Carlos Drummond de Andrade: “Não deixe que prendam Nara Leão”

Carlos Brummond de Andrade, poeta brasileiro

Dia 27 de maio de 1966 — hoje, portanto, faz 46 anos —, Carlos Drummond de Andrade publicou o poema “Não deixe que prendam Nara Leão”. A cantora estava ameaçada por causa de entrevista em que criticara a ditadura, então chefiada pelo marechal-ditador Castelo Branco.  A irmã de Danuza Leão e musa da Bossa Nova dera entrevista para os jornais na qual fez críticas aos militares, autores do golpe de 1964, que mudou pela força o sistema político brasileiro. Temendo a prisão de Nara, o poeta fez esse apelo:

“Meu honrado marechal
dirigente da nação,
venho fazer-lhe um apelo:
não prenda Nara Leão (…)
A menina disse coisas
de causar estremeção?
Pois a voz de uma garota
abala a Revolução?
Narinha quis separar
o civil do capitão?
Em nossa ordem social

Nara Leão, cantora brasileira

lançar desagregação?
Será que ela tem na fala,
mais do que charme, canhão?
Ou pensam que, pelo nome,
em vez de Nara, é leão? (…)
Que disse a mocinha, enfim,
De inspirado pelo Cão?
Que é pela paz e amor
e contra a destruição?
Deu seu palpite em política,
favorável à eleição
de um bom paisano – isso é crime,
acaso, de alta traição?
E depois, se não há preso
político, na ocasião,
por que fazer da menina
uma única exceção? (…)
Nara é pássaro, sabia?
E nem adianta prisão
para a voz que, pelos ares,
espalha sua canção.
Meu ilustre marechal
dirigente da nação,
não deixe, nem de brinquedo,
que prendam Nara Leão.”

Categorias:Quebra Torto

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezessete − nove =