(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Carro alugado poderá ter seguro independente de locadora; entenda

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
Carro alugado poderá ter seguro independente da locadora
iStock

Carro alugado poderá ter seguro independente da locadora

A partir do meio do ano, consumidores poderão contratar seguro de veículos mesmo sem ter um carro próprio e acionar o serviço de acordo com a sua conveniência, em locadoras, por exemplo. A expectativa é que a medida beneficie motoristas e entregadores de aplicativos que recorrem a veículos alugados ou a assinatura de longo prazo para trabalhar.

As novas regras serão colocadas hoje em consulta pública pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) e deverão entrar em vigor entre junho e julho. Caberá às seguradoras desenvolver e oferecer os novos produtos no mercado.

Hoje, o seguro é condicionado à propriedade do bem. Ou seja, quem aluga veículos precisa necessariamente contratar o seguro oferecido pela locadora, embutido no valor das diárias ou nas parcelas mensais, nos casos de contratos de carro por assinatura.

No novo modelo, o seguro poderá ser contratado para o ano inteiro, o que baratearia o valor o aluguel.

Segundo Rafael Scherre, diretor técnico da Susep, as mudanças estão em linha com o padrão internacional e têm por objetivo retirar as amarras para ampliar o acesso da população ao seguro de veículos. Apesar de ser a modalidade mais popular no Brasil, apenas 16% da frota de veículos no país tinha cobertura de seguros em 2019.

“Estamos criando as condições para que as seguradoras possam desenvolver produtos específicos de acordo com as necessidades dos clientes”, disse Scherre.

Você viu?

A nova regra para seguro de veículos faz parte da estratégia da Susep para desregulamentar o mercado de seguros de modo geral. Ela vem após a introdução da modalidade “liga desliga”, quando o seguro somente é acionado quando o motorista está usando o carro.

Na consulta pública a ser lançada nesta terça, também está prevista a possibilidade de segurar apenas parte do valor do veículo.

Para o presidente da Federação Nacional de Seguros Gerais (Fenseg), Antonio Trindade, a medida tem potencial para baratear o custo do seguro, mas o produto continuará sendo precificado de acordo com o perfil do motorista, idade, sexo, dentre outras condicionantes de risco.

Leia Também:  Petroleiros atacam Silva e Luna e pedem defesa contra privatização da Petrobras

O presidente da Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Ablas), Paulo Miguel Júnior, disse que será preciso um período de adaptação. Ele citou que ainda não está definido, por exemplo, como ficaria o caso de um cliente que tenha contratado seguro de um carro popular e queira alugar um veículo superior.

“Olhando pelo lado da oferta de produto vai ser muito bom. Porém, eu não sei se o custo dele vai ser viável, entre você acionar um seguro seu ou utilizar o seguro que a locadora já contrata, se o seguro da locadora não seria mais em conta. No primeiro momento, acho que vai ser um pouco complicado”, disse o executivo.

Ele disse ainda não ver problemas para as locadoras porque elas poderão verificar a existência do seguro e as condições do contrato.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Copom reajusta Selic para 9,25%, o maior índice desde 2017

Publicados

em


source
Copom reajusta taxa Selic em 1.5 ponto percentual
Fernanda Capelli

Copom reajusta taxa Selic em 1.5 ponto percentual

O Comitê de Políticas Monetárias (Copom) do Banco Central aprovou nesta quarta-feira (8) o reajuste da taxa básica de juros em 1,5 ponto percentual. Com a decisão, a Selic passará de 7,75% para 9,25% ao ano.

Essa é a maior taxa já registrada para a taxa Selic em quatro anos. A última vez que os juros atingiram esse nível foi em julho de 2017.

Em comunicado, o BC informou que o peso da inflação da economia do país influenciou em mais um aumento na taxa básica de juros. 

“Apesar do desempenho mais positivo das contas públicas, o Comitê avalia que questionamentos em relação ao arcabouço fiscal elevam o risco de desancoragem das expectativas de inflação, mantendo a assimetria altista no balanço de riscos. Isso implica maior probabilidade de trajetórias para inflação acima do projetado de acordo com o cenário básico”.

