CARTA A JOÃO PAULO MORESCHI: “Caro e ingênuo doutor, não entre nesse jogo, não se deixe usar. Eu não respondo a inquérito por fraude em licitação. Não chamei os colegas procuradores de “ratos”. A maneira como a Assembléia conduziu a PEC 13 é que foi sorrateira” – escreve o prof. Naime

Os advogados Naime Márcio Martins Moraes e João Paulo Moreschi duelam em torno da disputa eleitoral na OAB-MT, que se decidirá no próximo dia 23 de novembro

VERGONHA DE QUE? DE QUEM FALA A VERDADE
por PROF NAIME

Caro colega Dr. João Paulo, me lembro muito bem de você, lamento que tenha se ofendido e, principalmente, se sujeitar a assinar um artigo desses, se expondo, e tentando denegrir a minha imagem, essa que formei ao longo de minha carreira, pela minha integridade, honestidade, sou conhecido e tenho muito serviço prestado à advocacia de Mato Grosso.

O fato de eu não freqüentar a OAB todo dia, fazer parte de qualquer comissão, não significa, que não atuo em favor dos advogados.

Recentemente estive em dois congressos, um internacional e outro do Centro oeste, pagos por mim, sendo que o conhecimento lá adquirido é repassado para meus alunos e meus colegas, inclusive compartilho com magistrados e promotores de justiça, discutindo o direito para sua melhor aplicação em favor da sociedade. Vou a congressos todos os anos, no mínimo um, sempre pagos por mim.

Só para recordar, realizei TRÊS congressos aqui em Cuiabá, inclusive um internacional, quando trouxe seis juristas/conferencistas estrangeiros, da Espanha, Argentina, Peru, Portugal, além de dez dos mais renomados juristas do Brasil, referencias no direito de Família e das Sucessões.

De outra sorte, meu nobre colega, sabe a OAB,  sofri por uma migalha de apoio, tenha certeza, sofri muito.

Caro e ingênuo Dr. João Carlos, nas minhas sustentações orais, feitas nos juizados e no tribunal, dignifico e honro a classe, faço o que a OAB deveria fazer; chego a me expor, quem já assistiu às minhas falas sabe que olho no olho do juiz e do desembargador, com o respeito que cada um merece mas no mesmo nível, sem ser pretensioso, em cada defesa dou uma aula, já fui aplaudido pelos colegas que estavam presentes, além elogiado pelos magistrados. Gozo do respeito dos magistrados e dos serventuários da justiça.

Para seu conhecimento, já escrevi carta ao Ministro do Supremo Tribunal Federal, falando da indústria do “se dane que o Poder Judiciário está a incentivar com suas condenações pífias”. Pergunto: o que é que a comissão responsável fez sobre isso?

Quando estive para lançar o livro “Afeto e Estruturas Familiares”, de que tive a honra e o privilégio de ser coordenador, juntamente com uma das mais renomadas juristas do país, a desembargadora aposentada do Rio Grande do Sul, Dra. Maria Berenice Dias, encaminhei para a OAB/MT, no final da gestão do Faiad e início da gestão Claudio Stabile, para ambos pedi apoio. O livro foi lançado a nível nacional com a presença do ministro Ayres Brito, em Belo Horizonte, no Congresso Nacional do IBDFAM mas, aqui em Cuiabá, sequer a OAB colou uma nota informativa no seu jornalzinho.

Quanto ao que escrevi, e reafirmo linha por linha, não é um artigo eleitoreiro. Esta página democrática do jornalista Enock, já publicou muitos dos meus artigos, seja quando me expresso não concordando com a OAB, seja por algum ato político, enfim, se buscar no Google, vai encontra meus artigos e minhas posições firmes e contundentes.

