Dilma mostra alegria na TV, no programa do PT: “Somos um país que cresce com distribuição de renda e inflação controlada. E vamos continuar sendo”, disse a presidente. Lula, Alexandre Padrilha, Rui Falcão e os governadores Jacques Wagner (Bahia), Agnelo Queiroz (Distrito Federal), Tarso Genro (Rio Grande do Sul), Tião Viana (Acre) também reforçaram compromissos do PT com os mais pobres. Veja aqui o programa.

A presidente Dilma e o presidente Lula, lideranças maiores do Partido dos Trabalhadores

A presidente Dilma e o presidente Lula, lideranças maiores do Partido dos Trabalhadores

Lula, Dilma e Padilha protagonizam programa do PT na TV

A cerca de um ano de tentar se reeleger, a presidente Dilma Rousseff adotou o mote “vamos continuar sendo” no programa do PT transmitido em rede nacional de TV nesta quinta-feira, que focou o programa Mais Médicos e os dez anos do Bolsa Família, principais bandeiras da década em que o partido está à frente do governo federal.

O programa teve a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defendeu o Bolsa Família, e do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, provável candidato ao governo de São Paulo no ano que vem, que falou sobre o Mais Médicos.

Padilha teve participação mais destacada no programa petista do que os governadores Jacques Wagner (Bahia), Agnelo Queiroz (Distrito Federal), Tarso Genro (Rio Grande do Sul), Tião Viana (Acre) e o presidente do PT, Rui Falcão.

A presidente afirmou que o Brasil é um país que tem criado empregos, que tem reduzido a desigualdade, sempre com o mote “vamos continuar sendo” acompanhado de outras vozes além da de Dilma. “Somos um país que cresce com distribuição de renda e inflação controlada. E vamos continuar sendo”, disse Dilma.

O programa na TV, que atribuiu a viabilidade do Bolsa Família e do Mais Médicos à “alma guerreira e coração apaixonado do PT”, também teve uma defesa enfática de Lula do programa de transferência de renda.

“No Brasil, quando o dinheiro vai para o mais rico, dizem que é investimento. Quando vai para o mais pobre, dizem que é gasto, que é esmola. Tem políticos que até hoje defendem cortar a verba do Bolsa Família, são os mesmos que ficam falando que é preciso oferecer porta de saída”, disse o ex-presidente.

“Quer saber? Deixa eles falarem, porque o Bolsa Família é como um bolo. Quanto mais bate, mais ele cresce”, acrescentou.

Categorias:Jogo do Poder

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

3 × dois =