CONSTITUINTE EXCLUSIVA: Cientista política Maria Victória Benevides e historiadora Maria Aparecida de Aquino avaliam que, com plebiscito, Dilma transforma pauta das ruas em força para mudanças.

A cientista política Maria Victória Benevides e a historiadora Maria Aparecida de Aquino. As duas intelectuais reforçam o entendimento de que Dilma tomou a iniciativa de liderar uma saída à crise das instituições para avançar na reforma. Deu um eco mais orgânico ao protesto que vem da rua.

A cientista política Maria Victória Benevides e a historiadora Maria Aparecida de Aquino. As duas intelectuais reforçam o entendimento de que Dilma tomou a iniciativa de liderar uma saída à crise das instituições para avançar na reforma. Deu um eco mais orgânico ao protesto que vem da rua.

Participação
Análise: com plebiscito, Dilma transforma pauta das ruas em força para mudanças

Presidenta estaria respondendo com formas de participação direta gritos contra partidos ouvidos em manifestações pelo país. ‘Ela foi na direção do que pede a população’, diz professora da USP

por Gisele Brito e Tadeu Breda
da Rede Brasil Atual

São Paulo – Ao propor na segunda (24) a realização de um plebiscito para a convocação de uma Assembleia Constituinte que trate exclusivamente da reforma política, a presidenta Dilma Rousseff demonstrou “ouvir a voz das ruas”, de acordo com analistas ouvidas pelo RBA. “Plebiscito faz parte do exercício daquilo que chamamos democracia direta”, define a professora de História Contemporânea da USP, Maria Aparecida de Aquino. “E democracia direta é mais ou menos a expressão do que as pessoas na rua disseram ao gritar contra os partidos e contra a democracia representativa: queremos o povo na rua, queremos ser ouvidos.”

Durante reunião com governadores e prefeitos das capitais em Brasília, Dilma adotou uma agenda com cinco pactos de mudanças sociais e a realização de um plebiscito sobre a proposta de estabelecer um processo constituinte com vistas a tirar do papel uma reforma política. Segundo a presidenta, é preciso aproveitar o momento de ampla participação popular nas manifestações e garantir que este processo que já entrou e saiu da pauta política seja levado adiante. “Estamos ouvindo a voz das ruas, pois só elas nos levam a mudanças em menos tempo. Se aproveitar o impulso, podemos fazer muita coisa mais rápido, pelo povo e pelo Brasil”, concluiu.

Os elogios encontram ressonância nas declarações de outra professora de História da USP: Maria Victória Benevides observa a proposta da presidenta como um “elemento novo e extremamente importante na conjuntura” política brasileira. “Ela foi inteligente e retribuiu os gritos da cidadania. É como se estivesse dizendo: ‘então decidam o que vocês querem’”, afirma. “E botou o Congresso numa saia justa. Como o Congresso vai ser contra? Dilma tomou a iniciativa de liderar uma saída à crise das instituições para avançar na reforma. Deu um eco mais orgânico ao protesto que vem da rua.”

A ideia havia sido lançada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante evento do jornal Valor Econômico, em São Paulo, em março. Lula dizia que, diante da impossibilidade de aprovar mudanças no sistema político dentro do Congresso, cujos membros não teriam interesse em perder privilégios, o PT deveria abraçar a ideia de uma Constituinte exclusivamente para tratar do tema. “Me pareceu interessante que a presidenta tivesse ido na direção do que a população está dizendo”, conclui Aquino.

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

1 + onze =