(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

Apagão profissional: há vagas abertas, mas talentos estão fugindo do Brasil

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
Apagão profissional: há vagas abertas, mas talentos estão fugindo do Brasil
Darlan Helder

Apagão profissional: há vagas abertas, mas talentos estão fugindo do Brasil

Construir carreira tech no exterior sempre foi o objetivo dos brasileiros Felipe, Mariana e Marina. Mas eles não estão sozinhos: salário atraente, qualidade de vida, experiências culturais, entre outros fatores, levam muitos talentos de TI embora para os Estados Unidos e a Europa, sobretudo Holanda, Portugal e Alemanha. Essa fuga, porém, impacta diretamente as empresas nacionais e há um risco iminente de o Brasil passar por uma escassez de profissionais na área.

Segundo a Softex, uma organização social que atua para fomentar a transformação digital brasileira, o país pode registrar um déficit de quase 410 mil talentos já em 2022. Isso representa uma perda de R$ 167 bilhões para o setor. O Tecnoblog ouviu brasileiros que decidiram arriscar uma oportunidade em empresas no exterior. A reportagem também consultou especialistas para entender o porquê desse movimento e como as companhias nacionais podem reverter esse cenário de exportação em alta.

Especial apagão profissional em vídeo

Trabalhando com tecnologia fora do Brasil

Felipe Ribeiro Barbosa (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Felipe Ribeiro Barbosa (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Com passagens por empresas de tecnologia da Espanha, Suécia e dos Estados Unidos, Felipe Ribeiro Barbosa, 36, é um engenheiro de software que deixou o Brasil em 2010. Assim como muitos colegas de profissão, Ribeiro sempre quis se mudar para o exterior — ele só não imaginava que o sonhado “sim” viria tão rápido.

Formado em ciência da computação pela Universidade Federal de Campina Grande (Paraíba), o profissional relatou ao Tecnoblog que a busca por oportunidades lá fora começou ainda na vida acadêmica e os projetos paralelos de tecnologia desenvolvidos na época, junto à faculdade, também contribuíram para o processo seletivo.

Ele começou trabalhando em Madrid, na Tuenti, uma rede social espanhola que, felizmente, não é controlada por Mark Zuckerberg. Depois, ele passou sete anos no Spotify e atualmente é funcionário da Netflix, na Califórnia (EUA), onde vive com a mulher e os filhos.

“Enquanto estava na universidade, eu participava muito de eventos de software livre, de palestras, contribuições e também trabalhava como freelancer. Mas nunca trabalhei como CLT no Brasil, não como programador. E, na área da tecnologia, nunca fui empregado no Brasil. Eu era estudante de ciência da computação e tinha esse movimento de projetos paralelos à minha educação e isso foi encontrado por recrutadores da Tuenti, que estavam procurando profissionais de vários lugares, inclusive do Brasil. Na época, era a maior startup espanhola, estavam indo muito bem; assim como no Brasil muita gente usava o Orkut, a Tuenti era a rede popular na Espanha, antes do Facebook dominar o mundo”.

Felipe Ribeiro Barbosa, 36, engenheiro de software

Mariana Fomin (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Mariana Fomin (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

A analista de produto sênior, Mariana Fomin, 36, sempre se dedicou aos estudos e se orgulha do investimento feito ao longo dos anos; fez graduação, cursos e MBA. No Brasil, ela já prestava serviço para uma empresa canadense, ganhando em dólar, porém sentiu a necessidade de deixar o país; um objetivo que já vinha cogitando com o marido. Em janeiro de 2020, ela se mudou para a Holanda e hoje trabalha na Just Eat Takeaway, com sede em Amsterdã, um dos destinos favoritos para muitos profissionais da tecnologia.

A vida agitada em São Paulo foi um dos motivos que fez Fomin procurar uma oportunidade fora. Além disso, a impossibilidade de algumas companhias aqui no Brasil em não pagar um salário similar ao da empresa canadense também contribuiu para a tomada de decisão. A valorização dos holandeses é marcante: hoje, a analista de produto ganha 10 vezes mais que no Brasil, a qualidade de vida mudou, bem como a liberdade.

“Eu fiz várias coisas para deixar o meu currículo bom, mas parecia que não era suficiente. Na Holanda, por outro lado, como eu sou expatriada, existe todo um incentivo do governo para que as empresas locais tragam pessoas de fora, porque está faltando profissionais de tecnologia aqui. Então, eu tenho um salário-base maior do que o dos holandeses; faço parte de um programa ‘30% Ruling’, que significa que eu só pago imposto de renda sobre 70% do meu salário e isso é vigente por 5 anos. Os próprios holandeses não têm essas vantagens que os expatriados têm”.