Você precisa aprender a ler, NÃO chamei os colegas Procuradores de “ratos”, leia, melhor, quanto à PEC 13, tenho, sim, minha opinião que, inclusive, é mesma  do Dr. Claudio Stabile e da diretoria da OAB que, inclusive, embora atrasada protocolizou um documento na Assembléia Legislativa se posicionando contra a PEC 13. ( A maneira como a Assembléia Legislativa conduziu o projeto de emenda constitucional é que foi sorrateira, na minha opinião)

Meu caro colega, meu artigo não é eleitoreiro, o que disse está dito e é tudo VERDADE, a minha posição contra os atos e as omissões da atual gestão e da  anterior já são de conhecimento público, inclusive já publicadas outras vezes nessa página.

Ora, quanto a PODER, a preocupação é sua e do grupo que você apóia; esses, sim, são apegados a cargos, tanto que estão até te usando para escrever essas bobagens e ficarem a qualquer custo, ou seja, querem continuar a receber as cestas de café da manhã e demais regalias. Ou será que é apenas excesso de amor à classe?! ESSES CARAS TÊM QUE SAIR. CHEGA, LARGA O OSSO.

Caro João, te conheço, não entre nesse jogo, não se deixe usar, você não sabe nada sobre a eleição de ordem, os únicos que você conhece são os que te deram esse status, esse carguinho – a OAB é MUITO MAIS que isso!

Quanto ao que fiz pela minha categoria poderia escrever, muito, mas já basta.

Eu não estou respondendo a inquérito por fraude em licitação, dentre outras coisas, não sou omisso.

Aprenda com seu ex-professor: esse tititi, no dia 24, já acabou, quem ganhou, ganhou, quem perdeu já esqueceu. A vida continua, não se deixe usar como massa de manobra, seja você mesmo.

Um grande abraço

Prof. Naime  – professor, advogado, presidente do Instituto Brasileiro de Direito de família (IBDFAM/MT) e, com muita honra, apoiador da chapa 2 – Presidente Moreno.

17 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.88.229.234 - Responder

    O Naime já não gozava de muito prestígio comigo. Agora, me deixou surpreso descobrir que não é capaz de organizar as palavras e produzir um texto minimamente decente. Que artigo mal escrito. Advogados vendem conhecimento, palavras, redação. Aconselho ao Dr. Naime, que tanto participa de congressos, a fazer um curso de com o Dr. Pasquale. URGENTE!

  2. - IP 200.17.60.247 - Responder

    Aprenda com os Mestre Naime, João Paulo…O cara sabe das coisas…

  3. - IP 189.96.11.7 - Responder

    Parabéns Dr. Naime! O artigo do colega da OAB foi infeliz! O Sr tem muito serviço prestado, e é um advogado de muito prestígio! Participei de 2 congressos que o Sr realizou e foram os melhores que eu fui. Parabéns

  4. - IP 187.25.187.43 - Responder

    O professor Naime está certo, estuda e cresça mais um pouco João, para ter uma visão crítica abrangente como tem o professor Naime. Como você mesmo disse, o professor exagera quando critica, ele não exagera sem mais nem menos, o que ele faz é levar aos extremos a sua indignação diante de tantos desmandos e corrupções., Quem dera tívessemos no Brasil, um milhão de professores Naime, quem sabe não estaríamos agora vivendo um caos por tantos desvios de dinheiro dos cofres públicos e jogos por disputa de poder dentro das nossas grandes instituições mais sagradas, como por exemplo a OAB. Valeu professor Naime, não deixe que uma crítica de um jovem inexperiente ainda trilhando os primeiros caminhos da vida, cale um gigante como o Doutor. Suas críticas são sempre bem vindas. O mundo precisa entender que existem muitas mazelas, não importa onde elas estejam infiltradas, devem ser criticadas e postas à vista de todos, e o caro professor faz isso muito bem.

  5. - IP 177.17.206.150 - Responder

    parece que o professor continua dando lições ao aluno que, estranhamete, se recusa a aprender. deve ser um jovem de cabeça dura. o professor tem que ter muita paciencia…

  6. - IP 187.25.187.43 - Responder

    Parabéns Ana, temos de insentivar quem diz a verdade no Brasil, pois são poucos.O povo brasileiro precisa saber das mazeas que existem no meio político, judiciário e administrativo neste país, e o professor Naime é uma pessoa que sabe muito a esse respeito, pois a militância de advogado oportuniza a ele conviver com todos os meios acima nomeados e a conhecer todos os seus erros e acertos.
    Não devemos nos curvar aos erros de muitos, é a coragem de poucos que tem feito valer o bom senso neste país massacrado. Hoje, a exemplo, temos uns dos corruptos do mensalão com uma pena para cumprir em regime fechado de nada menos que dez anos, isso levanta o ego do brasileiro descrente na justiça. Parabéns professor Naime, continua sendo esse grande crítico das mazelas que é, pode saber que você é criticado por poucos, mas é lido e apaludido por muitos.

  7. - IP 187.25.187.43 - Responder

    Parabéns Ana, temos de ter coragemm para defender as pessoas que dizem a verdade neste país, pois elas são poucas. Não temos mais de conviver com estes absurdos que acontecem nos meios políticos, judiciários e administrativos. O resultado dessa postura correta de denunciar, é que hoje temos um dos algozes da sociedade, o qual espôs o Brasil à vergonha, com suas falcatruas, e corrupções junto a outros da mesma laia, amargando uma condenação de 10 anos e alguns meses de cadeia, isso é muito bom para o ego sofrido do brasileiro. O professor Naime está certo, certíssimo, tem de botar a boca no trombone, doa a quem doer. Joãzinho lindo, espera chegar à idade e à sabedoria do professor Naime para poder falar à altura pelo menos dos ombros dele. É isso aí, professor, vá fundo… fala mesmo, pelo menos você pode, pois é um grande advogado, respeitado por muitos, e criticado por poucos.

  8. - IP 187.116.79.153 - Responder

    Parabéns professor pelo artigo, mto bom.

  9. - IP 189.92.185.76 - Responder

    “Ratos sorrateiros” é pouco para quem rouba a consciência do povo brasileiro às escuras. Será que sendo ou não advogados o povo não enxerga que por trás da maioria das grandes decisões tomadas pelos entres ligados ao Poder tem alguma trapaça? E, quem perde com isso somos nós os brasileiros. O resultado de tanta falta de ordem em todos os atos deliberativos e as corrupções dos representantes dos órgãos do três grandes poderes tem ocasionado um genocídio das pessoas menos favorecidos no Brasil. Também não conheço o professor Naime, nem moro em Mato Grosso, mas sempre leio o que ele escreve, e ele está sempre falando a respeito de alguma coisa errada que está acontecendo. A expressão “rato sorrateiro” usada por ele, acredito que não representa de fato a figura do ladrão de queijo, mas sim do ladrão de vida, de oportunidade, de esperança, de muitas outras coisas que o brasileiro perde toda vez que uma pessoa que tem poder pratica um ato errado, acredito que foi isso que ele pensou, quando usou a expressão. Cada ato decisório errado, representa o genocídio de parte da população, são esses pequenos atos isolados que tem levado o país a ser o que é hoje, cheio de injustiças e desumanidade.

  10. - IP 177.41.91.128 - Responder

    Muito bem Dr. Naime, ninguém ira descontruir a sua luta pela classe… Muito bem !!! Otimo artigo !!

  11. - IP 177.65.158.212 - Responder

    Grande Naime, nao de Ibope ao juvenil colega, ele caiu no canto da sereia, assim como Fabio Melo, que fez discurso de oposicao, criticou a OAB e Faiad e hj esta na chapa do Mauricio. Vergonhoso para um homem ter duas palavras, parece coisa de Daiane dos Santos, um pe la e outro ca! Quanto a eleicao, vamos aguardar Naime, pois chega de gente q usa e abusa daOAB

  12. - IP 189.93.253.14 - Responder

    Dr. Naine, agradeço pelas palavras ora transcritas, aprendi com não me portar, como não me expor negativamente. A sua manifestação no sentido de exaltar suas virtudes demonstra certa insegurança. Por mais que tentou falar acerca dos serviços não restou claro quais serviços prestou a classe. Se escreveu um livo, isso ajudou ao senhor. Se fez sustentação oral e foi aplaudido (NUNCA VI ISSO ACONTECER), isso não fortalece a classe e sim o senhor individualmente. Se fez um congresso, cobrou a inscrição, nesse sentido, obteve lucro. Resumindo, existem outras formas para protestar, uma delas é apresentar propostas, ONDE ESTÃO AS SUAS?

