CEARÁ E VILSON NERY – Vimos, com muita satisfação, a presença de um dos maiores defensores do Comendador Arcanjo em uma passeata contra o crime organizado e pedindo julgamento célere de malfeitores.

VENCEMOS (PARA NOOOOSSA ALEGRIA!!!)
Por Antonio Cavalcante Filho e Vilson Nery

Meus inimigos e meus amigos: desculpem o estado de ânimo, traduzido aí acima pelo título do artigo, mas considerando que o momento atual importa na suspensão temporária da nossa militância no MCCE (por absoluta perda de objeto) não poderia ser diferente a nossa reação.

Vencemos. Vamos às férias! Entremos em recesso!

Não há mais ninguém a ser convencido da necessidade de combater a corrupção, o malfeito, amainar ou eliminar as fraudes na gestão pública e a intromissão do crime organizado nas relações políticas e judiciais, já que as recentes manifestações, sejam elas escritas ou em passeatas, mostram que os antigos defensores de corruptos e bandidos, agora se perfilam ao lado dos cidadãos honestos, defensores da lei.

Isso não é fantástico?

Vimos, com muita satisfação, a presença de um dos maiores defensores do Comendador Arcanjo em uma passeata contra o crime organizado e pedindo julgamento célere de malfeitores. Logo ele, que durante “trocentos” anos esteve lá no TRE e nunca disse da venda de sentença e negociação de mandatos, vindas à luz pela Operação ASAFE (será que antes ninguém sabia?).

Lembremos que havia uma pessoa altamente qualificada, que não se preocupava em mencionar sua condição de dirigente da OAB de Mato Grosso nas petições em defesa dos criminosos, e que agora está alinhado ao combate do malfeito (e dos malfeitores). Tudo será profissionalizado. Quem sempre soube como se fazia a compra de deputados, a pulverização de dinheiro público em factorings para uso nas eleições, que guardou por anos a fio o segredo que permite a empresa União Transportes (mesmo sendo propriedade de político) seguir na exploração do povo pobre de Cuiabá e Várzea Grande (e põe “exploração” nisso!) cobrando horrores nos preços das tarifas, sabe muito bem o que fala e será altamente útil na defesa da ética e da probidade.

Mas ele não está só na nova empreitada contra a corrupção.

Lembram da obra literária “Privataria Tucana”, livro “bombado” escrito por Amauri Ribeiro Junior? Pois é. Em bem alinhavadas linhas é desvelado o segredo de polichinelo que guardam as privatizações de empresas públicas nos anos 90. Ali foi escrito que a empresa tapuia Amper, propriedade de Armando de Oliveira (irmão do ex governador Dante) fora altamente beneficiada no sistema Eletrobrás (empresa federal). Mas seu dono foi processado criminalmente pelo Ministério Público Federal, certamente porque fez coisa errada. A sua defesa, tão qualificada e elogiada, que não se descuidou de dizer da inocência sem justificar ou revelar a origem dos muitos milhões, agora também se perfila no combate à corrupção.

Santa equipe! Só falta o Tourinho, lá de Brasília!

Mas, a se guiar pelas escritas e manifestações públicas (em passeatas contra a corrupção, inclusive), há muito mais “guerreiros novos” no front de combate aos malfeitos. Lembram dos escândalos envolvendo os vereadores de Cuiabá, que resultou na CPI da Compra de Voto, no ano de 2000? Pois é. O defensor dos malfeitores agora é ativo e imponente ativista pela ética e por justiça.

Acho que se cansou de somente defender o Humberto Bosaipo nas mais de 200 ações que este responde, tudo por improbidade e desvio de recursos públicos. É óbvio que o “novo guerreiro” será importante no combate ao crime e à corrupção porque conhece os meandros de como se ativa a máquina que avança sobre o erário. Afinal ele protegia Murilo Domingos, o mentor da empresa João Só, criada para drenar recursos públicos da prefeitura de Várzea Grande.

Enfim.

“Tamos” anunciando que em vista de tão importantes estudiosos do crime e de criminosos, se ativando no combate à corrupção, restará sem sentido e desnecessária a sequencia destes militantes, fundadores do MCCE, nessa árdua atividade.

Ceará diz: “Eu já me decidi. Sem função no combate à corrupção, irei auxiliar a minha esposa, na produção de artesanato e cultivo de frutas. Até pedi a ela que aumente o espaço físico do seu ‘ateliê de fundo de quintal’’, a permitir o ingresso deste novo ‘artesão’”.

Difícil será dar um destino digno ao “abacateiro do Sintep”,  imponente árvore que viceja no alto do Bairro Bandeirantes, em Cuiabá (ali próximo à Mesquita Muçulmana, nas imediações da Igreja do Rosário). Mas com certeza ao menos regada semanalmente ela será.

E se os “novos cristãos” recém convertidos no combate ao malfeito se revelarem fraudadores da boa fé alheia e destacados fariseus, aí os ativistas do MCCE voltarão. Com todo o gás e com a ajuda do abacateiro.

