(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Avianca e Gol anunciam fusão e criam grupo Abra

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval

source
Avianca e Gol anunciam fusão e criam grupo Abra
Redação 1Bilhão

Avianca e Gol anunciam fusão e criam grupo Abra

Os acionistas controladores da linha aérea Avianca e a família Constantino, que controla a Gol, uma das maiores companhias aéreas do Brasil, criaram uma holding única que controlará as duas companhias, o que cria o maior grupo de aviação da América Latina.

O recém-criado Grupo Abra, holding de capital fechado sediada no Reino Unido, vai controlar Avianca e Gol quando a operação estiver concluída, o que os acionistas estimam que seja ainda neste ano. A união ainda precisa de aval de órgãos reguladores e concorrenciais.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

As operações de Avianca e Gol permanecem separadas por enquanto. Segundo as empresas, os passageiros poderão ter acesso a uma malha maior, resultado dda combinação entre os negócios, e poderão resgatar seus pontos tanto no programa de fidelidade Smiles, da Gol, quanto no Lifemiles, da Avianca.

O Grupo Abra também terá uma dívida conversível em participação minoritária da aérea chilena de low cost Sky Airline e uma participação não controladora da Viva na Colômbia e no Peru, ambas herdadas da Avianca. Segundo o anúncio da fusão, a holding ainda vai receber um aporte de US$ 350 milhões para fortalecer sua liquidez.

Leia Também:  Energéticas e Siderúrgicas estão na Carteira de Dividendos do BB

“Juntas, Avianca e GOL serão a base de uma malha pan-latinoamericana de companhias aéreas com o objetivo de ter o menor custo unitário em seus respectivos mercados, os programas de fidelidade líderes em suas regiões e outros negócios sinérgicos. Avianca e GOL continuarão mantendo independentes suas marcas, equipes e cultura, enquanto se beneficiam de maior eficiência e investimentos feitos pelo mesmo grupo controlador”, diz o comunicado.

Com o Abra, a ideia é ganhar escala e reduzir custos para as operações das companhias aéreas. O setor aéreo passa por sérias dificuldades desde a redução de demanda causada pela pandemia do coronavírus.

A Avianca, segunda maior empresa aérea da América Latina (fica atrás apenas do Grupo Latam), chegou a pedir recuperação judicial nos Estados Unidos, mas reestruturou suas dívidas e saiu do chamado Capítulo 11 (lei americana de falências e recuperações judiciais) no final de 2021. A empresa chegou aos 100 anos em 2020 e atualmente é controlada por Roberto Kriete, que fundou a aérea Taca e foi sócio dos irmãos Efromovich na Avianca. Como a Avianca fechou o capital em 2021, ainda não está claro qual é a participação atual de Germán e José Efromovich na aérea. Os irmãos, que foram controladores da falida Avianca Brasil, chegaram a controlar a Avianca colombiana.

Leia Também:  MP que facilita compra de casa por policiais é aprovada no Senado

Kriete será o presidente do conselho de administração do Abra, enquanto Constantino de Oliveira Junior será o diretor-executivo (CEO) do grupo.  Adrian Neuhauser, atual presidente da Avianca, e Richard Lark, atual diretor finaceiro da Gol, serão co-presidentes da holding e manterão suas atuais funções nas companhias aéreas.

Em nota, Constantino de Oliveira Junior, diz que o acordo “coloca as companhias aéreas do Grupo Abra em posição de liderança em viagens aéreas na América Latina – atendendo a uma população de mais de 1 bilhão de pessoas e um PIB de quase US$3 trilhões”.SÃO PAULO — Os acionistas controladores da linha aérea Avianca e a família Constantino, que controla a Gol, uma das maiores companhias aéreas do Brasil, criaram uma holding única que deverá controlar as duas companhias, o que cria o maior grupo de aviação da América Latina, como antecipou a Coluna Capital.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Ao menos 18 estados e o DF reduzem ICMS sobre combustíveis

Publicados

em

Os combustíveis têm parcela significativa de seu preço composto por impostos federais e estaduais, como o ICMS
FreePik

Os combustíveis têm parcela significativa de seu preço composto por impostos federais e estaduais, como o ICMS

Até amanhã deste domingo, pelo menos 18 estados mais o Distrito Federal já haviam anunciado a  redução do ICMS sobre os combustíveis, seguindo a lei federal que impôs um teto para o imposto a fim de arrefecer a alta dos preços e seu impacto para a inflação.

O governo federal aprovou lei que limita a alíquota de ICMS em 17% a 18% sobre combustíveis, energia, telecomunicações e transportes. Mas os estados articulavam um acordo para baixar o percentual conjuntamente. Onze deles entraram com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando a lei.

Entre os estados que já anunciaram cortes no imposto estão: Alagoas, Amapá, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, São Paulo, Amazonas, além do Distrito Federal.

O governador do Tocantins, Wanderlei Barbosa, afirmou na sexta-feira que o estado iria reduzir a alíquota, mas não mencionou prazo para a medida.

O governo do Acre anunciou, na sexta-feira, que mudou a base de cálculo para cobrança de ICMS em cima da gasolina, diesel e gás de cozinha. Sobre a mudança da porcentagem do ICMS, estado ainda aguarda decisão da ministra Rosa Weber.

Leia Também:  Consumo nos Lares Brasileiros  cresce 3,04% em 2021, aponta ABRAS

Em nota enviada ao site local “A Crítica”, o secretário da Secretaria de Estado de Fazenda do Amazonas (Sefaz-AM), Alex del Giglio, afirmou que o governo estadual reduziu a alíquota da gasolina e etanol de 25% para 18%.

Em Roraima, já havia ocorrido redução da alíquota sobre a gasolina e o álcool em fevereiro desde ano, de 25% para 17%.

Rio reduz para 18%

No Rio de Janeiro, o governo anunciou, na sexta-feira, a redução do ICMS sobre os combustíveis.

No estado — que tem a maior alíquota do país —, o percentual vai cair de 32% para 18%. Os novos preços passarão a valer nas bombas a partir da próxima segunda-feira. A estimativa é que o preço da gasolina baixe mais de R$ 1, segundo o governo.

Em São Paulo, postos da capital e região metropolitana já estão vendendo o litro da gasolina até R$ 1 mais barato do que estava sendo cobrado na semana passada. A queda nos preços é reflexo da redução da alíquota de ICMS estadual, que caiu de 25% para 18%.

No Nordeste, o Rio Grande do Norte publicou no Diário Oficial do estado, no sábado, que operações com gasolina e etanol combustível ficam tributadas pelo ICMS à alíquota de 18%.

A proposta também inclui operações com energia elétrica para consumidores nas classes residenciais, comerciais, de serviços e outras atividades que apresentem consumo mensal acima de 300 kWh e prestações de serviços de comunicação e televisão por assinatura.

Em postagem no Twitter, o governador do Amapá, Waldez Góes, publicou que o imposto passará de 25% para 18%.

Da mesma forma, o governador do Pará, Helder Barbalho afirmou que o estado baixou o percentual do  ICMS para 17%. No caso da gasolina, por exemplo, o preço deve cair de R$ 7,44 para R$ 6,50 o litro. A medida se será válida a partir da publicação do decreto estadual, que deve ocorrer na segunda-feira.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG .

Os preços da gasolina e do diesel tiveram recuo nesta semana, de acordo com dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Segundo a ANP, o preço do litro do diesel passou do recorde histórico R$ 7,568, na semana passada, para R$ 7,554. O recuo desta semana interrompe um ciclo de três altas consecutivas nos postos. Foi uma queda de R$ 0,014.

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA