COVARDIA DO PSB – Mauro fugiu de debate com estudantes

Com a fuga de Mauro Mendes e do procurador Mauro, debate foi sustentato por Faiad, Brito, Maluf e Adolfo Grassi

 

ENOCK CAVALCANTI
CENTRO OESTE POPULAR

Para a estudantada dos cursos de Comunicação e Direito da Unirondon foi uma noitada inesquecível. Incentivados pela professora de Politica, Cláudia Carvalho, moças e rapazes marcaram o calendário desta eleição, organizando o primeiro debate entre os candidatos a prefeito de Cuiabá, em 2012, evento que, infelizmente, ficou comprometido pela covardia do candidato do PSB, empresário Mauro Mendes que não compareceu, não explicou porque não foi, nem se preocupou em mandar um representante – talvez por falta de confiança no taco do seu vice-prefeito, o deputado João Malheiros (PR).

Além de Mauro Mendes, outro que fugiu da discussão, estranhamente, foi o Procurador Mauro, candidato do PSOL, que, voltando as costas para os debates na comunidade, decidiu que só participa de debates na televisão. Lúdio Cabral (PT), que programara comício anteriormente para a mesma data, com a participação do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, foi substituído pelo seu vice, o advogado Francisco Faiad (PMDB), que esteve à altura, dividindo o brilho da noitada com o candidato do PSD, Carlos Brito. Guilherme Maluf (PSDB) mostrou-se um tanto desanimado, chegando a abrir mão de tempo que dispunha para continuar falando.

A participação do candidato Adolfo Grassi (PPL) foi sofrível, já que não conseguiu demonstrar coerência nas respostas e provocou risos na plateia ao trocar “saco sem fundo” por “ralo sem fundo”, quando respondia sobre corrupção.

Carlos Brito anunciou que, caso seja eleito, pretende estatizar MTU e devolver comercialização de passes para o controle da Prefeitura

Brito anuncia estatização da MTU

Carlos Brito manteve sempre um tom apaixonado de discurso. Falando sobre mobilidade urbana, lembrou que a implantação do VLT na avenida Fernando Corrêa foi uma conquista sua, enquanto diretor da antiga Agecopa, já que esse trecho não constava do traçado original. Garantiu que, como prefeito, vai implantar a avenida Parque do Barbado, em torno do córrego, uma reivindicação que vem defendendo desde que foi vereador e que representará importante ligação entre a ponte Sérgio Motta e o Shopping Pantanal, contribuindo para desafogar o trânsito na região do Coxipó.

No momento mais vibrante de sua intervenção, anunciou que uma de suas pretensões é estatizar a MTU, devolvendo à prefeitura o controle sobre toda a movimentação financeira que envolve o transporte coletivo em Cuiabá. Quem controla o dinheiro, segundo Brito, tem o poder – e ele condenou os antigos gestores por terem colocado esse poder na mão dos empresários do transporte público que ainda é uma caixa preta em Cuiabá. “Será um dos primeiros atos de meu governo e tenho certeza que o transporte coletivo vai melhorar muito, a partir de então”, disse o candidato do PSD.

Brito também atacou a proposta de alinhamento político- partidário na gestão da capital, do Estado e do País. “Estamos no século 21 e esse tipo de coronelismo não cabe mais. As verbas não podem deixar de vir para Cuiabá só porque Cuiabá terá um prefeito do PSD”, defendeu.

Platéia se acotovelou para acompanhar o debate que também foi retransmitido por telões para quem não conseguiu entrar na sala Fotos Dinalte Miranda/COP

Faiad repudia patrão na Prefeitura

Representando o candidato Lúdio Cabral no debate, o advogado Francisco Faiad centrou suas críticas no debatedor ausente, o empresário Mauro Mendes e, enfrentando os argumentos de Carlos Brito, defendeu o alinhamento da prefeitura com o Governo do Estado e a presidência da República, como uma forma de ampliar os investimentos em nossa capital.

“Quem não tem o alinhamento e gostaria de ter, critica quem tem – disse Faiad. O governo federal não deixou de ajudar Wilson Santos, não deixou de ajudar Galindo. O problema é que conflitos políticos fazem com que ações do governo federal e estadual que poderiam ser aplicadas na cidade não aconteçam. Um exemplo é o recurso do PAC que Cuiabá perdeu”. À medida que a prefeitura trabalhar em harmonia com a administração do governador Silval Barbosa e com o governo da presidente Dilma Roussef, Faiad entende que a cidade terá os recursos necessários para conseguir as obras que sua população tanto reclama, como na questão do asfaltamento das ruas, do tratamento de esgoto e da melhoria rede de saúde.

Faiad assegurou que a participação da população será um dos princípios do programa de governo da coligação do PT com o PMDB e que o quadro de servidores da Prefeitura será valorizado, com a realização de concursos públicos e o fim da improvisação no setor de recursos humanos. Ele arrematou seu discurso com a certeza de que “Cuiabá não precisa de patrão, e se quisesse empresário, fazia licitação, Cuiabá precisa de quem moralize sua Prefeitura e profissionalize a atuação da administração municipal priorizando os interesses dos cuiabanos.”

FONTE CENTRO OESTE POPULAR

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.2.22.132 - Responder

    Se esse propagado discurso fosse verdade…então tem que explicar porque a gestão da saúde no estado é péssima se não falta o tal alinhamento!!!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

nove − 3 =