PREFEITURA SANEAMENTO

Da cadeia às urnas: políticos que já foram presos disputam as eleições neste ano de 2014. Em Mato Grosso, o super-processado José Geraldo Riva é só um exemplo

Cena registrada pelas cameras da Rede Globo de Televisão do desembargue de Riva e Éder Moraes, algemados e conduzidos por agentes da Policia Federal para o cárcere, no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasilia. A prisão, que aconteceu em 20 de maio de 2014, foi autorizada pelo ministro Dias Tofolli, do STF, e atendeu a um pedido do Ministério Público Federal, comandado pelo procurador geral da República, Rodrigo Janot

Cena registrada pelas cameras da Rede Globo de Televisão do desembargue de Riva e Éder Moraes, algemados e conduzidos por agentes da Policia Federal para o cárcere, no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasilia. A prisão, que aconteceu em 20 de maio de 2014, foi autorizada pelo ministro Dias Tofolli, do STF, e atendeu a um pedido do Ministério Público Federal, comandado pelo procurador geral da República, Rodrigo Janot

Da cadeia às urnas: políticos que já foram presos disputam as eleições

Leandro Prazeres, Jorge Estevão e Carlos Madeiro
Do UOL, em São Paulo, Cuiabá e Maceió

Ainda que não haja estatísticas oficiais sobre o assunto, o eleitor brasileiro terá de lidar, novamente, com um fenômeno inusitado nestas eleições: candidatos que foram presos pela polícia e que disputam cargos eletivos neste ano.

Especialistas em direito eleitoral ouvidos pelo UOL afirmam que a brecha na legislação brasileira que permite esse tipo de prática é um “mal necessário” para proteger candidatos contra perseguição política, mas que também beneficia políticos envolvidos em escândalos de corrupção e outros crimes.

Desde a lei da anistia de 1979, que devolveu direitos políticos a perseguidos e presos políticos durante a ditadura militar, o eleitor brasileiro tem se acostumado a ver candidatos que já frequentaram a cadeia disputando as eleições.

Em boa parte dos casos registrados após o fim do regime militar, as prisões são motivadas por acusações de envolvimento em esquemas de corrupção ou crimes como agressão ou assassinato.

Paulo Maluf

O candidato à reeleição como deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) é, talvez, um dos mais famosos entre os que já foram presos. Em setembro de 2005, Maluf e seu filho, Flávio, foram presos pela Polícia Federal, em São Paulo. Eles eram acusados de formação de quadrilha, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Flávio Florido/UOL

Ex-prefeito de São Paulo, Paulo Maluf foi preso em 2005

Maluf ficou preso por 40 dias e foi libertado graças a um habeas corpus. Em 2007, ele foi condenado por autoridades americanas por auxiliar na remessa irregular de dinheiro público para os Estados Unidos.

Seu nome consta na lista de procurados pela Interpol. Mesmo com tantos revezes, Paulo Maluf, que foi governador e prefeito de São Paulo, foi eleito deputado federal em 2010 e busca a reeleição neste ano.

A reportagem do UOL procurou o deputado federal, mas sua assessoria de imprensa não respondeu aos questionamentos feitos até a conclusão deste texto.

José Roberto Arruda

José Roberto Arruda (PR-DF) entrou para a história como o primeiro governador brasileiro a ir para a cadeia por corrupção no curso de seu mandato. Arruda foi preso no dia 11 de fevereiro de 2010, acusado de comandar um esquema de pagamento de propina no governo do Distrito Federal que ficou conhecido como “Mensalão do DEM”.

Arruda ficou preso em uma cela da Superintendência da Polícia Federal do Distrito Federal por quase dois meses. No dia 12 de abril do mesmo ano, uma decisão da Corte Especial do STJ (Superior Tribunal de Justiça) determinou sua libertação.

Ampliar

José Roberto Arruda é preso no DF8 fotos

8 / 8

Manifestante usa imagem simbolizando um ladrão para protestar contra José Roberto Arruda (sem partido) em frente à sede da Polícia Federal em Brasília; o governador do DF teve a prisão preventiva decretada pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) e se entregou à PF Leia mais Lula Marques/Folha Imagem

Após passar quase quatro anos longe dos holofotes, Arruda, que já havia renunciado ao seu mandato de senador em 2001 por seu envolvimento no caso da violação do painel de votações do Senado, voltou à cena e lidera as pesquisas de intenção de voto para o governo do Distrito Federal.

Na última terça-feira (12), o TRE do Distrito Federal rejeitou o registro de candidatura de Arruda com base na lei da Ficha Limpa. No mês passado, Arruda viu o Tribunal de Justiça do Distrito Federal manter uma condenação contra ele por improbidade administrativa. A defesa do candidato afirmou que irá recorrer da decisão do TRE para continuar na disputa.

Segundo a assessoria de imprensa do candidato, a “prisão de Arruda foi resultado de uma armação. Os documentos dessa armação estão publicados e à disposição da população no site www.golpede2009.com.br”.

José Riva

Em maio deste ano, o deputado estadual José Riva (PSD-MT) foi preso pela PF durante a Operação Ararath 5, que investigava a atuação de um suposto braço político do crime organizado em Mato Grosso. Riva é tido como um dos responsáveis pela quadrilha. A estimativa é que o esquema do qual Riva faria parte tenha movimentado em torno de R$ 500 milhões. Após três dias, Riva foi solto por decisão do ministro Dias Toffoli, do STF.

Divulgação

Riva responde a mais e 100 processos e foi preso em 2014

Apesar de responder a pelo menos 144 ações judiciais (22 penais e 122 ações civis públicas), Riva é considerado um dos políticos mais influentes de Mato Grosso e, segundo pesquisa Ibope divulgada na última quinta-feira (7), tinha 13% das intenções de voto no Estado.

Em nota, o candidato afirma que a sua candidatura é uma oportunidade para explicar os processos aos quais responde para a sociedade. “Não vou correr. Eu não desviei dinheiro, não roubei”, diz a nota.

Na última quinta-feira (7), a Justiça Eleitoral de Mato Grosso indeferiu o registro de candidatura de Riva. A assessoria do candidato afirmou que iria recorrer da decisão junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o que lhe daria, temporariamente, o direito de continuar na disputa.

Morte e corrupção em AL

Em Alagoas, o ex-prefeito da cidade de São Luís do Quitunde (a 43 quilômetros de Maceió) Cícero Cavalcante (PMDB) foi preso pela PF acusado de desvio de dinheiro público e agora tenta uma vaga no Parlamento estadual. Ele foi detido em 2005, durante a Operação Guabiru, acusado de desvio de verbas da merenda escolar. Ele responde a processo na Justiça Federal, mas nega a fraude.

Em dezembro de 2009, foi preso novamente, agora acusado de tramar a morte do suplente de vereador José Geraldo Renovado de Cerqueira, em 2007. Ficou detido, porém, por menos de 24 horas.  “Eu não tinha nada contra o rapaz. Sou incapaz de matar um mosquito”, disse à época.

Ainda no interior de Alagoas, a ex-prefeita de Estrela de Alagoas (a 119 quilômetros de Maceió) Ângela Garrote (PP) chegou a ficar presa por 37 dias, em 2013, acusada de um desvio de verbas relativas aos anos de 2009, 2010 e 2011.

As fraudes teriam ocorrido em licitações para obras que deveriam melhorar a infraestrutura de diversos setores da cidade. A ex-prefeita nega as irregularidades e responde a processo.

Roberto Sobrinho

Em Rondônia, o ex-prefeito da capital Porto Velho Roberto Sobrinho (PT) é outro que deixou a cadeia para tentar uma vaga no parlamento estadual.

Sobrinho foi preso pela PF no dia 9 de abril de 2013 durante a Operação Luminus.Foi solto no dia seguinte graças a um habeas corpus.

Divulgação

Ex-prefeito de Porto Velho, Roberto Sobrinho foi preso em 2013

Segundo o Ministério Público do Estado de Rondônia, Sobrinho é acusado de comandar um esquema de corrupção instalado na prefeitura da capital e que usava funcionários da Edmur (Empresa Municipal de Desenvolvimento Urbano) para cobrar propina.

Sobrinho, que antes da prisão era apontado como o principal nome do PT para a disputa do governo de Rondônia em 2014, agora disputa uma vaga na Assembleia Legislativa do Estado.

A reportagem do UOL procurou o ex-prefeito de Porto Velho e candidato a deputado estadual, mas ele não atendeu às ligações feitas para seu telefone celular. A reportagem também ligou para seu advogado, Diego Vasconcelos, mas ele não também não retornou as chamadas.

FONTE PORTAL UOL

6 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.67.101.230 - Responder

    queria perguntar se no mato grosso sô tem juizes corruptos para poder aceitar a candidatura de Jose Riva. isso é um absurdo de ver a justiça de mato grosso tão sujo deste jeito! que vergonha de dizer que somos brasileiro!

  2. - IP 177.202.51.204 - Responder

    Raul, pelo jeito você não anda acompanha as noticias, o TRE/MT barrou a candidatura do Riva, que aliás tem grandes chances de ser deferida no TSE em Brasilia em virtude dos precedentes dessa Corte. Agora, porque colocar a culpa no Juízes, se quem elege é o povo? O José Arruda que também foi preso teve a candidatura barrada pelo TRE/DF têm grandes chances de ser eleito logo no primeiro turno. Vamos parar com essa chiadeira contra o judiciário e começar a assumir a responsabilidade pelos eleitos por voto popular, sabemos que o projeto da ficha limpa foi por iniciativa popular mas sua edição e redação foi alterada pelo congresso (em causa própria) e essa Lei tem mais buraco que um queijo suiço!

  3. - IP 177.202.51.204 - Responder

    Esqueceram de mencionar o candidato a reeleição Nilson Leitão preso em 2006 na operação navalha da PF enquanto era prefeito de Sinop!

  4. - IP 177.203.35.106 - Responder

    Todos foram presos e libertados por decisão judicial, de acordo com as normas do Processo Penal e as garantias constitucionais. O fato da prisão não impede a candidatura. O Judiciário deve julgar – condenar ou absolver – as ações penais e por termo final à discussão relativa aos crimes supostamente praticados por todos esses políticos. De outra banda, o eleitor deve definir nas urnas o destino desses homens e não pode ser prejudicado no seu direito de escolher livremente os mandatários e representantes.

  5. - IP 177.1.91.205 - Responder

    É ESSA A LEI QUE IRÁ TRANSFERIR OS VALORES ROUBADOS, DAS CONTAS DOS POLÍTICOS PARA AS CONTAS DOS JUÍZES E ADVOGADOS…??? ENQUANTO O MELIANTE TIVER ‘ALGUM’ SUA CONDENAÇÃO DEFINITIVA SERÁ POSTERGADA…CAIU NO SISTEMA…É LAMENTÁVEL…KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  6. - IP 177.1.91.205 - Responder

    COITADINHOS DOS PARASITAS…
    REZAM E CHORAM PARA QUE SEUS HOSPEDEIROS NÃO ENCERREM A CARREIRA DE ASSALTOS…
    AFINAL, NÃO TÁ FÁCIL ENCONTRAR OUTRA VAGUINHA EM OUTRO ‘SACO’ DE OUTRO LADRÃO…
    A DISPUTA É ACIRRADA E PODE DAR, ALÉM DE MUITA TRAIÇÃO…ATÉ MORTE…
    EM BREVE VEREMOS ‘VERMES’ SE ALIMENTANDO DE OUTROS ‘VERMES’…
    SERÁ A ”TEORIA DO CAOS” DOS MULAMBENTOS BOQUETEIROS…
    MORREM…MATAM…MAS TRABALHAR JAMAIS!!!
    AS PUTAS SÃO MAIS DIGNAS…
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

1 × 3 =