(65) 99638-6107

CUIABÁ

Brasil, mostra tua cara

PAULO LEMOS: Todos que defendem ou praticam a violência contra presos ou não presos são criminosos e devem responder por isso

Publicados

Brasil, mostra tua cara


Você pode ser preso
Por Paulo Lemos

A receita da violência generalizada que está deflagrada dentro e fora das prisões é de fácil compreensão, basta ter um cérebro para pensar. E de largada já dá para vaticinar que ninguém está certo nessa guerra, tampouco ganha alguma coisa com ela. Se há vitória, ela é de Pirro.
São mal-tratos do lado de dentro. Ataques do lado de fora. Quem ganha com isso?
E ainda tem gente que defende o recrudescimento carcerário como técnica de solução do problema da criminalidade. Só defende isso ou quem não conhece a realidade ou quem é cúmplice dela, ou seja, ou por ignorância ou por má-fé. Não tem meio-termo.
Para além dos inúmeros casos de tortura relatados pela própria Organização das Nações Unidas (ONU), Anistia Internacional (AI) e outras organizações insuspeitas, mediante denúncias recebidas, apuradas e processadas, como seria endurecer mais as condições de tratamento dentro dos cárceres superlotados, absolutamente insalubres e sem qualquer perspectiva de ressocialização? Colocar todos de mãos para cima, de frente para uma parede, e metralhar, depois de chicotear?
Sei que alguns gostariam que isso ocorresse. São tão ou mais criminosos e doentes do que aqueles que eles condenam. Isso não é justiça. É vingança e, até mesmo, perversão, sadismo. É sério que alguém defenda isso em pleno século XXI, no Ocidente?
Foi a partir do método de repressão máxima dentro dos presídios que surgiram o Comando Vermelho (CV) e o Primeiro Comando da Capital (PCC). É só pesquisar um pouco, que as coisas começam a clarear. Em escala global, foi a guerra do Iraque, patrocinada e promovida pelos EUA, que deu ensejo ao Estado Islâmico.
Não precisa ser muito inteligente para entender que violência sempre vai gerar mais violência, independente de onde venha, se do Estado, da sociedade ou da família.
É óbvio que quem comete um crime, de maneira dolosa ou culposa, tem de arcar com as consequências. Não pode e não deve ficar isento de responsabilidade, a não ser que se enquadre numa das hipóteses de excludente de ilicitude já previstas na legislação pátria correlata à matéria.
Entretanto, esse mesmo alguém que errou, se comprovado carecer de capacidade psicoemocional de voltar para o seio da população, em casos excepcionais, poderão ficar por prazo indeterminado sobre égide de medidas de segurança, cabível, por exemplo, para um pedófilo confesso e irrecuperável, segundo laudos técnicos satisfatórios. Fora desses casos, seja o que for que tenha feito, o foco deve ser a ressocialização, conforme prescreve a Constituição.
No entanto, o sistema prisional não oferece condições mínimas para isso. Não fosse suficiente, o egresso de qualquer prisão sofre forte preconceito do lado de fora, o que compromete sua reinserção social.
Além disso, temos ainda as causas do crime, estudadas pela criminologia e outras ciências.
E qualquer um que tenha um mínimo de conhecimento sobre o assunto sabe que o buraco é bem mais embaixo, do que alguns pretendem fazer crer quando defendem a Lei de Talião.
Enfim, precisamos elevar o nível do debate e da reflexão; parar de simplesmente ficar repetindo a mesma coisa, que nem papagaio, sem demandar algum esforço para desvendar o problema, que é de todos nós, presos e não presos. Afinal de contas, antes de ser preso, o sujeito era alguém que estava entre nós. Ninguém está imune a essa possibilidade.
Por exemplo, você pode amanhã ou depois matar alguém, sem querer, contudo, por imperícia, imprudência e/ou negligência, e ir preso. Pode se envolver num conflito dentro de casa e ir preso. Pode ser flagrado dirigindo embriagado e ir preso. Pode dar um cheque que no dia da compensação não tenha fundos ou esteja indevidamente sustado e ir preso por estelionato. Pode atrasar a pensão alimentícia e ir preso. Pode se relacionar com uma menor de idade e ir preso. Pode defender a morte de presos e ir preso, por incitação à violência e apologia ao crime de homicídio.
São muitas as possibilidades.
Todos somos seres humanos. E todos somos, em parte, vítimas e culpados pela conjuntura que nos cerca. No entanto, enquanto cada um ficar olhando para o seu umbigo, apenas atirando pedra e gritando “- pega ladrão!” – e depois mata -, nada vai mudar, só vai piorar.
Violência sempre vai gerar mais violência. E todos que a defendem e/ou a praticam, contra presos ou não presos, sejam “homens de bem” ou “homens de mal”, são criminosos e devem responder por isso. A vida não é maniqueísta e niilista como alguns enxergam. Ela é bem mais complexa do que a Lei de Talião.
Paulo Lemos é advogado em Mato Grosso e presidente da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da 14a Subsecção da OAB/MT.
([email protected])

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Ginco adquire 100 hectares na Passagem da Conceição mas se envolve em briga judicial que deve render. Maria Catarina da Conceição diz que mora há 30 anos no local e consegue liminar do desembargador Sebastião Moraes para manter a posse

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Brasil, mostra tua cara

Presidente diploma cadetes e fala sobre governo: “aqui é mais difícil”

Publicados

em


O presidente Jair Bolsonaro presidiu hoje (27) a cerimônia de formatura de 391 novos aspirantes a oficial do Exército na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em Resende sul do Rio de Janeiro. Bolsonaro fez um discurso de improviso à tropa e evitou falar de política. 

Durante a fala, o presidente relembrou os quatro anos necessários para a conclusão do curso e comparou a jornada à da presidência. “Eu até hoje guardo os ensinamentos que aqui aprendi. Nos momentos difíceis a frente da Presidência da República  eu vejo o que passei por aqui e me conformo dizendo: aqui foi mais difícil.” 

Bolsonaro também exaltou as 23 mulheres que integram a turma e que se formam “mostrando para todos nós que quem tem garra, determinação, força de vontade, coragem e fé consegue atingir os seus objetivos. Parabéns a vocês todas.”  

O presidente atribuiu ao Exército Brasileiro suas conquistas pessoais. “Esta formação marca a vida de todos nós. Essa formação nos fará vencer obstáculos. Lembrem-se de uma coisa: o que for possível nós faremos, o que não for, entregaremos nas mãos de Deus; Ele no dia a dia nos dá exemplos de superação”, afirmou.

Leia Também:  Ginco adquire 100 hectares na Passagem da Conceição mas se envolve em briga judicial que deve render. Maria Catarina da Conceição diz que mora há 30 anos no local e consegue liminar do desembargador Sebastião Moraes para manter a posse

Jair Bolsonaro também afirmou que é papel dos formandos defender a democracia brasileira e a liberdade, além de frisar a necessidade de respeito pela Constituição. “Nós atingiremos o nosso objetivo, que é o bem estar de toda a nossa população.”

Além da defesa de valores, Bolsonaro também discursou sobre a amizade e o companheirismo entre integrantes das Forças Armadas. “Sem gratidão não chegaremos a lugar algum. Quem esquece o seu passado está condenado a não ter futuro”, frisou.

Duque de Caxias, patrono do Exército Brasileiro, também foi exaltado durante a fala. ”Um homem exemplo para todos nós. E digo a vocês: quem fará o futuro da nossa pátria não será um homem ou uma mulher. Seremos todos nós, 210 milhões de habitantes.”

Duração

Sob sol forte, a cerimônia de formatura dos 391 novos aspirantes a oficial do Exército durou aproximadamente 1h30. No moimento dos aspirantes receberem a espada de Duque de Caxias, Bolsonaro desceu do palanque das autoridades e foi cumprimentar e tirar fotos com familiares de formandos. Ele ficou cerca de 20 minutos no pátio.

Leia Também:  RENATO GORSKI: "Ë admissível que em várias áreas Maggi fez um bom governo mas deixou na Saúde um déficit que terá que ser coberto por alguém"

Na cerimônia também estavam presentes, o vice-presidente Hamilton Mourão, o ministro da Defesa, Walter Braga Netto e os comandantes das três Forças, além de generais.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA