(65) 99638-6107

CUIABÁ

Cidadania

Ganha Tempo da Ipiranga comemora 1º ano de atividades sob comando do Consórcio Rio Verde

Publicados

Cidadania

Linares, do Consórcio Rio Verde (à esquerda), na festa do Ganha Tempo da Ipiranga


Está semana teve festa no Ganha Tempo da Praça Ipiranga. O empresário Osmar Linares Marques, diretor do Consórcio Rio Verde, esteve em Cuiabá para as comemorações do primeiro aniversário da reinauguração da unidade que, desde 4 de julho de 2018, foi colocada sob a gestão do Consórcio. São sete as unidades que a empresa administra em Mato Grosso, contribuindo para que o Ganha Tempo se imponha como o serviço público mais aplaudido pela população, em todo o Estado, com um índice de 99% de aprovação.
Na Ipiranga, são cerca de 1.500 atendimentos por dia e a empresa também comemora mais de um milhão de atendimentos nesse período em todo o Estado. A atuação do consórcio também se destaca por proporcionar economia para os cofres públicos já que, anteriormente, quando estava sob administração direta, o custo de cada atendimento, no Ganha Tempo da Ipiranga, era de R$ 32,00 reais por pessoa e o Consórcio Rio Verde vem garantindo, desde então, um custo bastante reduzido de R$ 13,30 por pessoa. Tudo isto dentro de um alto padrão de atendimento, nas instalações que ela mesma reformou, e que asseguram sempre conforto e comodidade para todos que por ali transitam, com ar condicionado, wi-fi e tratamento marcado pelo respeito e pela fraternidade.
Além do mais, o Consórcio teve o cuidado de preservar as características do prédio que, construido para abrigar o Mercado Público, no período colonial, compõe o Patrimônio Histórico de Cuiabá, capital que comemora neste ano de 2019 seus 300 anos de fundação.
 

O prédio histórico do Ganha Tempo da Ipiranga


Cada vez melhor
Os serviços do Ganha Tempo foram lançados em 2003, durante a administração do então governador Blairo Maggi e, desde então, tem sido objeto de um contínuo processo de aperfeiçoamento e qualificação. Atualmente, o serviço é garantido através do sistema das Parcerias Público-Privadas (PPPs), o que trouxe para nosso Estado o Consórcio Rio Verde, já consagrado pelo nível de excelência em sua prestação de serviços em grandes metrópoles de São Paulo e de Minas Gerais. “É muito satisfatório para nós servir ao povo de Mato Grosso, assegurando sempre um atendimento ágil para as pessoas, graças à dedicação com que trabalham os nossos colaboradores”, disse Osmar Linares Marques.
A festa no Ganha Tempo da Ipiranga foi singela, envolvendo os dirigentes do consórcio e os servidores contratados para tocar os serviços na Praça Ipiranga, mas marcou, de acordo com empresário, mais um importante momento de afirmação do projeto. “Montamos em Mato Grosso uma estrutura de trabalho que nos permite fazer muito mais pela população e queremos cumprir nossos objetivos. A proposta é agregar cada vez mais serviços e contamos para isso com uma intensificação de nossas parcerias com o Governo do Estado, prefeituras e demais entidades interessadas em estreitar a sua relação com a comunidade”, destaca o diretor.
 

Ganha Tempo: agilidade no atendimento ao cidadão, nas 7 unidades de MT


Parceria Público e Privada
As parcerias público-privadas são um contrato, feito por meio de licitação, entre empresas do setor privado e o setor publico para a realização conjunta de determinado serviço ou obra. A empresa fica responsável pela obra, execução e operação do serviço prestado. Em contrapartida, o Estado remunera essa empresa. Ao fim do contrato, tudo o que foi construído passa a integrar o patrimônio do Estado.
A vantagem das PPPs é que o Governo não precisa desembolsar de forma imediata uma grande quantidade de recursos para a construção e operação rápida de um serviço, já que isso fica a cargo da empresa escolhida em licitação.
Hoje em dia, são oferecidos mais de 100 serviços nas sete unidades do Ganha Tempo, em Mato Grosso, facilitando a vida do cidadão que pode resolver várias demandas dirigindo-se a um só lugar. Entre os serviços ofertados estão o acesso a vagas de emprego (SINE), documentos do INSS, carteira de trabalho, RG, emissão de nota fiscal, título de eleitor, serviços do Detran, da Procuradoria Geral do Estado e do Tribunal Regional Eleitoral, entre outros. O tempo médio de espera nas unidades do Ganha Tempo que o Consórcio Rio Verde administra é de 20 minutos e a avaliação positiva dos usuários chega a atingir a notável marca dos 99 por cento.
No vídeo abaixo, você relembra como foi a inauguração da remodelação do Ganha Tempo da Praça Ipiranga, um serviço planejado e executado pela empresa comandada pelo empresário Osmar Linares Marques.
 
 
 

Linares e seus colaboradores: atendimento de alto padrão


Ambiente interno antes da chegada do Consórcio Rio Verde não deixou saudade


 

Estrutura interna do Ganha Tempo agora garante conforto para todos


Osmar Linares Marques e Consórcio Rio Verde garantem atendimento que credencia Ganha Tempo como serviço público melhor avaliado em MT

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  SEXO NA INTERNET - Reportagem mostra como redes sociais, os serviços de trocas de mensagens e os sites especializados estão sendo usados pelos brasileiros em busca de casos extraconjugais

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Cidadania

LUIZ CLÁUDIO: Devemos ouvir a população sobre VLT ou BRT

Publicados

em

Por

Luis

A troca do VLT pelo BRT

* Luiz Claudio

Em seu primeiro discurso, após receber o resultado da última eleição, o prefeito Emanuel Pinheiro deixou claro que a gestão do Município sempre estará disponível para debater todas as ações que melhorem a vida da população cuiabana. Acontece que, para que um debate realmente seja uma verdade, esse processo necessariamente deve cumprir etapas como argumentar, ouvir, analisar e, por fim, tomar uma decisão em conjunto.

Essas etapas, essenciais principalmente em assuntos que envolvem mais de 600 mil pessoas, até o presente momento, continuam sendo completamente negligenciadas pelo Governo do Estado de Mato Grosso. O recente caso da troca do Veículo Leve sobre Trilho (VLT) pelo Bus Rapid Transit (BRT) é um grande exemplo dessa dificuldade que a Prefeitura de Cuiabá tem encontrado quando se depara com demandas em que o Executivo estadual está envolvido.

Agora, depois de tomada uma decisão individualizada, se lembraram que existem as Prefeituras Municipais. Com convites para reuniões, as quais o Município não terá nenhuma voz, tentam criar um cenário para validar um discurso de decisão democrática que nunca existiu. Por meio da imprensa, acompanhamos declarações onde se é cobrada uma mudança de postura da Prefeitura de Cuiabá. Mas, qual é a postura que desejam da Capital? A de subserviência? Essa não terão!

Defendemos sim um diálogo. No entanto, queremos que isso seja genuíno. Um diálogo em que as decisões que envolvam Cuiabá sejam tomadas em conjunto e não por meio da imposição. De que adianta convidar para um debate em que já existe uma decisão tomada? Isso não passa de um mero procedimento fantasioso, no qual a opinião do Município não possui qualquer valor.

Nem mesmo a própria população, que é quem utiliza de fato o transporte público, teve a oportunidade de ser ouvida. Isso não é democracia e muito menos demonstração de respeito com aqueles que depositaram nas urnas a confiança em uma gestão. Por conta dessa dificuldade de diálogo foi que o prefeito Emanuel Pinheiro criou Comitê de Análise Técnica para Definição do Modal de Transporte Público da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá.

Queremos, de forma transparente, conhecer o projeto do BRT. Saber de maneira detalhada o custo da passagem, o valor do subsídio, tipo de combustível, e o destino da estrutura existente como os vagões do VLT e os trilhos já instalados em alguns pontos de Cuiabá e Várzea Grande.

Confiamos nesse grupo e temos a certeza de que ele dará um verdadeiro diagnóstico para sociedade. Mas, isso será feito com diálogo. Como deve ser! E é por isso que o próprio Governo do Estado também está convidado para participar das discussões, antes de qualquer parecer, antes de qualquer tomada de decisão. Como deve ser!

Assim, em respeito ao Estado Democrático de Direito, devemos ouvir a população que é quem realmente vai utilizar o modal a ser escolhido, evitando decisões autoritárias de um governo que pouco ou quase nada ouve a voz rouca das ruas.

* Luis Claudio é secretário Municipal de Governo em Cuiabá, MT

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  MATO GROSSO: Prefeito é morto a tiros dentro de casa, na frente do filho
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA