CORRUPÇÃO EM MATO GROSSO: Maggi reformulou mensalão herdado de Dante e Antero para pagar propina a deputados, diz Riva. VEJA VIDEO

A história explodiu nesta quarta-feira, nas páginas do jornal O Estadão.  O jornalista Fausto Macedo e sua equipe revelam trecho de delação premiada de José Geraldo Riva, recentemente homologada pelo desembargador Marcos Machado, do TJ-MT. A delação vai vazando em pilulas – e dessa vez vai dando panos para manga. Riva, neste trecho vazado pelo Estadão, revela que o então governador Blairo Maggi, quando assumiu o governo, resolveu aperfeiçoar o pagamento de um mensalão aos deputados estaduais de Mato Grosso que já existia antes dele assumir. Como antes de Maggi, governaram Dante de Oliveira e seu lugar tenente Antero Paes de Barros, não é ingênuo supor que esse pagamento de propina fora institucionalizado durante a gestão tucana. Ou antes dela, no governo de Jayme Campos. Esse esclarecimento certamente vira com as futuras investigações (espera-se) das autoridades do Ministério Público que, aqui em Mato Grosso, (espera) certamente não devem estar contaminadas com os vícios que a Vaza Jato revelou com relação ao Ministério Público na chamada República de Curitiba. Quanto ao vazamento seleto da delação do Riva, para contê-lo, o melhor seria que o sigilo dessa delação fosse quebrado pelas autoridades do Judiciário e do MP. Vazamento seleto abre sempre a possibilidade do interesse de alguém ou de algum grupo (como se viu na Lava Jato) mirar determinada pessoa ou determinados interesses.  Além dos deputados propineiros, Riva sugere que o mensalão do Maggi teria envolvido também algumas seletas empresas de Mato Grosso. Aguardemos pelos desdobramentos. (Enock Cavalcanti)
 
Delator, Riva diz que Blairo Maggi inaugurou ‘nova sistemática’ de mensalão em Mato Grosso e aponta 71 empresas e 38 deputados
 
Ex-presidente da Assembleia Legislativa, hoje réu em ações criminais e por improbidade, sustenta que ex-governador teria passado a beneficiar também políticos de oposição e modificado esquema, que vinha desde 1995, para repassar propinas através da suplementação orçamentária da Casa; novo modelo teria sido mantido pelo sucessor no Executivo, Silval Barbosa (MDB/2010-2015)
Por Rayssa Motta, Pepita Ortega e Fausto Macedo/O Estado de S Paulo
 
Em delação premiada, o ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, José Geraldo Riva, réu em ações criminais e por improbidade, revelou suposto pagamento de mesadas a 38 deputados com valores que totalizam R$ 175 milhões. Segundo o político, o esquema se estendeu por mais de duas décadas, desde 1995, e ganhou ‘nova sistemática’ na gestão Blairo Maggi (PP/2003-2010), que posteriormente ocupou o cargo de ministro da Agricultura no governo Michel Temer.
 
De acordo com o delator, em 2003, quando assumiu o Executivo de Mato Grosso, o ex-governador decidiu que a propina deveria ser empenhada como suplementação orçamentária da Assembleia Legislativa e paga também a deputados de oposição. Até então, os acertos estariam a cargo do Executivo, por meio da liderança da bancada, e beneficiavam apenas parlamentares que compunham a base de apoio do governo.
 
A articulação para garantir a continuidade do ‘mensalinho’ teria ficado a cargo do ex-deputado Renê Barbour, que faleceu em 2007, e na época atuava como líder do governo na Casa Legislativa. De acordo com Riva, a participação de Barbour foi ‘imprescindível’ para a manutenção dos pagamentos.
 
“O deputado Renê Barbour afirmava para o governador Blairo Maggi que era praticamente impossível liderar uma bancada para conseguir uma maioria sem o pagamento dessas vantagens, que eram pagas anteriormente pelo governo e que o governador Blairo Maggi resistia em não querer pagar”, afirmou Riva. “Aí, foi quando encontramos a forma, por sugestão do governador Blairo Maggi, de repassar esses valores para a Assembleia e a Assembleia fazer esse repasse por lá”.
 
Em sua nova versão, o suposto esquema de pagamento de propinas aos deputados passou a ser feito mediante notas fiscais falsas ou superfaturadas emitidas por empresas que devolviam parte da receita recebida. Pelo menos 71 estabelecimentos, alguns comandados por políticos através de ‘laranjas’, teriam participado da operação.
 
“Naturalmente que, para fazer esses repasses, a Assembleia teria que recorrer a algum tipo de desvio, através da emissão de notas de empresas de prestação de serviço simulado”, explicou. O superfaturamento, todavia, não se verificava no preço do material, mas, no montante. “A quantidade da nota geralmente era muito superior ao valor fornecido e algumas empresas sequer forneciam material”.
 
Junto de seu acordo, Riva apresentou uma série de documentos, incluindo supostas notas fiscais frias, atas de sessão de pregão de companhias que alimentavam o esquema e cópias de ordem de pagamento para empresas suspeitas.
 
“Inicialmente, é importante dizer que existem alguns documentos: por exemplo, algus depósitos bancários feitos na conta de deputado, atestado de material em que os deputados atestavam o recebimento desse material, mas, na verdade, esses materiais não eram entregues. Era um pano de fundo para o desvio do valor. E, mesmo em relação a alguns serviços, também vamos encontrar algumas notas promissórias e cheques que eram, na verdade, antecipação de valores”, afirmou o ex-presidente da Assembleia Legislativa.
 
Riva afirma, ainda, que o novo modelo se manteve na gestão de Silval Barbosa (MDB/2010-2014) à frente do Palácio Paiaguás ‘com a mesma forma também, utilizando de factorings (fomento mercantil), de agiota’. Posteriormente as dívidas eram pagas com a utilização de empresas fornecedoras de materiais ou de prestação de serviço, o mesmo ‘modos operandi’ que abastecia o ‘mensalinho’ normalmente.
 
Barbosa foi denunciado pelo Ministério Público Federal na semana passada por corrupção e associação criminosa após ex-deputados terem sido flagrados em vídeo recebendo propinas em espécie do então chefe de gabinete do ex-governador, em dezembro de 2013, uma semana antes do Natal. O ex-governador também fechou acordo de delação premiada quando foi preso, em 2017.
.
 
COM A PALAVRA, O EX-GOVERNADOR BLAGIO MAGGI
Sobre a repercussão da delação do ex-deputado José Riva, o ex-governador Blairo Maggi afirma que encerrou seus 8 anos de Governo com 92% de aprovação popular, pois, sua gestão pautou-se na eficiência e transparência. Nunca houve compra de apoio político por parte do Executivo, e por isso, Maggi jamais pactuou com quaisquer irregularidades.
 
A versão apresentada pelo criminoso delator não se sustenta, pois basta comparar os orçamentos anteriores com os executados durante a gestão e concluir que: houve significativa redução dos repasses! São números, documentos e não ilações! Assim, são absurdas as afirmações do delator. Maggi afirma que tomará todas as medidas cabíveis contra acusações infundadas como essa.
 
COM A PALAVRA, O ADVOGADO DÉLIO LINS E SILVA JÚNIOR, QUE DEFENDE O EX-GOVERNADOR SILVAL BARBOSA
O assunto tratado pelo Senhor Riva foi objeto do anexo 3 da colaboração de Silval Barbosa, estando ele à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos.
 
FONTE O ESTADO DE S PAULO

Integra Da Pretensa Propost… by Enock Cavalcanti

Categorias:Cidadania

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

1 × 4 =