Vilson Nery e Ceará são militantes do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral em Cuiabá

5 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.74.151.203 - Responder

    Caros militantes do MCCE, Ceará e Vilson, adorei a ironia. Só rindo! Abraços cuiabano…

  2. - IP 201.47.154.162 - Responder

    Aposentem-se…

    Despacho

    Decisão Liminar em 25/04/2012 – AC Nº 22327 MINISTRO GILSON DIPP

    DECISÃO

    Trata-se de ação cautelar com pedido de medida liminar proposta por Gilmar Donizete Fábris, deputado estadual, visando à atribuição de efeito suspensivo a recurso ordinário interposto de acórdão do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso que, em sede de representação por arrecadação e gasto ilícito de recursos, decretou a imediata cassação do seu diploma. Está na ementa (fl. 80):

    REPRESENTAÇÃO ELEITORAL. ARTIGO 30-A DA LEI Nº 9.504/1997. GASTO ILÍCITO DE RECURSOS. UTILIZAÇÃO DE TRÊS CHEQUES PARA SAQUE DE TODOS OS RECURSOS ARRECADADOS (R$ 400.000,00). REALIZAÇÃO DO PAGAMENTO DE TODAS AS DESPESAS DE CAMPANHA (R$ 400.000,00) EM DINHEIRO VIVO. INEXISTÊNCIA DE REGISTRO DA TOTALIDADE DAS DESPESAS NO EXTRATO BANCÁRIO DA CONTA CORRENTE. POSSIBILIDADE FÁTICA DE CONDUTA DIVERSA DEMONSTRADA NOS AUTOS. VIOLAÇÃO DO ARTIGO 22 DA LEI DAS ELEIÇÕES. OFENSA À MORALIDADE E PROBIDADE NO TRATO DOS RECURSOS DE CAMPANHA E À LISURA DO PLEITO. ABUSO NO EXERCÍCIO DO DIREITO DE EFETUAR GASTOS COM VISTAS A ALCANÇAR O MANDATO ELETIVO. REPRESENTAÇÃO JULGADA PROCEDENTE. PROPORCIONALIDADE DA SANÇÃO DE CASSAÇÃO DO DIPLOMA. DIPLOMA CASSADO.

    Comprovado cabalmente o gasto ilícito de recursos em campanha eleitoral, a sanção prevista na legislação é a cassação do diploma outorgado ao candidato, na forma do § 2º do artigo 30-A da Lei nº 9.504/1997.

    O autor defende estar presente a plausibilidade do direito, porquanto o saque em conta bancária de campanha para pagamento de todas as despesas em espécie constituiria, na linha da jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral, mera irregularidade formal, incapaz de ensejar a rejeição das contas, tampouco a cassação do diploma quando, por outros meios idôneos, possa ser comprovada a destinação dos recursos.

    No ponto, segundo afirma, “[…] ainda que o descumprimento dessa formalidade, por abranger a totalidade das despesas, ostentasse gravidade suficiente para ensejar a desaprovação das contas de campanha – o que apenas se admite para argumentar – a verdade é que jamais se prestaria a justificar a cassação do diploma com base no art. 30-A da Lei nº 9.504/97 […]” (fl. 12).

    Afirma que o perigo na demora estaria caracterizado pelo fato do TRE/MT ter determinado a imediata execução do acórdão, expedindo, inclusive, ofício à Assembléia Legislativa com vistas à instauração do procedimento de perda de mandato.

    Requer, assim, a concessão de liminar a fim de que sejam sustados, até o julgamento definitivo do recurso ordinário, os efeitos do acórdão que determinou a cassação do seu diploma. No mérito, pugna pela procedência da ação cautelar, confirmando-se a liminar deferida.

    Decido.

    No caso, a concessão da liminar pretendida é medida que se impõe, a fim de se evitar a perda, ainda que temporária, do exercício do mandato eletivo.

    A situação, por certo, encontra eco na jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral, segundo a qual é “[…] Cabível o deferimento de ação cautelar para dar efeito suspensivo a recurso especial eleitoral ante a probabilidade de êxito do citado recurso e o perigo de dano irreparável consistente na supressão de mandato eletivo […]” (AgR-AC nº 2.533/GO, Rel. Ministro FELIX FISCHER, julgado em 26.8.2008, DJe 15.9.2008).

    Pelo exposto, defiro a liminar pleiteada para conferir efeito suspensivo ao recurso ordinário interposto nos autos da Representação nº 19-11.2011.6.11.0000/MT, até ulterior deliberação desta Corte, determinando, por conseguinte, a manutenção do autor no cargo de Deputado Estadual ou o seu retorno, caso tenha ocorrido o afastamento.

    Comunique-se com urgência.

    Cite-se o Ministério Público Eleitoral.

    Publique-se.

    Intimem-se.

    Brasília, 25 de abril de 2012.

    MINISTRO GILSON DIPP

    RELATOR

  3. - IP 201.86.181.4 - Responder

    Vilsão, e a ação de improbidade que você responde em Sorriso, o oficial já te achou ? Ta aprendendo com o Riva.

  4. - IP 177.41.95.21 - Responder

    Ó meu caro Vilson Nery…..Faz um artigo decente e para de inventar meu amigo Enock…..”meus amigos e meus inimigos”..

    Abrçs

  5. - IP 177.41.90.72 - Responder

    E as Vestais ? Não tem pecado ? AH – se o abacateiro falasse ! Tanta coisa que acontece ali perto.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

11 + 13 =