(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Bradespar aprova pagamento de R$ 600 milhões em dividendos aos acionistas

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
Bradespar (BRAP4) aprova pagamento de R$ 600 milhões em dividendos aos acionistas
Fernanda Capelli

Bradespar (BRAP4) aprova pagamento de R$ 600 milhões em dividendos aos acionistas

Segundo comunicado enviado nesta segunda-feira (13), a Bradespar (BRAP4) aprovou um pagamento de R$ 600 milhões em dividendos. Porém, apenas acionistas posicionados até dia 15 de julho terão direito a quantia extraordinária.

Assim, do montante total, R$ 323,5 milhões são de uma fatia da conta “Reservas de Lucros-Estatutária”. Já os demais R$ 276,5 milhões, são o valor de dividendos obrigatórios para 2021.

Você viu?

Pagamento ainda este mês

O pagamento dos dividendos cairá na conta dos acionistas dia 26 de julho. Sendo assim, eles receberão R$ 1,618907527 por ação ordinária. Além disso, R$ 1,780798280 vai ser pago por ação preferencial. Desta forma, vale lembrar que não haverá retenção de Imposto de Renda (IR) na Fonte.

Para saber tudo, leia a  matéria completa em 1Bilhão.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Uber é acusada de banir 15 mil motoristas por cancelamento excessivo
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Bolsonaro pediu “banho frio”, mas Brasil consumiu mais energia em 2021

Publicados

em


source
Ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque
Reprodução

Ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque

Em 2021 o Brasil enfrentou a pior crise hídrica dos últimos 90 anos, o que acendeu um alerta no governo federal que decidiu apelar para a população pedindo que reduzisse o consumo de energia elétrica. O presidente Jair Bolsonaro chegou a sugerir  “banho frio” e uso de escadas ao invés de elevadores. O temor de apagões e racionamento, no entanto, não fez com que o brasileiro gastasse menos energia, segundo mostra um levantamento da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) divulgados nesta quarta-feira (19). 

O Brasil fechou o ano passado com consumo de energia 4,1% maior em relação ao ano anterior, alcançando 64.736 megawatts (MW) médios, mostra a CCEE.

“Com a retomada gradual da economia, em 2021 o consumo de energia elétrica mostrou recuperação em grande parte do País na comparação com o ano anterior”, escreve a entidade em nota.

“Retornamos ao ritmo habitual de crescimento do mercado de energia, o que nos mostra que a atividade econômica do país também está sendo retomada, após os períodos mais críticos de isolamento social e paralisações”, diz Rui Altieri, presidente do Conselho de Administração da CCEE, em comunicado .

Leia Também:  Guedes piora crise pessoal com Centrão após 'fugir' da Câmara em caso offshore

Veja o consumo por setor

A indústria automotiva foi o segmento com o maior aumento no consumo de energia no ano passado no mercado livre. Quando eliminados do cálculo as unidades consumidoras migradas para o ambiente nos últimos 12 meses, o setor de veículos apresentou uma alta de 21%. Em seguida, destacam-se o ramo têxtil, com crescimento de 20% e metalurgia e produtos de metal, com aumento de 12%.

Leia Também


Consumo por região

Na análise por regiões, em 2021 apenas o Acre, o Amazonas e o Mato Grosso do Sul registraram redução no consumo de energia, com recuo de 1% em ambos. Os demais estados avançaram, com destaque para o Ceará, Pará e Santa Catarina, além de Bahia, Paraná, Rio Grande do Norte e Sergipe. 


Ministro pediu redução em rede nacional. Relembre: 

Em agosto, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, pediu um “esforço inadiável” a todos os setores da economia para que reduzissem o gasto com energia. 

“Para aumentar nossa segurança energética, é fundamental que, além dos setores do comércio, de serviços e da indústria, a sociedade brasileira participe desse esforço, evitando desperdícios no consumo de energia elétrica. Com isso, conseguiremos minimizar os impactos no dia a dia da população”.

Leia Também:  Sebrae: pequenos negócios têm maior taxa de mortalidade


COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA