(65) 99638-6107

CUIABÁ

Dinheiro na mão é vendaval

70% dos bancários da Caixa trabalham expostos diretamente à Covid-19

Publicados

Dinheiro na mão é vendaval


source
Fila do banco
Rovena Rosa/Agência Brasil

Fila do banco


Cerca de 70% dos bancários da Caixa Econômica Federal ouvidos na pesquisa “ Covid-19 como uma doença relacionada ao trabalho” atuam em agências e outras unidades do banco público onde faltam ventilação, janelas ou abertura para o ambiente externo. Os empregados também informam que há contato próximo com colegas e clientes, em menos de dois metros de distância. Há, ainda, registros de falta de máscaras em número suficiente para trocas periódicas.

O estudo também investiga se os empregados da estatal contraíramo novo coronavírus no trabalho. Cerca de 40 bancárias e a mesma quantidade de bancários responderam que se contaminaram na Caixa Econômica. Eles estão na faixa etária de 30 a 39 anos e representam o grupo com maior número de trabalhadores adoecidos.


Estas são as primeiras conclusões da pesquisa, conhecida como “Dossiê Covid”. Os empregados da Caixa participam da investigação por meio de acordo de cooperação entre a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae) e a Associação de Saúde Ambiental e Sustentabilidade (Asas). O estudo é desenvolvido por instituições acadêmicas renomadas, como as universidades de São Paulo (USP), Estadual Paulista (Unesp) e Federal do Pará (UFPA).

“As conclusões iniciais do Dossiê deixam claro que a realidade em diferentes unidades da Caixa está na contramão das principais recomendações sanitárias para se evitar o contágio pelo coronavírus: distanciamento social, uso constante de máscara e locais com circulação de ar adequada”, ressalta o presidente da Fenae, Sergio Takemoto. No banco público, 628 trabalhadores já foram entrevistados pela pesquisa nacional, cujo objetivo é dar visibilidade à relação entre a atividade profissional e o adoecimento por contaminação pela covid-19. Além dos bancários da Caixa, outras categorias profissionais participam do estudo.

Leia Também:  Rodovias federais não possuem mais interdições, diz Infraestrutura

Vacina já

O Decreto 10.329/2020 incluiu os bancários entre os trabalhadores considerados essenciais. Desde então, os empregados da Caixa Econômica Federal reivindicam a entrada no grupo de vacinação prioritária pelo Plano Nacional de Imunização (PNI) do SUS.

Você viu?

Só este ano, a Fenae enviou dois ofícios ao Ministério da Saúde. “É importante lembrar que os bancários da Caixa estão mais expostos à contaminação pela covid-19 porque, desde o início da pandemia, permanecem na linha de frente do pagamento do auxílio emergencial e de outros benefícios sociais para mais da metade da população”, observa Takemoto.

A pesquisa

O estudo começou em novembro do ano passado. No entendimento da médica e pesquisadora Maria Maeno — doutora em Saúde Pública pela USP e uma das integrantes do grupo de especialistas que atuam na investigação — a pesquisa com os empregados da estatal tem um peso maior, já que grande parte deles manteve o trabalho presencial para o pagamento dos benefícios sociais, durante toda a pandemia.

“A pesquisa pode fundamentar a tese de que todos os bancários da Caixa que se expuseram ao vírus e/ou foram infectados por covid-19, em virtude da atuação profissional, devem ter o trabalho reconhecido como causa presumida”, explica a pesquisadora. “A voz dos empregados tem que ser ouvida por todos. Eles têm que dar a sua narrativa de como trabalharam e trabalham, em quais momentos eles perceberam os perigos da doença e quais foram as providências tomadas pelas empresas para que eles fossem protegidos”, destaca Maeno.

Leia Também:  Veja as regras do Pix Saque e como funcionará programa para lojistas e clientes

“A participação dos bancários é fundamental para que os pesquisadores contribuam com a criação de projetos que possam melhorar as condições de trabalho na Caixa em relação à prevenção da doença e à redução dos impactos da covid-19”, acrescenta o presidente da Fenae.

Dossiê e documentário

O estudo tem a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Medicina da Unesp e o apoio do Ministério Público do Trabalho (MPT) de Campinas (SP). O objetivo da pesquisa é produzir um “dossiê” sobre os trabalhadores e a pandemia nos seus diferentes aspectos (por meio de números e histórias sobre falecidos e sobreviventes, por exemplo), além de um documentário. 

A expectativa dos pesquisadores é que os dados levantados possam contribuir para a proposição de ações de enfrentamento à doença e promoção da saúde do trabalhador, como também de medidas em defesa dos direitos dos empregados, em casos necessários.

Protocolos Sanitários

A Comissão Executiva dos Empregados da Caixa Econômica Federal (CEE/Caixa), que assessora a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) nas negociações com o banco, encaminhou ofício à direção da empresa para uma reunião sobre o cumprimento rigoroso dos protocolos sanitários nas unidades da estatal. A proposta da CEE é que a reunião ocorra entre os próximos dias 7 e 11. 

“O número de casos [de contaminação por covid-19] voltou a subir e é alarmante”, afirma a coordenadora do colegiado e secretária de Cultura da Contraf, Fabiana Uehara. “É preciso ampliar os critérios de proteção para os bancários que estão trabalhando presencialmente; em especial, daqueles que estão nas agências, onde mais ocorrem aglomerações”, defende Uehara.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Sem passagem no Congresso, reforma do IR pode vir via MP

Publicados

em


source
Relator da reforma do IR no Senado, Angelo Coronel
Geraldo Magela/Agência Senado

Relator da reforma do IR no Senado, Angelo Coronel

Conforme cresce a rejeição à proposta de reforma do Imposto de Renda no Senado, a Comissão de Assuntos Econômicos tenta bolar uma saída para evitar pontos de discordância no texto. Com isso, sugerem ao governo feral uma Medida Provisória (MP) que contemple a ampliação da faixa de isenção de R$ 1.903,98 para R$ 2,5 mil e preveja uma correção dos valores.

Segundo o colunista Lauro Jardim, a ideia é que a MP sirva como um “plano B” caso o projeto do IR seja mesmo reprovado no Senado. A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) pede que alterações sejam feitas no texto para não desagradar o mercado ou estados e municípios.

Apesar da pressa do governo em aprovar logo a reforma do IR, o relator da proposta no Senado, Ângelo Coronel (PSD-BA), diz que precisa ainda avaliar dois pontos sensíveis  do texto: a tributação de dividendos e a extinção dos Juros sobre Capital Próprio (JCP), modalidades de remuneração das empresas aos seus acionistas.

Coronel afirmou que devido aos impasses a votação só deve acontecer só em 2022 , portanto, uma maneira de acelerar a aprovação do reajuste da faixa de isenção seria via MP, que tem poder de lei e vale durante 60 dias, podendo ser renovada por mais 60 até ser avaliada pelo Congresso.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA