DESCARTADA A GREVE NA COPA: Vitória de PMs e bombeiros de Mato Grosso. Assembleia com cerca de 1.200 participantes festeja concessões feitas pelo Governo do Estado que, de início, nem queria negociar. Além da reestruturação salarial, militares avançaram em sua organização, fortalecendo suas associações de luta.

Maioria de PMs e bombeiros respaldou negociação que suas associações conduziram junto ao Governo do Estado, descartando a proposta de greve no período da Copa do Mundo em Cuiabá. Fotos de Vanessa Moreno/Assof/Assoade/ACS

Maioria de PMs e bombeiros respaldou negociação que suas associações conduziram junto ao Governo do Estado, descartando a proposta de greve no período da Copa do Mundo em Cuiabá. Fotos de Vanessa Moreno/Assof/Assoade/ACS

PMs assembleia mesa sala lotada

O sindicalismo do serviço público acaba de ganhar três novas associações que tem tudo para pontificar no cenário das lutas dos trabalhadores em Mato Grosso. Trata-se da ACS-MT (Associação dos Cabos e Soldados), da Assoade (Associação dos Sargentos e Sub-Tenentes) e da Assof (Associação dos Oficiais) que unificando as suas demandas e fortalecendo a organização independente dos policiais militares e dos bombeiros militares, em nossos quartéis, não só se impõe diante da estrutura do Governo do Estado como também passam a dar uma importante contribuição para o movimento nacional da categoria, que vem ganhando força em diversos estados brasileiros e questiona os limites até aqui impostos à livre organização sindical dos militares.

Nesta terça-feira, com o auditório do Hotel Fazenda Mato Grosso lotado por mais de 1.200 homens e mulheres militares e militantes, PMs e bombeiros aceitaram a proposta construída conjuntamente com os negociadores da administração Silval Barbosa, durante a longa tarde de negociação no gabinete do governador, na segunda-feira. Desde abril deste ano, as Associações de Oficiais, de Cabos e Soldados e de Subtenentes deram início ao movimento que cobrava a reestruturação. O governo recusou-se, durante várias semanas, a sequer sentar na mesa mas dois meses depois, acabou cedendo à pressão organizada destes trabalhadores fardados.

Os dados completos das conquistas serão divulgados nas próximas horas, nos saites das associações, com o detalhamento do impacto da reestruturação salarial. O que se comemora é que, com a proposta aprovada, o salário de um praça da PM e do Corpo de Bombeiros, por exemplo, que é, atualmente, de cerca de R$ 3 mil chegará a R$ 3,9 mil. Os percentuais pagos aos subtenentes devem ter reajuste da ordem de 38%. A luta de fundo das associações, expressa nesse processo de negociação que ainda será mantido, é para que seja reduzida, paulatinamente, a enorme distância que separa o salário dos praças dos salários dos coronéis.

De qualquer forma, no comando da assembleia desta terça-feira, o major Wanderson Nunes de Siqueira, da Assof, alertava para o fato de que, depois desta negociação, o ganho dos militares em Mato Grosso deixa de ser o pior do Centro Oeste e passa a ficar em uma posição mediana em relação ao ganho dos militares dos demais Estados. O Distrito Federal segue sendo o governo que melhor remunera seus PMs e bombeiros, “mas a nossa luta não parou, vamos continuar mobilizados para avançar em nossas conquistas”, garantia o major.

Na assembleia, prevaleceu o espírito da negociação, criteriosamente comandada pelas associações da categoria. A proposta derrotada no encontro apontava para a rejeição do acordo negociado até aqui com o governo. A tese majoritária foi a tese defendida pelas associações de que “em Mato Grosso estabelecemos conquistas sem a necessidade de fazer um piquete, sem que nenhum dos nossos companheiros tivesse que enfrentar sequer uma advertência em seu quartel”, conforme argumentação das principais lideranças.

Cabo Adão, da Associação de Cabos e Soldados, no comando da assembleia

Cabo Adão, da Associação de Cabos e Soldados, no comando da assembleia

O vereador coronel Taborelli atento no plenário da assembleia de PMs e bombeiros

O vereador coronel Taborelli atento no plenário da assembleia de PMs e bombeiros

Em 3 horas de reunião, uma platéia compacta, atenta a todas as intervenções

Em 3 horas de reunião, uma platéia compacta, atenta a todas as intervenções

—————

LEIA COMUNICADO OFICIAL DAS ASSOCIAÇÕES DE PMs E BOMBEIROS SOBRE AS DECISÕES DA ASSEMBLEIA

POLICIAIS E BOMBEIROS DECIDEM ACEITAR PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO SALARIAL APRESENTADA PELO GOVERNO

A Associação dos Oficiais (ASSOF), dos Sargentos, Subtenentes e Oficiais Administrativos (ASSOADE), dos Cabos e Soldados (ACSPMBM-MT) e dos Militares Inativos e Pensionistas (ASSMIP) informam aos policiais e bombeiros militares de Mato Grosso, que não puderam se fazer presente na Assembleia Geral realizada na data de ontem (10.06.2014) que por maioria absoluta, os militares estaduais Matogrossenses decidiram aceitar a contra proposta de reestruturação salarial apresentada pelo Governo do Estado, desde que os prazos para efetivação da proposta sejam readequados conforme o prazo estipulado pela categoria.

Segue abaixo alguns destaques da reestruturação salarial proposta pelo Governo do Estado:

1 – Definição da progressão horizontal para todos os postos e graduações em três níveis, organizados de 10 em 10 anos de serviço, exceto para o soldado que permanecerá com o interstício atual de 0 a 3 anos, de 3 a 5 anos e acima de 5 anos.

2 – Aumento da proporcionalidade entre a remuneração do Subtenente e a do Coronel de 36 para 38%.

3 – Conclusão da reestruturação salarial no prazo máximo de um ano e meio, através de três parcelas, sendo uma em outubro de 2014, outra em maio de 2015 e a última em dezembro de 2015.

4 – A organização da carreira, com progressão vertical e horizontal proporcionará um ganho remuneratório médio, na ordem 30%, no período de um ano e meio para todos os postos e graduações.

5 – Atendimento em parte do pedido de equiparação entre as carreiras da Polícia e Bombeiro Militar com outras da Segurança Pública, reduzindo com isso, as distancias remuneratórias.

Por derradeiro destacamos que de maneira democrática, foi oportunizado aos militares presentes na assembleia, a discussão e apresentação de outras propostas, que no momento, não foram aceitas pela categoria. Os detalhes em relação aos valores, datas e prazos da reestruturação, os policiais e bombeiros poderão obter junto as suas associações.

Cuiabá (MT), 11 de junho de 2014.

WANDERSON NUNES DE SIQUEIRA – MAJ PM

Presidente da ASSOF-MT

LUCIANO ESTEVES CORREA COSTA – 1° SGT PM

Presidente da ASSOADE

ADÃO MARTINS DA SILVA – CABO PM

Presidente da ACSPMBM-MT

FERNANDO GUIMARÃES ARAUJO – 3° SGT PM

Presidente da ASSMIP

 

 

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.65.151.91 - Responder

    ainda bem que os policiais resolveram negociar com calma. uma greve agora seria um desastre. gostei de ver o taborelli junto de seus companheiros

    • - IP 189.73.210.136 - Responder

      É… tinha até ficha suja…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

3 × 1 =