De Cristo a Hitler, Gilmar mostrou que não sabe perder. Mas, entre tapas na mesa e alteração de voz, democraticamente, “pela beleza do colegiado”, com suas divergências, como frisou o ministro Marco Aurélio, Gilmar Mendes perdeu. Quem ganhou foi a democracia brasileira.

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 179.174.38.94 - Responder

    Eh! Mas é tão bom vendo o capangueiro levar um ferro destes no STF. Esbravejou, babou e bateu na mesa… Foi em vão. Só foi acompanhado pelo filho bastardo do Lula, Tofolião, o zero do nada!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

sete + 5 =