(65) 99638-6107

CUIABÁ

Cidadania

LEGITIMA DEFESA – Dono de jornal em Chapada dos Guimarães esfaqueia ex-prefeito Treme Terra que acusa de querer chicoteá-lo

Publicados

Cidadania

Dono de jornal esfaqueia ex-prefeito

Da Redação

O ex-prefeito de Chapada dos Guimarães (67 km ao norte de Cuiabá), Sebastião Moreira da Silva, o Treme-Terra, foi atingido por um golpe de punhal no abdome na noite de ontem pelo dono do jornal Pluriverso Chapadense, José Orlando Muraro. O crime aconteceu em um bar em Chapada e, de acordo com Muraro, que aguardou a Polícia Militar chegar ao local onde aconteceu o fato, ele agiu em legítima defesa.

Treme-Terra foi levado para o Pronto-Socorro Municipal de Cuiabá logo em seguida e até o fechamento desta edição, às 21h, era submetido a uma cirurgia, mas segundo informações não corria risco de vida. O corte feito pelo punhal teria sido de 8 a 9 centímetros de profundidade.

Muraro foi preso e seria indiciado por tentativa de homicídio. Ele afirma que o ex-prefeito iniciou uma espécie de perseguição no início da manhã de ontem. Por volta das 10h30, na praça central do município, só não o atropelou porque o próprio filho de Treme-Terra, o presidente da Câmara Municipal de Chapada, vereador Thomaz Jefferson, teria impedido. "Ele pegou um chicote e queria me bater. Entrou no meio aquele pessoal do deixa disso e ele disse: eu vou te cassar na cidade", relata Muraro.

Leia Também:  TJ MT não sai do foco das irregularidades, desde que Perri detonou com Escândalo da Maçonaria. Agora, desembargadores estão em xeque por causa de operações "atípicas" que os teriam beneficiado com bagatela de 20 milhões, segundo Ministério da Fazenda

Tudo porque no sábado o jornal de Muraro teria publicado uma nota questionando o fato de Treme-Terra estar participando de uma reunião na prefeitura, já que foi condenado pela Justiça por crimes durante sua gestão na prefeitura.

À tarde, Muraro relata que foi até um bar e na companhia de amigas estava bebendo cerveja quando Treme-Terra apareceu e já partiu para cima dele.

"Ele estava com Roga (um outro homem) que disse que ia buscar o revólver. Ele estava em cima de mim, me agredindo, foi quando eu peguei o punhal e dei um cutucão para conseguir sair. Nisso o Roga já estava com a arma, que ele escondeu. Eu me defendi. Tanto que fiquei no local e esperei a Polícia chegar".

O filho de Treme-Terra não quis conversar com a reportagem.

Fonte A Gazeta

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Cidadania

LUIZ CLÁUDIO: Devemos ouvir a população sobre VLT ou BRT

Publicados

em

Por

Luis

A troca do VLT pelo BRT

* Luiz Claudio

Em seu primeiro discurso, após receber o resultado da última eleição, o prefeito Emanuel Pinheiro deixou claro que a gestão do Município sempre estará disponível para debater todas as ações que melhorem a vida da população cuiabana. Acontece que, para que um debate realmente seja uma verdade, esse processo necessariamente deve cumprir etapas como argumentar, ouvir, analisar e, por fim, tomar uma decisão em conjunto.

Essas etapas, essenciais principalmente em assuntos que envolvem mais de 600 mil pessoas, até o presente momento, continuam sendo completamente negligenciadas pelo Governo do Estado de Mato Grosso. O recente caso da troca do Veículo Leve sobre Trilho (VLT) pelo Bus Rapid Transit (BRT) é um grande exemplo dessa dificuldade que a Prefeitura de Cuiabá tem encontrado quando se depara com demandas em que o Executivo estadual está envolvido.

Agora, depois de tomada uma decisão individualizada, se lembraram que existem as Prefeituras Municipais. Com convites para reuniões, as quais o Município não terá nenhuma voz, tentam criar um cenário para validar um discurso de decisão democrática que nunca existiu. Por meio da imprensa, acompanhamos declarações onde se é cobrada uma mudança de postura da Prefeitura de Cuiabá. Mas, qual é a postura que desejam da Capital? A de subserviência? Essa não terão!

Leia Também:  Nesta quinta, dia 31, tem eleição para renovação da diretoria do Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso. Jornalistas vão eleger Téo Menezes novo presidente do Sindjor

Defendemos sim um diálogo. No entanto, queremos que isso seja genuíno. Um diálogo em que as decisões que envolvam Cuiabá sejam tomadas em conjunto e não por meio da imposição. De que adianta convidar para um debate em que já existe uma decisão tomada? Isso não passa de um mero procedimento fantasioso, no qual a opinião do Município não possui qualquer valor.

Nem mesmo a própria população, que é quem utiliza de fato o transporte público, teve a oportunidade de ser ouvida. Isso não é democracia e muito menos demonstração de respeito com aqueles que depositaram nas urnas a confiança em uma gestão. Por conta dessa dificuldade de diálogo foi que o prefeito Emanuel Pinheiro criou Comitê de Análise Técnica para Definição do Modal de Transporte Público da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá.

Queremos, de forma transparente, conhecer o projeto do BRT. Saber de maneira detalhada o custo da passagem, o valor do subsídio, tipo de combustível, e o destino da estrutura existente como os vagões do VLT e os trilhos já instalados em alguns pontos de Cuiabá e Várzea Grande.

Leia Também:  RECEITA ELEITORAL: Para ajudar Wilson, Chico Galindo, agora comandando a prefeitura de Cuiabá, precisa fazer menos pela campanha dos tucanos e mais pela cidade que governa

Confiamos nesse grupo e temos a certeza de que ele dará um verdadeiro diagnóstico para sociedade. Mas, isso será feito com diálogo. Como deve ser! E é por isso que o próprio Governo do Estado também está convidado para participar das discussões, antes de qualquer parecer, antes de qualquer tomada de decisão. Como deve ser!

Assim, em respeito ao Estado Democrático de Direito, devemos ouvir a população que é quem realmente vai utilizar o modal a ser escolhido, evitando decisões autoritárias de um governo que pouco ou quase nada ouve a voz rouca das ruas.

* Luis Claudio é secretário Municipal de Governo em Cuiabá, MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA