no mínimo, cinco municípios ou em dois estados.

As aulas dos cursos de qualificação profissional poderão ser ministradas em todos os municípios dos 27 estados, podendo ser de maneira presencial ou remota. 

Leia Também:  Pix pode ter moeda eletrônica, tokens e ainda mais segurança; entenda

A expectativa é que os cursos sejam de média ou longa duração, com no mínimo 200 horas de duração, de acordo com a especificidade de cada tema, para que assim possam ajudar a aumentar as chances de empregabilidade e de aumento na renda de cada aluno.

O objetivo das capacitações é fazer com que as pessoas consigam se realocar no mercado de trabalho ou não percam seus empregos por estarem defasadas em relação ao que as empresas precisam e demandam dos seus funcionários.

17 mil pessoas

A iniciativa chamada de “Novos Rumos” é uma espécie de uma espécie de matchfunding. A ideia é que o banco irá aportar R$ 1 a cada R$ 1 doado pelas instituições apoiadoras. A expectativa é que se alcance o montante total de, no mínimo, R$ 60 milhões, além de um contingente de cerca de 17 mil pessoas.

“Com esse formato, conseguimos ter um impacto maior, porque somamos esforços e geramos uma escala maior tanto do ponto de vista de alavancagem financeira quanto do ponto de vista de alavancagem operacional”, disse Aranha. 

O papel do banco, além de ser o âncora do projeto, é fazer a ponte entre os entes públicos e privados. O BNDES não vai impor o que deve ser capacitado, mas irá aferir os resultados das capacitações.

Edital para escolha do gestor

Para gerir os recursos, o BNDES lança nesta segunda-feira (8) um edital de seleção para gestor da iniciativa. A instituição escolhida ficará responsável por realizar a gestão dos recursos levantados, a estruturação e o acompanhamento dos projetos e medir a eficácia deles. Além disso, fará a captação de recursos junto as instituições apoiadoras.

Leia Também:  TJ-SP determina bloqueio de pagamentos de dívidas do Hopi Hari

Mesmo com o edital lançado, novas empresas ainda podem se juntar à iniciativa. 

Segundo Aranha, o gestor deverá ser uma instituição sem fins lucrativos. O edital conta com requisitos técnicos para a escolha, que incluem o histórico da instituição, sua proposta e o custo que ela irá apresentar para fazer a gestão dos recursos.

“Esse gestor vai fazer a gestão dos recursos financeiros, vai ser responsável pela prestação de contas e selecionar aqueles executores na ponta, que vão ministrar as capacitações. Ele vai fazer isso através de chamadas públicas ou até instituições que já têm relacionamento com os nossos parceiros”, explicou Aranha.

Infraestrutura

Os cursos poderão ter matérias de nivelamento, como matemática e português. Sobre a infraestrutura, Aranha afirma que existe a possibilidade de parcerias com estados e municípios, mas também se espera que os parceiros ofereçam soluções.

“A pandemia acelerou a questão da responsabilidade nas empresas. E muitas vezes, elas querem fazer mas não sabem como ou não têm confiança nos canais. A gente cria para as empresas esse canal qualificado, pelo qual elas vão poder aportar os recursos, vai ter resultado na ponta, e elas receberão todo o histórico e toda prestação de contas de como a ação delas reverteu em impacto”, disse o diretor.


Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA