CRIMES SEM FIM – Juíza Célia Vidotti recebe nova denuncia do Ministério Público que tem Silval Barbosa, Humberto Bosaipo e José Geraldo Riva entre os réus. Eles são acusados de contratar de forma irregular os serviços da Guará Taxi Aéreo. Processo por corrupção contra Bosaipo, Riva e Silval é rotina que, ao longo do tempo, não surpreende ninguém em MT. E devem marcar últimos anos da vida destes tristes senhores. Houve tempo, quando Riva e Bosaipo mandavam e desmandavam, controlando os recheados cofres da Assembleia, em que noticias sobre esses processos do MP contra Riva e Bosaipo saiam em poucos espaços, como os espaços na mídia assinados por mim, Enock Cavalcanti. LEIA DECISÃO

JUIZA CELIA VIDOTTI RECEBE DENUNCIA DO MP CONTRA RIVA, SILVAL ET ALLI POR CONTRATAÇÃO SEM LICITAÇÃO DA GUA… by Enock Cavalcanti

Bosaipo, Riva e Silval. Processo por corrupção contra eles, é rotina que se sustenta, ao longo do tempo

Bosaipo, Riva e Silval. Processo por corrupção contra eles, é rotina que se sustenta, ao longo do tempo

 

Processo por corrupção contra Bosaipo, Riva e Silval é rotina que se sustenta, ao longo do tempo, não surpreende ninguém em Mato Grosso. E devem marcar os últimos anos da vida destes tristes senhores.  Houve tempo, no passado, quando Riva e Bosaipo mandavam e desmandavam em Mato Grosso, controlando os sempre recheados cofres da Assembleia Legislativa do Estado, em que noticias sobre esses processos do Ministério Público contra Riva e Bosaipo saiam em nos poucos espaços, como os espaços na mídia assinados por mim, Enock Cavalcanti. Hoje, politicamente, Riva e Bosaipo são cartas fora do baralho, todo o mundo os chuta. Rei morto, rei posto. O atual governador Zé Pedro Taques deve lembrar muito disso, pois, como procurador da República, foi muitas vezes ao gabinete da então deputada estadual professsora Serys Slhessarenko, buscar fôlego para sua luta contra a corrupção na política de Mato Grosso. O tempo passa, o tempo voa. Quero ver, neste janeiro de 2016, falar e apurar os processos do MP contra Dorileo Leal e A Gazeta, por exemplo. Uns 20 anos se passaram e, de certa forma, continuo sozinho, o que, longe de me destacar, revela que a imprensa de Mato Grosso não melhorou muito, não, o que é uma pequena tragédia mato-grossense. Ah, sim,  Zé Pedro Taques também deixou de me visitar. Confira o noticiário. (EC)

Justiça recebe ação contra Riva, Bosaipo, Silval e mais três por suposto contrato sem licitação na AL

Da Redação – Arthur Santos da Silva
OLHAR DIREITO

Justiça recebe ação contra Riva, Bosaipo, Silval e mais três por suposto contrato sem licitação na AL
A magistrada Celia Regina Vidotti, da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular, recebeu ação, por ato de improbidade administrativa, ajuizada pelo Ministério Público de Mato Grosso em face do ex-deputado estadual José Geraldo Riva, do ex-conselheiro do Tribunal de Contas, Humberto Bosaipo, e do ex-governador, Silval da Cunha Barbosa.

O procedimento julgará denúncia sobre suposta irregularidade consistente na contratação pela Casa de Leis, por meio dos réus, da empresa Guará Taxi Aéreo Ltda., sem prévia licitação e fora das hipóteses de dispensa e inexigibilidade de licitação. O recebimento da petição inicial ocorreu em decisão do último dia 13 de janeiro.

Nos autos, também foram arrolados o ex-parlamentar Hermínio Barreto, e os ex-servidores da Assembleia Legislativa Guilherme da Costa Garcia, Luiz Eugênio de Godoy e Geraldo Lauro.

Em defesa prévia, Riva alegou a impossibilidade de utilização das provas colhidas no inquérito policial. O Político considerou, também, que não houve ilegalidade ou irregularidade na prestação de serviços pela empresa Guará Taxi Aéreo Ltda. à Assembleia Legislativa, já que a contratação de tal empresa, conforme o ex-parlamente, foi realizada de forma compatível com o interesse público e dentro dos parâmetros prescritos na Lei de Licitações.

Humberto Melo Bosaipo, por sua vez, alegou a nulidade do procedimento investigatório por “excesso de prazo para a conclusão do mesmo”. O ex-governador Silval Barbosa tentou comprovar a “inépcia da petição inicial, por falta de individualização das condutas dos requeridos”.

As manifestações de defesa prévia foram consideradas insuficientes para trancar o processo. Além dos pedidos contra o recebimento da ação, Riva, Bosaipo e Geraldo Lauro interpuseram sete pedidos de exceções de suspeição: todos negados.

Em sua decisão pela aceitação do processo, Celia Regina Vidotti afirmou que: “em relação aos argumentos das defesas apresentadas pelos demais requeridos, verifico que estes não foram suficientes para comprovar a inépcia da inicial, a inadequação da via eleita, a impossibilidade jurídica do pedido, a nulidade do inquérito civil, tampouco a improcedência da presente ação”.

“Tem-se, por fim, que os requeridos não lograram êxito em afastar as imputações que lhes foram dirigidas na inicial, de forma a autorizar suas rejeições de plano e, por outro lado, estão satisfeitos os requisitos legais e há indícios suficientes da prática de atos de improbidade”, salientou a magistrada, concluindo por acatar a petição inicial em todos os seus termos e para todos os efeitos legais.

FONTE OLHAR DIRETO

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezesseis − cinco =