  13. - IP 189.59.43.179 - Responder

    Isso que é humildade do grande professor Naime. Esse diamante puro de alto quilate do saber jurídico.

  14. - IP 189.93.198.3 - Responder

    Acredito que o professor chamou de “ratos sorrateiros” às pessoas que votaram a PEC de forma escondida, de surpresa, sorrateiramente, e isso foi verdade, para que tanta confusão por isso? Vá trabalhar gente, o professor Naime já está com a vida ganha, e depois dessa, vai ganhar mais ainda, está ficando famoso o homem. O garotão só ajudou a critica dele se tornar mais famosa. Muito bom professor, Agora a luta é por uma fatia do bolo servido pela OAB, e que bolo hein?

  15. - IP 189.93.202.165 - Responder

    A comissão da cultura, já que é formada por advogados, que tem compromisso com a justiça e a lisura do aproveitamento dos recursos empregados pelo Estado, deveria também atuar na fiscalização da realização dos projetos culturais neste estado, pois os mesmos têm servido para manter muita gente que não faz nada de bom, só babaquices, vivendo às custas das verbas destinadas aos projetos. Projetos culturais de verdade neste estado, são poucos, não podemos generalizar porque existem aqueles desenvolvidos pela Universidade Federal que são muito bons. Dá vergonha assistir aos espetáculos culturais em Cuiabá, são poucos que valem a pena, e são milhões entregues aos produtores que não os aproveitam adequadamente. Existem pessoas que chamam os produtores culturais de Mato Grosso de “lumpos urbanos”, uma doença crônica para o Estado. Geralmente, são pessoas que vivem de migalhas, esperando a aprovação de um projeto em seu nome ou de sua instituição para colocar as dívidas do ano todo em dia, o que sobra para o cumprimento real do projeto é muito pouco, compra-se notas frias para a prestação de contas e assim vai indo, no próximo período está apto a ter aprovado novo projeto. Não quero entrar no mérito da discussão se a comissão faz alguma coisa ou não, só gostaria que ela se armasse de mais uma obrigação para a sua atuação, a fiscalização do emprego das verbas dos projetos, pois isso é uma vergonha para o Estado, só se engana a esse respeito quem quer, ou é beneficiado por essa gang de doentes crônicos que sugam os cofres públicos disfarçados de produtores culturais. Será que o termo “lumpos urbanos” é apropriado ou ainda é pouco para eles? Poderíamos chamá-los de sangue-sugas da cultura, ou medigos culturais, ou ainda parasitas da cultura. A Comissão Cultural da OAB por fazer parte de um órgão tão respeitado, deveria tomar uma providencia a esse respeito, fiscalizar ao pé da letra os projetos culturais desde a sua aprovação pelo Conselho de Cultura até o seu desenvolvimento pelo produtor. A corrupção nessa área é tão grande que existem pessoas que só por fazer ponte entre o produtor e o Conselho, já é beneficiado com uma porcentagem do valor do projeto, isso não é legal, não é justo e é totalmente imoral., a OAB pode dar uma grande ajuda nessa parte.

  16. - IP 177.17.206.92 - Responder

    Colega João Paulo, não se ofenda com a resposta do Prof. Naime, pois não foi você quem escreveu aquele artigo (carta), sabemos que você somente assinou o mesmo… não sei se é melhor ou pior… se foi ingênuo ou marionete….

  17. - IP 201.71.158.130 - Responder

    Parabéns professor Naime, realmente quando se fala a verdade incomoda muita gente, a OAB a tempos vem tendo um desempenho pífio, sem a presença nas grandes causas de interesse social…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

4 + 11 =