Mariana Fomin, 36, Analista de produto sênior

Marina Limeira (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Marina Limeira (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Já na Alemanha, nós conhecemos a história da ex-Nubank Marina Limeira, 24. Ela é engenheira de software e reside no país europeu desde 2019, onde vive com o marido, que também trabalha com TI, e o filho pequeno que nasceu lá.

Leia Também:  CMO aprova relatório do Orçamento de 2022 com R$ 16,2 bi para emendas de relator

Mesmo morando na Europa, Limeira trabalha (remotamente) para uma empresa de tecnologia baseada no Arizona, Estados Unidos. Ela ainda é caloura e conta que está em um processo de adaptação em Berlim.

A profissional passou a infância no interior de Alagoas e sempre teve curiosidade em conhecer cidades grandes. Com isso também veio a vontade de deixar o Brasil para se aventurar por outras culturas ao redor do mundo. Hoje, é fluente em inglês, mas faz curso de alemão para conseguir ter uma “vida normal” em Berlim.

Ela é sincera ao dizer que passou e ainda passa por alguns perrengues na terra de Angela Merkel, até porque, diferentemente dos brasileiros, os europeus são mais frios. E isso fica ainda mais evidente no ambiente de trabalho. Assim como alertaram alguns especialistas ouvidos pelo Tecnoblog , Marina lembra que esse e outros percalços num país de cultura diferente fazem com que muitos talentos retornem ao Brasil.

“Primeiro surgiu essa curiosidade ‘como é viver fora da minha cidade?’, então cheguei a morar em São Paulo. Em segundo lugar, eu queria ver outra cultura, saber como é viver fora do Brasil. Aí eu me mudei para a Alemanha em 2019. A gente acha que lá fora é tudo melhor e maravilhoso. Não é verdade, até porque não sou daqui. Nós não sabemos a língua nem como as coisas funcionam. Você chega aqui e o mercado de tecnologia não necessariamente é melhor. Em Berlim tem muitas startups, mas se você comparar o nível técnico das pessoas em São Paulo e aqui, eu diria que em São Paulo é melhor, elas são bem mais esforçadas”.

Marina Limeira, 24, Engenheira de software

A escassez de profissionais de TI no Brasil

Até 2024, a demanda por talentos em TI será de 420 mil pessoas no Brasil (Imagem: Alex Kotliarskyi/Unsplash)
Até 2024, a demanda por talentos em TI será de 420 mil pessoas no Brasil (Imagem: Alex Kotliarskyi/Unsplash)

De acordo com a Brasscom (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), o Brasil injeta no mercado 46 mil profissionais de tecnologia por ano. Mas tudo isso não é suficiente. Eles acreditam que entre o período de 2018 a 2024, a demanda por talentos na área será de 420 mil pessoas. “Esses números despertam para a necessidade de formação de mão de obra qualificada no curto prazo”, alerta a Brasscom.

Muito se fala no apagão profissional na área de TI. Sarah Hirota, líder de pessoas e cultura da startup Fhinck, tem outra visão e acredita que o Brasil não deve sofrer uma grave escassez nos próximos anos como aponta a pesquisa da Brasscom. Contudo, ela admite que as empresas de tecnologia precisam sair da zona de conforto e se mexer, senão a procura por talentos será ainda mais difícil.

Para Brasscom (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), país pode viver um apagão na área (Imagem: Laura Davidson/Unsplash)
Para a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, país pode viver um apagão na área (Imagem: Laura Davidson/Unsplash)

“Eu acho que um apagão não. Se as empresas realmente acordarem, acredito que a própria solução para a escassez está aqui. É na formação, no investimento nos profissionais de entrada no mercado, é quebrar alguns paradigmas que nós temos. Então, a gente tem uma série de movimentações dessa questão da diversidade, de trazer mulheres para o mercado de tecnologia, precisamos investir em ações de formação de pessoas. Temos pessoas interessadas. Vai ter um apagão? Vai ter um apagão se a gente não der oportunidade para essas pessoas, e são pessoas que querem, tem vontade. Existem cursos e várias formas de desenvolver esses talentos. O apagão está na estratégia ‘só quero trazer profissionais seniores'”.

Sarah Hirota, Líder de pessoas e cultura da startup Fhinck

Um levantamento feito pelo Tecnoblog , com base nas informações extraídas com especialistas e talentos que vivem em outro país, mostra que os motivos que fazem esses profissionais de TI deixarem o Brasil são: a instabilidade política atrelada à situação socioeconômica, a necessidade em conhecer novas culturas, a qualidade de vida, sobretudo a segurança, e o salário mais vantajoso, dado que o real vem se desvalorizando.

Por que profissionais de TI estão deixando o Brasil (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)
Por que profissionais de TI estão deixando o Brasil (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)
Diogo Oliveira, cofundador da Landing.jobs (Imagem: Arquivo Pessoal)
Diogo Oliveira, cofundador da Landing.jobs (Imagem: Arquivo Pessoal)

Quem acompanha esse movimento de perto é o português Diogo Oliveira, cofundador da Landing.jobs, um marketplace de talentos que conecta desenvolvedores de vários lugares do mundo a empresas tech na Europa.

Leia Também:  Variante Delta faz empresas americanas manterem home office e máscaras

Em conversa com a nossa reportagem, ele conta que a crise na busca por pessoas em TI não só está acontecendo no Brasil, como bem alertou a Mariana Fomin. Oliveira ainda ressalta que temos bons profissionais e o Brasil, no geral, tem um histórico muito ligado à programação.

Ao Tecnoblog , a Landing.jobs revelou que a plataforma conta com 25 mil brasileiros ativos que estão à procura de trabalho fora. Até agora, eles já garantiram emprego para cerca de 400 pessoas do Brasil.

Diogo Oliveira salienta que Portugal é o mercado mais ativo dentro da Landing, em seguida vem o nosso país. No entanto, ele acredita que em apenas um ano o Brasil vai passar Portugal. As expectativas são altas.

“Um número muito interessante de compartilhar é que até a data de hoje nós já realocamos mais de 400 brasileiros para vários lugares. Os destinos mais procurados são, sem dúvida, Alemanha e Holanda. Sem dúvida. Também um pouquinho ali nos países nórdicos, mas muito, muito mais, a Holanda e a Alemanha – para além de Portugal, é claro”.

Diogo Oliveira, cofundador da Landing.jobs

Estudo da Boston Consulting Group (BCG) revela que muitos profissionais de TI preferem trabalhar em Londres (Imagem: Dylan Nolte/Unsplash)
Estudo da Boston Consulting Group (BCG) revela que muitos profissionais de TI preferem trabalhar em Londres (Imagem: Dylan Nolte/Unsplash)

O relatório Decodificando talentos digitais, produzido pela Boston Consulting Group (BCG) em 2019, mostra que 75% dos especialistas em tecnologia brasileiros e indianos estão abertos a oportunidades em outros países. Após ouvir 26.806 pessoas da área em mais de 180 países, a BCG concluiu que, respectivamente, Londres, Nova York, Berlim, Amsterdã, Barcelona e Dubai são as cidades mais procuradas por esses especialistas.

“Há muita qualidade no Brasil, reconhecida internacionalmente. E principalmente com estes novos fluxos de trabalho, remoto, mas também com esta vontade, este desejo — que eu sei que não é ótimo de ouvir para um brasileiro, mas —, é comum saber que há alguma instabilidade política, econômica, social, de saúde também. Então muita gente está à procura de soluções fora do Brasil. Então para nós é óbvio que vai haver uma explosão maior deste tipo de contratações e talentos na nossa comunidade”.

Diogo Oliveira, cofundador da Landing.jobs

Mas o que tem de especial em Amsterdã?

Muitos brasileiros estão trabalhando com tecnologia em Amsterdã (Imagem: Red Morley Hewitt/Unsplash)
Muitos brasileiros estão trabalhando com tecnologia em Amsterdã (Imagem: Red Morley Hewitt/Unsplash)

Agora precisamos falar da Holanda. Por que Amsterdã tem atraído tantos talentos brasileiros? A reportagem procurou a Embaixada do Reino dos Países Baixos em Brasília para obter mais informações e detalhes sobre a concessão de vistos para profissionais brasileiros em Amsterdã, mas fomos informados pela assessoria de imprensa que “infelizmente não há informações para disponibilizar”. Então recorremos aos especialistas.

Oliveira lembra que a Holanda é um dos países mais abertos para estrangeiros que lá querem trabalhar. Além disso, há muitos incentivos tanto das empresas quanto do governo, como bem contou a brasileira Mariana Fomin no início desta matéria. O custo de vida na Holanda também é mais alto, porém o salário que eles pagam tende a ser mais vantajoso em relação à Alemanha, por exemplo.

Acho que posso dizer que, para mim, é relativamente óbvio, há várias coisas, na verdade. O primeiro, é importante saber que a Holanda não é muito grande e Amsterdã não é um polo gigante. O interessante aqui é: a Holanda, desde cedo, foi um país mais aberto para atrair o talento internacional, sempre. Então foi, de longe, o primeiro país na Europa — mesmo antes do Reino Unido — a compreender que com o talento que tem domesticamente, não chega, tem que se abrir. E os esforços não foram só proativos no Brasil, o esforço foi “eu estou aberto a talento global”.