“Comitê entende que essa decisão reflete seu cenário básico e um balanço de riscos de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para as metas ao longo do horizonte relevante, que inclui os anos-calendário de 2022 e 2023. Sem prejuízo de seu objetivo fundamental de assegurar a estabilidade de preços, essa decisão também implica suavização das flutuações do nível de atividade econômica e fomento do pleno emprego”, completa o comunicado.

O CEO da iHUB Investimentos, Paulo Cunha, explica o aperto é necessário para tentar diminuir os efeitos na inflação, que ultrapassa a meta inicial prevista pelo Banco Central. 

“Estamos com a inflação bem acima da meta. No acumulado dos últimos 12 meses, atingimos os 2 dígitos, sendo que a meta da inflação é 3,5%. Toda vez que temos uma inflação longe da meta, o Copom precisa aumentar o juros para encontrar uma saída para controlar o índice inflacionários”, afirma. 

Leia Também:  Aumento da gasolina e do diesel nas refinarias passa a valer a partir de hoje

“Embora tenhamos que apertar o ritmo monetário para conseguir controlar a inflação, acredito que estamos em um ciclo final de aperto”,

Cunha explica que o reajuste voltará a impactar ainda mais na taxa de empréstimos e financiamentos.

“Se você pensa em comprar um imóvel ou fazer um financiamento, você recua, pois a conta ficará muito mais cara. Então impactará principalmente o setor imobiliário. Embora o setor ainda esteja bastante aquecido, esse reajuste poderá afetar os lançamento de imóveis e possibilidade de crédito para o consumidor”, explica.

Investimentos

A alta na Selic irá impactar fortemente nos investimentos nos próximos meses. A poupança, segundo especialistas, deve retomar o patamar antigo e obter melhor rentabilidade no mercado financeiro.

Leia Também

Leia Também

Leia Também

“Quando a taxa básica de juros sobe, os investidores passam a procurar por investimentos mais seguros, como a renda fixa. A poupança é um exemplo. Com o reajuste, ela deve passar a render mais que anteriormente”, afirma Paulo Cunha.

Os títulos prefixados também poderão apresentar reajustes positivos. Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial Investimentos, lembra que investimentos sem contabilizar Imposto de Renda poderá ser mais vantajoso neste momento.

“Se o cliente quiser investir em um prazo de no máximo um ano, vale buscar opções em que não há incidência de imposto de renda, como LCIs e LCAs de até 12 meses”, afirma.

“Por outro lado, há também a opção dos prefixados, mas o risco é as taxas subirem mais e quem comprou antes ficar com a sensação de que perdeu dinheiro. Se o investidor estiver com esse medo, o melhor é ajustar não a taxa, mas sim o prazo optando por um prefixado mais curto, por exemplo”, completa Costa.

Expectativa para 2022

Economistas acreditam que o Banco Central deve reajustar a taxa Selic acima dos 10% na primeira reunião de 2022, marcada para os dias 1° e 2 de fevereiro. Até março, os juros poderão atingir 12,25%.

Para Ettore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, acredita que essa taxa deve se manter durante todo o ano.

“Outras duas elevações de 150bps deverão iniciar 2022, conduzindo o juro para a terminal de 12,25% em março, 100bps abaixo do terminal que avaliamos condizente com a convergência e restabelecimento da credibilidade”, prevê o especialista.

“Os 12,25% de Selic deverão permanecer até o início de 2023, quando passarão a ser reduzidos até 7,5% na última reunião do ano”, ressalta.

Sanchez ainda acredita em alterações nas perspectivas de inflação, PIB e dólar.

“Com a nova trajetória o IPCA de 2022 sobe de 4,4% para 4,5% e de 2023 de 3,0% para 3,1%. O PIB para o biênio fica em, respectivamente, 0,5% e 2,6%, vindo de 0,5% e 2,5%. O câmbio segue na mesma perspectiva, de R$5,50/US$, tendo sua trajetória muito associada ao fiscal descalabrado”, completa.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA