Desembargadora Selene Almeida, do TRF1, manda que Polícia Federal devolva a pistola de Julier e outros bens do juiz federal que teriam sido apreendidos desnecessariamente durante a Operação Ararath. A busca e apreensão, segundo o advogado Fernando Henrique Nogueira, pode ter sido feita para denegrir a imagem de Julier. LEIA A DECISÃO

Desembargadora Selene Almeida manda PF devolver bens do juiz Julier Sebastião by Enock Cavalcanti

Graças a uma decisão da desembargadora Selene Almeida (à direita), do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, o juiz federal Julier Sebastião, retomou a posse de sua pistola e de outros bens que haviam sido apreendidos desnecessariamente pela Policia Federal, durante uma incursão bastante questionada e questionável orientada pela Ministério Público e executada pela Policia Federal na residência e no gabinete do respeitado magistrado, durante a Operação Ararath que continua cercada de um mistério inexplicado, submetida, todavia, a vazamentos seletos de informações através de fontes até aqui não identificadas.  Para o advogado de Julier, Fernando Henrique Nogueira, a busca e apreensão patrocinada contra Julier não teve outra razão de ser que não fosse desgastar a imagem do magistrado

Graças a uma decisão da desembargadora Selene Almeida (à direita), do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, o juiz federal Julier Sebastião, retomou a posse de sua pistola e de outros bens que haviam sido apreendidos desnecessariamente pela Policia Federal, durante uma incursão bastante questionada e questionável orientada pela Ministério Público e executada pela Policia Federal na residência e no gabinete do respeitado magistrado, durante a Operação Ararath que continua cercada de um mistério inexplicado, submetida, todavia, a vazamentos seletos de informações através de fontes até aqui não identificadas. Para o advogado de Julier, Fernando Henrique Nogueira, a busca e apreensão patrocinada contra Julier não teve outra razão de ser que não fosse desgastar a imagem do magistrado

SEM RISCO

PF terá de devolver bens apreendidos de juiz

Por Elton Bezerra
CONSULTOR JURÍDICO

 

A desembargadora Selene Maria de Almeida, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, determinou a devolução parcial de bens apreendidos pela Polícia Federal na casa e no gabinete do juiz federal Julier Sebastião da Silva, da 1ª Vara de Cuiabá (MT). Em novembro do ano passado, ele foi alvo de dois mandados de busca e apreensão executados pela Polícia Federal, durante a segunda etapa da operação ararath, de combate a crimes contra o sistema financeiro no estado do Mato Grosso.

A desembargadora Selene decidiu devolver ao juiz federal alguns objetos que, em seu entendimento, não têm relação com a investigação nem são capazes de comprometê-la. São eles: uma pistola e munição, que estavam legalmente em posse de Sebastião da Silva; um token, como é chamado um dispositivo usado na assinatura de processo eletrônico —o equipamento não armazena dados. Quanto ao laptop, ao tablet e ao smartphone do juiz, a polícia deverá fazer uma cópia do conteúdo e também devolvê-los. Os demais objetos permanecerão apreendidos.

“Defiro parcialmente a liminar requerida, autorizando a restituição condicionada à manifestação expressa de ciência e concordância por parte impetrante dos espelhamentos e acesso integral às informações existentes nos bens, cuja utilização e utilidade para o processo de apuração levado a efeito estão subordinados ao prudente exame do desembargador federal relator”, disse a desembargadora.

Operação

Segundo a PF, um grupo sediado em Várzea Grande utilizava empresas de factoring (fomento mercantil) como fachada para concessão de empréstimos a juros a pessoas físicas e jurídicas. Essas empresas têm natureza estritamente mercantil e atuam principalmente na assessoria e de compra de títulos de crédito, e não podem exercer funções exclusivas de instituição financeira. Sebastião da Silva é suspeito de ter favorecido uma construtora em uma sentença de março de 2012.

De acordo com a imprensa local, a defesa de Sebastião da Silva diz que a ação da PF visa “denegrir” a imagem do juiz, que, nos últimos meses conversou com lideranças políticas sobre uma eventual candidatura a governador do estado neste ano.

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 179.216.205.163 - Responder

    torço para que o juiz julier se livre de todos estes problemas e seja candidato a governador. mato grosso merece um homem desse calibre.

  2. - IP 177.144.9.39 - Responder

    Pois então caro jornalista Enock, uma operação deste porte não deveria ser velada pela mídia, como tem sido. Quanto ao juíz Julier que me perdoe. Mas em suas operações jamais devolveu nada e ainda, destrói famílias. Duas operações de sucesso: caso Arcanjo e o Rombo dos Máquinários. A ultima, ainda tenho minhas dúvidas. Esse e mais no máximo 3 disputaram o Governo?! Lastimável a falta de opção. Todos farinha do mesmo saco.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

18 − catorze =