Cardiologista Luis Scala ministra palestra em Congresso Português de Hipertensão

“Hipertensão Arterial no Brasil em 2013”. Esse foi o tema da palestra ministrada pelo cardiologista Luiz César Nazário Scala durante o 7º Congresso Português de Hipertensão e Risco Cardiovascular Global. Organizado pela Sociedade Portuguesa de Hipertensão (SPH), o evento ocorreu na semana passada, em Algarve, na região sul de Portugal.

O médico, que é cooperado da Unimed Cuiabá, integrou o seleto grupo de profissionais convidados para integrar o Simpósio Brasil-Moçambique-Portugal, dedicado aos países lusófonos. Na ocasião, Scala apresentou dados relacionados à hipertensão arterial (HTA). Segundo ele, no Brasil, a HTA atinge mais de 36 milhões de adultos e 5 milhões de crianças e adolescentes.  Um estudo do Ministério da Saúde, inclusive, no período de 2006 a 2010, mostrou aumento da prevalência da doença, provavelmente relacionado aos registros de obesidade, consumo abusivo de bebidas alcoólicas e diabetes.

A visão holística do doente, as particularidades da HTA na gravidez, os desafios da HTA (novos antidiabéticos e tratamentos, controle em doentes de alto risco, compreensão das lesões cerebrais, privação do sono), foco no tratamento precoce, estratégias de promoção à saúde e recomendações da Sociedade Européia de Hipertensão (ESH), além dos cursos de pós-graduação em HTA, compuseram a programação do evento.

Alguns desses assuntos foram abordados pelos “papas” da Cardiologia no mundo, a exemplo do editor do Journal of Hypertension, Alberto Zanchetti, e o diretor da Unidade de Hipertensão do Instituto de Medicina Interna e Dermatologia da Universidade de Barcelona (Espanha), Antonio Coca.

Em sessão magna, ainda foram apresentados os resultados do estudo “Prevalência da Hipertensão Arterial e Consumo de Sal em Portugal”. “A aproximação e a troca de experiências foram muito importantes, já que Portugal mostrou que tem maiores níveis de conhecimento, tratamento e controle da HTA. Dessa forma, percebemos que ainda falta muito para que o Brasil melhore os números de combate e da prevenção da HTA”, expôs Luiz Scala, que também é coordenador da Unidade de Hipertensão Arterial do Hospital Universitário Júlio Müller (HUJM), em Cuiabá.

A hipertensão arterial será abordada em outros congressos internacionais. Em São Francisco (EUA), o Encontro da Sociedade Americana de Hipertensão (ASH) ocorrerá entre os dias 15 e 18 de maio; em Amsterdã (Holanda), está agendado o Congresso Europeu da Sociedade de Cardiologia (ESC), entre os dias 31 de agosto e 4 de setembro; em Milão (Itália), o Congresso da Sociedade Européia de Hipertensão (ESH) acontecerá entre 14 e 18 de junho e; em Dallas (EUA), o Encontro Americano da Cardiologia do Coração (AHA), entre os dias 16 e 20 de novembro.

Trabalho Científico – O cardiologista Luiz Scala apresentou ainda o resultado do trabalho científico realizado em Cuiabá e sob o título “Incidência de HTA em uma capital brasileira: Cuiabá (MT). Estudo de base populacional”. No documento, observou-se a elevada incidência da HTA (novos casos de hipertensão na população urbana pré-hipertensa). Percebeu-se que, em 10 anos, 86% de pessoas com pressão normal devem se tornar hipertensas na Capital mato-grossense. “Trata-se de uma situação preocupante, chamando a atenção para políticas de planejamento de combate e prevenção da HTA”, afirma o médico. “Além da atenção especial aos fatores de risco associados, como diabetes, consumo excessivo de bebida alcoólica, sedentarismo, estresse, obesidade, entre outros”.

Os resultados dessa pesquisa, inclusive, serão publicados na Revista Portuguesa de Hipertensão e Risco Cardiovascular, a convite do diretor da publicação, J. Braz Nogueira.

 

FONTE UNIMED CUIABÁ

Categorias:Plantão

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezessete − 17 =