Desembargador Paulo da Cunha, presidente do TJ, autoriza nomeação de 168 aprovados.

Paulo Cunha, desembargador e atual presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso

Paulo Cunha, desembargador e atual presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso

Presidente do TJ autoriza nomeação de 168 aprovados

O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Paulo da Cunha, autorizou a nomeação imediata dos 168 aprovados no último concurso para servidores. As nomeações contemplarão o Provimento de Cargos de Primeira e Segunda Instâncias do Poder Judiciário do Estado.

O Departamento de Recursos Humanos do TJMT já está trabalhando para dar início à convocação de todos os 46 analistas, 33 técnicos e três distribuidores, contadores e partidores para a Primeira Entrância, 20 analistas e 11 técnicos para a Segunda Entrância e 17 analistas e dois técnicos para a Terceira. A Entrância Especial será contemplada com 19 analistas e seis técnicos e a Secretaria do Tribunal de Justiça terá mais oito analistas e três técnicos.

O presidente do TJMT explica que com a nomeação e posse o Poder Judiciário reafirma o compromisso com a garantia da adequada prestação jurisdicional à sociedade mato-grossense. O investimento já está incluído no orçamento da instituição e não compromete a observância do limite de gastos com pessoal imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). “Com certeza é um ganho para a sociedade, pois o Poder Judiciário amplia a sua capacidade de atendimento, em especial no Primeiro Grau de Jurisdição”, explica.

Segundo a vice-diretora-geral do TJMT, Vânia Monteiro da Silva, assim que forem publicados os atos, os aprovados têm até 30 dias corridos (improrrogáveis), para preparem a documentação e tomar posse na comarca para qual realizaram o concurso.

Os novos servidores vão passar por uma capacitação na Escola dos Servidores, que envolve a integração e socialização à estrutura organizacional do Poder Judiciário, procedimentos, rotinas de trabalho e ferramentas tecnológicas, em conformidade com minuta proposta pela vice-diretora-geral.

O concurso, realizado em 2015, foi homologado no mês de julho deste ano e tem validade de dois anos, podendo ser renovado por igual período. Os candidatos classificados podem ser chamados dependendo da necessidade e da disponibilidade financeira do Poder Judiciário Estadual.

 

FONTE PONTO NA CURVA

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.13.82.248 - Responder

    Teve tanto tempo e não fez.porquê será pensou que fazendo agora ganharia a eleição? Parece que não deu certo né..

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

sete + dezesseis =