PREFEITURA SANEAMENTO

DEU NO OLHAR DIRETO: Juiz Michel Lofti assume com juiz eleitoral em Barra do Garças. Acusada pelo promotor Marcos Brant e pelo advogado Sandro Saggin, presidente da sub-seção da OAB, de atuar como “engavetadora”, a juiza Rosângela Zacarkim foi afastada pelo TRE

Juiz Michel Lotfi Rocha

Juiza eleitoral é substituída após denúncias da OAB de que estaria demorando a julgar ações eleitorais

Ronaldo Couto
OLHAR DIRETO

A juíza eleitoral de Barra do Garças, Rosângela Zacarkim dos Santos, foi substituída pelo juiz Michel Lotfi Rocha da Silva após denúncias da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-BG) de que os processos eleitorais por captação ilícita de votos e prestação de contas estariam parados na 9ª zona eleitoral.

A denúncia foi formulada pelo presidente da OAB-BG, Sandro Saggin, que esteve pessoalmente com o presidente do TRE-MT, desembargador Rui Ramos, e encaminhou documento dia 30/11 para o corregedor do TRE, desembargador Gerson Ferreira Paes, reclamando que a juíza estava sendo morosa no andamento das ações que implicaria na lisura do processo eleitoral da cidade.

Juiza Rosângela Zacarkim

Depois da denúncia, coincidentemente um dia após a diplomação dos eleitos, foi publicado no diário oficial a saída da juíza Rosângela e a nomeação de Michel para o cargo.

Sandro explica que decidiu procurar a corregedoria do TRE após uma conversa com o promotor Marcos Brant, em novembro, onde o representante do MPE queixou-se da morosidade no tramite dos processos eleitorais verificados com o pleito de 7 de outubro e que alguns sequer tiveram as instruções como oitivas de testemunhas ou candidatos denunciados por crimes de captação ilícita de votos e prestação de contas após as eleições. “O que aconteceu na comarca de Barra foi um absurdo e por isso decidimos procurar a corregedoria do TRE” frisou Sandro.

O presidente da OAB-BG, que foi candidato a vice-prefeito, alega que sua posição é institucional (em nome da OAB) e não há críticas pessoais a quem quer que seja, nem à juíza e nem a qualquer candidato. E que entende que a sociedade não pode ficar na insegurança de haver qualquer dúvida sobre o processo eleitoral que aconteceu na cidade.

Sandro conta que ouviu do corregedor a informação que a zona eleitoral de Barra do Garças foi a que mais registrou procedimentos após a eleição, porém seria a que menos teria realizado instruções (oitiva de testemunhas, etc.) até o dia que enviou o ofício 30/11.

O documento foi endossado também pela seccional da OAB representada pelo advogado Silvio Telles, presidente da Comissão de Direito Eleitoral da OAB/MT.

Sandro teme que os processos caiam no esquecimento e que as testemunhas desistam de depor nas ações. “Essa foi a reclamação do promotor para mim”, frisou o advogado. O promotor Marcos Brant que durante a diplomação dos eleitos dia 18/12 fez um desabafo sobre as ameaças que sofreu de advogados ou até mesmo candidatos durante o processo eleitoral e reiterou que alguns candidatos teriam que ser julgados ainda.

Brant denunciou que foi espionado durante a campanha, porém não falou por quem e qual seria o interesse que estava por trás desta espionagem. Na representação da OAB-BG ao corregedor são mencionadas mais de vinte ações apresentadas pelo MPE. O novo juiz eleitoral de Barra, Michel Lotfi, pelo jeito terá muito trabalho em fevereiro quando termina o recesso forense.

———————–

Juíza rebate críticas de morosidade sobre apuração de processos eleitorais

Ronaldo Couto
OLHAR DIRETO

juíza Rosângela Zacarkim dos Santos rebateu as críticas do presidente da subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-BG), Sandro Saggin, sobre possível morosidade na apuração das ações de crimes eleitorais em Barra do Garças. A magistrada taxou de maldosa a denúncia do presidente da OAB e que no entendimento dela estaria havendo um uso político da instituição, pois Sandro foi candidato a vice-prefeito na eleição passada.

“A maioria das ações já foi sentenciada e algumas estão dentro do curso normal”, ponderou. A juíza fez questão de frisar que está saindo de cabeça erguida da comarca de Barra. “Aqui eu recebi moções de aplausos da Câmara Municipal pela minha conduta e recebi até mesmo um documento de elogios do promotor Marcos Brant”, destacou.

Todavia o presidente da OAB-BG não vê desta forma e encaminhou um documento a corregedoria do TRE-MT onde reclama de morosidade na tramitação das ações em Barra do Garças. O documento foi protocolizado dia 30 de novembro. Sandro explica que decidiu tomar essa atitude após uma conversa com o promotor Marcos Brant, em novembro, onde o representante do MPE queixou-se da tramitação dos processos eleitorais.

Sandro alega que a sua posição é institucional (em nome da OAB) e não há críticas pessoais a quem quer que seja, nem à juíza e nem a qualquer candidato. E que entende que a sociedade não pode ficar na insegurança de qualquer dúvida sobre o processo eleitoral.

Sandro conta que ouviu do corregedor a informação de que a zona eleitoral de Barra do Garças foi a que mais registrou procedimentos após a eleição, porém seria a que menos teria realizado instruções (oitivas de testemunhas, etc.) até o dia 30/11 quando enviou o ofício.

FONTE OLHAR DIRETO

4 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.3.254.100 - Responder

    BARRA DO GARCAS é a rota de fuga de TORIXORÉU, nao será mesmo? Esse mulequinho aí acha que ninguém se lembra. Esperemos só até que saltem as verdades do passado. Continue e logo verá!

  2. - IP 177.3.254.100 - Responder

    …..ahhhhh me esqueci: tinha uma menina que era “empregada” da Prefeitura e estudava no Sul de Minas Gerais….hummmmmmm nao contavam com minha astúcia…..

  3. - IP 177.41.90.20 - Responder

    A juiza ta de ferias so isso. Quanta bobagem institucional. Virou moda os politicis quererem a todo o custo reverter a derrota das urnas. Hohihihihihihi

  4. - IP 177.215.26.134 - Responder

    FALA AÍ PRA GENTE XOMANO !!!!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

onze − sete =