Diogo Oliveira, cofundador da Landing.jobs

Apagão profissional: há vagas abertas, mas talentos estão fugindo do Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Senado aprova marco legal do câmbio, que promete Real mais conversível

Publicados

em


source
Senado aprova marco legal do câmbio, que promete Real mais conversível
Fernanda Capelli

Senado aprova marco legal do câmbio, que promete Real mais conversível

O Senado aprovou nesta quarta-feira o projeto que propõe alterações na legislação cambial do país e amplia as possibilidades de abertura de conta em dólar no Brasil. O texto, aprovado em votação simbólica, segue para sanção presidencial.

A proposta foi enviada pelo Banco Central (BC) para o Congresso em outubro de 2019 e aprovada pelos deputados em fevereiro. Nove meses depois, os senadores também concordaram com a matéria e não fizeram alterações ao texto.

A aprovação desse texto é uma das etapas para tornar o Real mais conversível no exterior, um dos objetivos do BC. A ideia é facilitar que a moeda seja mais utilizada em outros países, além de auxiliar o trabalho de exportadores e importadores no país.

O projeto estabelece que compete ao Banco Central regulamentar as contas em moeda estrangeira no país. Na exposição de motivos do projeto, o BC destacou a possibilidade de “gradualmente e com segurança, expandir a possibilidade de pessoas físicas e jurídicas serem titulares de contas em moeda estrangeira no Brasil, a exemplo do que já é permitido nas economias avançadas e nas principais economias emergentes”.

“Cabe ressaltar, no entanto que, uma vez autorizado pelo Congresso Nacional, mediante a aprovação desse projeto de lei, essa permissão para ampliar o leque de contas em moeda estrangeira no Brasil será conduzida de forma gradual e prudente, alinhada ao processo de aprofundamento dos fundamentos macroeconômicos e financeiros da economia brasileira”, diz o documento assinado por Roberto Campos Neto, presidente do BC.

Leia Também:  Plano de celular mais caro? Veja como economizar

Dessa forma, a aprovação do projeto não possibilita a livre abertura de contas em moedas estrangeiras de imediato, mas dá ao BC a prerrogativa de regulamentar o processo.

No relatório, o senador Carlos Viana (PSD-MG) defende que a possibilidade que pessoas físicas e empresas abram conta em moeda estrangeira aproxima o Brasil de práticas comuns em economias desenvolvidas e pode aumentar a eficiência em algumas situações.

“Por exemplo, empresas que fornecem insumos a empresas exportadoras eventualmente poderiam ter contas em moeda estrangeira, o que permite a realização de um hedge natural para as empresas exportadoras que têm receitas em moeda estrangeira. Isso reduz custos para as empresas no mercado brasileiro que pertencem à cadeia produtiva do mercado exportador ou importador, aumentando a eficiência cambial e, em última instância, beneficiando o consumidor”, apontou o relator.

Leia Também

Atualmente, as contas em moeda estrangeira já são permitidas em alguns casos, como o de agentes que operam no mercado de câmbio, emissores de cartão de crédito internacional e prestadores de serviço de turismo.

Exportação

Na avaliação do relator do projeto no Senado, o projeto aprovado simplifica o uso da moeda brasileira no exterior e promove um ambiente propício para facilitar a conversibilidade do Real.

“A conversibilidade contribui para reduzir os custos de captação (juros pagos para emissão de dívida) tanto para o setor público quanto privado. Além disso, permite aprofundar a integração financeira e beneficia as empresas nacionais com relacionamentos com o exterior e as entidades que realizam transações com o Brasil”, diz no relatório.

Uma das alterações no sentido de simplificar as operações de câmbio é a determinação de que as instituições que operem no mercado não precisarão exigir dos clientes dados ou certidões que estejam disponíveis em bases de dados próprias, públicas ou privadas de acesso amplo.

Para o setor de comércio exterior, o projeto permite eliminar algumas restrições dos exportadores no uso de recursos mantidos em países estrangeiros.

Além disso, compra ou venda de moeda estrangeira em espécie no valor de até US$ 500 entre pessoas físicas serão mais simples e não precisarão passar pelas exigências regulatórias do Banco Central.

O texto ainda muda o limite de entrada ou saída de recursos em espécie de R$ 10 mil para US$ 10 mil sem a necessidade de declaração. A ideia é atualizar o valor, já que o limite foi criado em 1994, início do Plano Real, quando o Real tinha o mesmo valor do dólar.

Mais conversibilidade

A maior internacionalização do Real é um dos pilares da agenda de inovação do Banco Central na atual gestão. O projeto vem sendo defendido pelo presidente da instituição, Roberto Campos Neto, como uma etapa necessária para modernizar o sistema financeiro no país.

Em suas apresentações, Campos Neto costuma citar o Open Banking, o Pix e a inovação da moeda como fatores relevantes para simplificar, internacionalizar e aprimorar a conversibilidade do Real, o que resultaria, em um momento futuro, na moeda digital.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA