Vander impõe censura – e segue bancado por Silval

A insistência do governo Silval Barbosa em manter Vander Fernandes à frente da Secretaria de Saúde ninguém entende. Aliás, quem é que já conseguiu entender o governo de Silval Barbosa? Mas bancar a continuidade de um secretário-censor só revela que Silval continua comandando uma administração confusa, marcada pelos conflitos internos e pela presença de secretários abolutamente dispensáveis. Confira o noticiário. (EC)

Secretário de Saúde manda bloquear sites de notícias
Servidores reclamam e insinuam censura à notícias sobre julgamento do Mensalão

Vander Fernandes é criticado por servidores, por barrar acesso a sites

KATIANA PEREIRA
DO MIDIA NEWS

A atuação de Vander à frente da Secretaria de Saúde tem sido fonte para sucessivos escândalos que abalam o governo de Silval Barbosa. O recurso à censura é mais um escândalo do secretário truculento

O secretário estadual de Saúde, Vander Fernandes, mandou bloquear aos servidores o acesso a sites de notícias em computadores instalados nas dependências da pasta, no Centro Politico e Administrativo (CPA).

A restrição foi oficializada na tarde de sexta-feira (14). Cópia de um ofício, obtido pelo jornal CircuitoMT, revela que o pedido de bloqueio partiu diretamente do secretário Vander Fernandes.

No documento, a coordenação de Tecnologia da Informação (TI) da secretaria informa que, em função da solicitação do secretário, o bloqueio foi realizado também a sites de “entretenimento, cinema/teatro, diversão, esporte, ganhe navegando, gastronomia”.

Apenas o setor de Comunicação Social continua com acesso liberado a todos os portais. A data do ofício é de segunda-feira (17).

Mensalão e OSS

Em entrevista ao MidiaNews, uma servidora da Secretaria de Saúde sugeriu que a atitude demonstraria uma clara tentativa de evitar a propagação de notícias sobre supostos escândalos no setor da Saúde Pública de Mato Grosso, principalmente envolvendo OSS (Organização Social de Saúde), contratadas pelo Estado para administrar hospitais regionais.

“O bloqueio das rede sociais, sites de diversão e descontos é compreensível. Mas, restringir o acesso a portais de notícias é exagero, o acesso a informação é livre. O curioso é que isso ocorre no momento em que o STF está julgando o deputado Pedro Henry. Aliás, é proibido falar sobre esse assunto nos corredores da secretaria”, dissse a servidora, que pediu para ter sua identidade preservada por temer represálias.

O julgamento do deputado federal Pedro Henry (PP), acusado de envolvimento no Escândalo do Mensalão, no Supremo Tribunal Federal, tem sido amplamente divulgado pela internet, desde segunda-feira.

O parlamentar, que foi secretário de Saúde de Mato Grosso por quase um ano, é acusado dos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva e formação de quadrilha.

Henry foi substitudo na SES por Vander Fernandes, que era secretário-adjunto e é considerado “homem de confiança” do deputado do PP.

Outro lado

A Assessoria de Comunicação da SES disse que a medida foi tomada para “agilizar o trabalho dos servidores”. E que cada departamento terá acesso apenas a conteúdos que sejam do interesse de cada setor.

A SES disse ainda que o bloqueio não teve a intenção de impedir o acesso à informação por parte dos funcionários.

O secretário Fernandes não quis se pronunciar sobre o caso.

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.41.80.146 - Responder

    Que censura? Se estão lá para trabalhar, não deve mesmo ver site. E o dinheiro do cidadão?

Deixe uma resposta para Cidadão    ( cancelar resposta )

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

10 + sete =