CEARÁ E VILSON NERY: Alguns exemplos de como a Lei da Ficha Limpa, aplicada na íntegra pela primeira vez, vem favorecendo uma faxina na política: estão impugnados os pedidos de registro, para disputar a eleição de 2014, de políticos como Paulo Maluf, José Riva e José Roberto Arruda. Todos com extensa ficha criminal.

 Antonio Cavalcante, o Ceará, e Vilson Nery são ativistas do MCCE (Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral) em Cuiabá, Mato Grosso

 Antonio Cavalcante, o Ceará, e Vilson Nery são ativistas do MCCE (Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral) em Cuiabá, Mato Grosso

SUJAS SEMELHANÇAS
Por Antonio Cavalcante Filho (Ceará) e Vilson Nery

Há muitos anos a população brasileira vê na imprensa e ouve falar, nas rodas de boteco, de políticos que se tornam milionários durante o mandato eletivo, como se uma força estranha permitisse que a “proximidade” dos cofres públicos exercesse uma força bidimensional tipo “efeito Midas”. Só que em tais casos tudo o que político toca com suas mãos se transforma em ouro, e escorrega para sua algibeira.

Mas o caso é que o político não chega ao mandato por força própria, é ungido por votos comprados, conluio com algumas empresas de comunicação, relação promíscua com empreiteiras, influência do crime organizado, e – capítulo à parte – proteção paga a bandidos de toga. Juízes e tribunais não julgam os ficha-suja, deixam prescrever (caducar) os crimes; e quando julgam, absolvem (perdoam); e quando condenam o fazem a “meia boca” permitindo que um rábula encontre uma “brecha na lei”.

É por isso que nasceu a Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar 135/2009), um grito de socorro da cidadania em busca de homens e mulheres que atuem na gestão pública com altruísmo e honestidade. Sim, existem homens e mulheres probos e sinceros na política, mas cada vez em menor número.

É que há muito tempo os mandatos eletivos vêm se transformando em escudo para proteger bandidões, e mantê-los bem distantes das grades, detentores de foro privilegiado. Fazem isso sem qualquer pudor, protegidos pelos “nobres colegas” e pelos bandidos de toga. Ao invés de circular na penitenciária, são figuras fáceis na coluna social.

Alguns exemplos de como a Lei da Ficha Limpa, aplicada na íntegra pela primeira vez, vem favorecendo uma faxina na política: estão impugnados os pedidos de registro, para disputar a eleição de 2014, de políticos como Paulo Maluf, José Riva e José Roberto Arruda. Todos com extensa ficha criminal, a confiar nas informações publicadas pelos Tribunais de Justiça de SP, do DF e de MT.

Maluf possui diversas condenações, mas somente uma delas foi suficiente para enquadrá-lo como um ficha-suja. O dito cujo foi condenado por sentença de primeira instância e o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) confirmou a “condena” em 4 de novembro de 2013, impondo ao ex-prefeito Paulo Maluf (1993-1996) as penas da improbidade administrativa. O TJ/SP manteve a suspensão dos direitos políticos de Maluf por 5 anos. Ele foi condenado por superfaturamento nas obras do Túnel Ayrton Senna, durante sua gestão na prefeitura paulistana.

Condenação tardia, quase 20 anos após o delito! Nota: o Município de São Paulo tem uma das mais altas dívidas públicas do país!

Os eleitores medianos não têm noção, mas o político ficha-suja faz um mal danado para a ética e a educação das futuras gerações. Lembremos do ex-governador Arruda, flagrado com os deputados distritais de Brasília na “Oração da Corrupção”. Que exemplos esse tipo de gestor dá às futuras gerações? Só mesmo a Lei da Ficha Limpa é capaz de afastar o “lixo eleitoral”, Arruda é tratado nas ruas como ladrão, por eleitores indignados com sua insistência em continuar candidato, mesmo cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral do DF. Isso também aconteceu com José Riva em um jogo do Corinthians, em Cuiabá, recebido por vaias e xingamentos de eleitores indignados.

A negativa de registro ao candidato a José Roberto Arruda foi confirmada pelo plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por seis votos a um, decisão que barrou sua candidatura a governador do Distrito Federal. O julgamento começou na noite de terça-feira (26 de agosto) e terminou somente no dia seguinte, de madrugada.

No caso de Maluf, uma única condenação por improbidade já o deixou na condição de ficha suja, e Arruda foi julgado por colegiado do Superior tribunal de Justiça, alguns dias após ter solicitado formalmente o registro de candidato ao TRE do DF. Boas novidades na hermenêutica eleitoral.

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.7.79.27 - Responder

    Essa dupla mistura pregação fascista, conversa de boteco e solução policialesca para as questões sociais e políticas do País. O resultado é o lixo intelectual que, por medida de profilaxia, precisa ser combatido e soterrado para que não contamine o pensamento e a formação da juventude. A questão da liberdade e do respeito à manifestação popular, sem exclusões e cerceios, devem orientar a discussão, permitindo que a sociedade cultive valores democráticos e encaminhe soluções não autoritárias. As soluções estão na radicalidade democrática e na vitória da racionalidade sobre o autoritarismo, seja ele de Direita ou de Esquerda. Ceará e Vilson Nery – vivandeiras do Judiciário e do Poder de Polícia do Estado – estão com a cabeça no reacionarismo do Século XX e pregam a substituição da vontade popular pelas decisões judiciais. Temos urgência em encontrar respostas atuais e contemporâneas com os valores deste Século XXI e que coloquem a vontade popular no centro das propostas de solução para os graves problemas que enfrentamos.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

onze − quatro =